Domingo, 16 de Novembro de 2014

Gostas do que vês? - Rute Coelho - Opinião

Gostas do que Vês.jpg

Eu e este livro começámos mal. Ignorei-o completamente por causa da capa, que me remeteu de imediato para essas séries de romances eróticos que aparecem por todo lado como uma praga. Admito aqui a minha total ignorância por nunca ter lido nenhum desses títulos, mas correndo o risco de estar a perder uma grande coisa e até, quem sabe, revolucionar a minha vida sexual, vou continuar a passar ao lado.

“Gostas do que vês?” tem uma capa sugestiva que mostra corpo e uma roupa sensual, mas à medida que avançava na leitura, a minha visão da capa foi mudando. Na verdade, e olhando mais atentamente, o que temos na capa é um espartilho. E lendo, cada vez me fui sentido mais apertada, experimentando a sensação de desconforto de quem não gosta do seu corpo.

Apesar de “Gostas do que vês?” ser sobre duas mulheres tamanho XXXL que encaram a gordura e vivem o seu corpo de formas opostas, Cecília, que vive bem com o físico e tem uma relação saudável consigo própria, não me convenceu. Não que não hajam gordas felizes, de bem com a vida e com o seu aspecto, nada disso, mas porque sempre senti que Cecília, por ser exactamente o oposto de Natália, por vezes até de forma exagerada, seria tão só a pessoa que Natália desejaria conseguir ser.

Natália usa constantemente o espartilho da culpa e da mágoa, sentindo-se cada vez mais infeliz e apertada pelas sua inseguranças e incapacidades de ultrapassar as dificuldades do dia-a-dia. Usa a comida em doses exageradas para afastar a dor, uma satisfação momentânea que acaba por lhe causar mais sofrimento, insatisfação e culpa. Coloca-se em situações que a fazem sentir um lixo, como ser amante do patrão em pensões escondidas e de mau nome. Parece viciada em momentos de infelicidade, convicta de não merecer felicidade ou dignidade.

“Gostas do que vês?” é suficientemente real para ser lido. A pergunta do título é enganosa, não é feita aos leitores ou ao público, mas sim a qualquer um de nós quando se olha ao espelho. E é bom que se goste, pois não gostando, ninguém mais vai gostar.

Sinopse

“Natália e Cecília não se conhecem. São duas mulheres jovens muito diferentes, uma introvertida e amargurada, a outra confiante e determinada. Mas têm a irmaná-las o excesso de peso - e, apesar de cada uma lidar com ele à sua maneira, fugindo do espelho ou assumindo o corpo, a verdade é que nem sempre é fácil viver numa sociedade com os cânones de beleza instituídos e na qual se convive diariamente com o preconceito.
Natália está convencida de que não merece ser feliz; Cecília, pelo contrário, numa atitude desafiante, defende a beleza das suas curvas e o seu direito à felicidade, independentemente da diferença e da discriminação social. 
Num mundo em que se mascara a felicidade com plásticas e dietas loucas, Rute Coelho construiu uma história realista e surpreendente sobre a forma como podemos e devemos assumir o nosso corpo, aprendendo a gostar dele através das mudanças necessárias.”

Oficina do Livro, 2014

publicado por marcia às 22:48
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.a ler


.a ler também


.Dezembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Gostas do que vês? - Rute...

.últ. comentários

Eu li "Livro" no ano passado exatamente para o COn...
Tenho o livro e é excelente as letras são boas est...
Encontrei escrito em português de Portugal, foi tr...
Acabo de ler o livro e gostei muito. Pode não ser ...
Li A Oeste Nada de Novo, era jovem. Tema interessa...
Quero! MUITO!!!
Também acho!
Demasiadas páginas que voam...
Interessante cou ler também.
Nunca cheguei a ler OS Pilares da Terra, mas vi a ...

.tags

. todas as tags

.arquivos

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Setembro 2007

blogs SAPO

.subscrever feeds