Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

planetamarcia

planetamarcia

Janeiro 10, 2010

A Melodia do Adeus - Nicholas Sparks - Opinião

 

Já li alguns livros do Nicholas Sparks e tenho chegado sempre à mesma conclusão: livros com temas pesados, apesar de uma escrita simples e leve, com finais tristes – autor que acaba sempre por matar as personagens-chave.
São bons livros para despertar emoções, para nos deixarmos levar pelo drama… não é muito o meu género. Curiosamente senti-me muito tentada a ler o novo “A Melodia do Adeus”, alvo de uma boa campanha de divulgação, na altura do lançamento toda a gente falava dele; os que o leram, os que o queriam ler e claro, sobre o filme a estrear feito com base nesta história.
Graças à minha cara-metade o livro veio parar ao meu sapatinho e já está lido. Gostei bastante. É uma história densa sobre o amor, a amizade e, principalmente, o valor da família.
Faz-nos pensar no dia-a-dia, naquilo que investimos e no que deixamos para trás; na importância daqueles que gostam de nós e na forma como muitas vezes não somos justos ao distribuir a nossa atenção e dedicação. Um livro que cai naqueles clichés tipo “Só damos valor às coisas quando as perdemos”, mas que apesar de tudo resulta e faz pensar. Ou não fossemos nós criaturas humanas que cometem erros e dedicam muito do seu tempo de vida a pessoas que não nos são nada e que provavelmente não sentirão a nossa falta se desaparecermos. Eu pelo menos falo por mim, se algumas vezes procedo dessa forma por não ter alternativa, muitas outras devo-o à minha cabeça dura…enfim…
O que interessa, a meu ver, reter desta leitura é a forma como nos põe a meditar sobre estes temas. É um livro que fica, daqueles que mesmo daqui a muitos anos ainda vou recordar a história. O autor saiu-se especialmente bem desta vez, não sei se por ter escrito o livro a pensar na adaptação cinematográfica, mas gostei da forma como o estruturou e como a sucessão de acontecimentos oferece algumas surpresas.
Temos a história de amor adolescente entre Ronnie e Will, a reaproximação entre os irmãos Ronnie e Jonah ao pai que não viram nos últimos 3 anos, e claro, a revelação-chave que vai pautar o ritmo da narrativa a partir de certa altura…não me compete dizer do que se trata, mas uma vez “entrando” na história é muito fácil chegar lá. A partir de certa altura a leitura torna-se mais envolvente e adquire um ritmo rápido até ao final previsivelmente triste. Curiosamente um livro que nos dá esperança…
Recomendo!
Sinopse
“Com apenas dezassete anos, Verónica Miller - ou «Ronnie», como é carinhosamente chamada - vê a sua vida virada do avesso quando o casamento dos pais chega ao fim e o pai se muda da cidade de Nova Iorque, onde vivem, para Wrightsville Beach, uma pequena cidade costeira na Carolina do Norte. Três anos não são suficientes para apaziguar o seu ressentimento, e quando passa um Verão na companhia do pai, Ronnie rejeita com rebeldia todas as suas tentativas de aproximação, ameaçando antecipar o seu regresso a Nova Iorque. Mas será na tranquilidade que envolve o correr dos dias em Wrightsville Beach que Ronnie irá descobrir a beleza do primeiro amor, quando conhece Will, e vai afrouxando, uma a uma, todas as suas defesas, deixando-se tomar por uma paixão irrefreável e de efeitos devastadores. Nicholas Sparks é, como sabemos, um mestre da moderna trama amorosa, e, em A Melodia do Adeus, usa de extrema sensibilidade para abordar a força e a vulnerabilidade que envolvem o primeiro encontro com o amor e o seu imenso poder para ferir… e curar.”
 
Editorial Presença, 2009

 

Julho 07, 2008

Juntos ao Luar

Confesso que depois de terminar a leitura de "Justiça Amarga" de Martina Cole não me foi difícil decidir-me por um livro do Nicholas Sparks. Estava mesmo a precisar de uma "lamechice" para me aquecer a alma. Enfim, os prazeres de leitora eclética que me esforço por ser...

 

"Juntos ao Luar" surpreendeu-me. A escrita cativou-me e prendeu-me pela noite fora, a história tem alguma profundidade e é por vezes bastante introspectiva dada a narração ser feira por John, a personagem masculina deste romance.

 

Uma descrição muito bonita de amor e guerra, de obrigações, sonhos, desejos e muitas saudades. Gostei particularmente do desenvolvimento da relação entre John e o pai, de como a distância não significa necessariamente desinteresse quando há  vontade de estar perto. Mostrou de forma hábil como as pessoas são seres emocionais que precisam de ser compreendidas. em algumas passagens soltei uma lagrimita.

 

Adorei o final, que obviamente não vou revelar, calculo que muitos leitores não concordem comigo mas eu sinceramente achei o final lindo.

 

Sinopse

 

"Quando pela primeira vez contemplam juntos a noite de lua cheia, John e Savannah sentem a força inequívoca de um amor nascente invadir-lhes os corações jovens e expectantes. Mas a realidade não tarda a impor-se, precipitando uma vaga de acontecimentos que os coloca perante encruzilhadas de vida brutais. As longas separações e o peso quase insuportável da saudade impelem Savannah a tomar uma decisão difícil que irá mudar os seus destinos para sempre… No entanto, será a John que caberá a mais amarga de todas as decisões, aquela que ditará os seus futuros de uma forma irrevogável. Mas por mais dolorosa que seja, a escolha certa torna-se sempre nítida quando sabemos o que significa amar verdadeiramente alguém… Um romance soberbo, que nos traz Nicholas Sparks no seu melhor."

 

Editora Presença,  2008