Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

planetamarcia

planetamarcia

Abril 15, 2015

"Eu Confesso", de Jaume Cabré, finalmente em Portugal

Não sei quanto a vocês, mas eu cá morro de vontade de ler este livro!

7e6b8864a4441e0e4dbf6b7d750844dd-bigbook.jpg

Na Barcelona franquista, o pequeno Adrià cresce num apartamento sombrio. O pai está determinado a transformá-lo num humanista poliglota, a mãe, num violinista virtuoso. Brilhante, solitário e tímido, o rapaz procura satisfazer as ambições desmesuradas que depositam nele, até ao dia em a morte violenta e misteriosa do pai o leva a questionar a origem da fortuna familiar. Meio século depois, Adrià recorda a sua vida, indissociável do turbulento percurso de um violino excepcional. Da Inquisição ao nazismo, de Barcelona ao Vaticano, vai-se desvelando a cruel história europeia: uma cadeia de acontecimentos iniciada na Idade Média, com repercussões trágicas até à actualidade. 

Jaume Cabré é um dos mais conceituados e premiados autores espanhóis da actualidade. Nasceu em Barcelona, em 1947. Licenciado em filologia e professor catedrático de Língua e Literatura, converteu-se num dos mais importantes romancistas das letras catalãs. Os seus livros foram reconhecidos e galardoados com os prémios mais significativos da crítica espanhola e internacional. É autor consagrado de inúmeros guiões cinematográficos e televisivos, de que se destaca a série «La Granja» (1989-1992). Entre os seus romances mais celebrados, contam-se «La teranyina» (A Teia de Aranha, 1984), «Fra Junoy o l’agonia dels sons» (Irmão Junoy ou a Agonia dos Sons, 1984), «L’ombra de l’eunuc» (A Sombra do Eunuco, 1996). A tinta-da-china publicou em 2007 «Sua Senhoria». «As Vozes do Rio Pamano» (tinta-da-china, 2008), publicado pela primeira vez em 2004 e posteriormente traduzido em 12 línguas, foi o romance que mais celebrizou o autor em toda a Espanha, tendo vendido mais de 200 mil exemplares. «Eu Confesso» (tinta-da-china, 2015) recebeu inúmeros prémios nacionais e internacionais. Jaume Cabré foi galardoado em 2010 com o Prémio de Honra das Letras Catalãs.