Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

planetamarcia

planetamarcia

Agosto 11, 2012

Emylia Hall vence o Richard and Judy’s Summer Book Club

O romance de estreia de Emylia Hall, editado em Portugal pela Civilização, acaba de vencer o Richard and Judy’s Summer Book Club 2012. Considerado um dos grandes sucessos editoriais do ano desde o seu lançamento, Álbum de Verão foi votado pelos leitores como a melhor leitura para o Verão de 2012.

Beth Lowe recebe uma encomenda. Lá dentro há uma carta que a informa da morte da mãe, com quem cortou relações há muito tempo, e um álbum de recortes que Beth nunca tinha visto. Tem um título –– e está repleto de fotografias e lembranças reunidas pela mãe para recordar os sete gloriosos verões que Beth passou na Hungria rural quando era criança.

Álbum de Verão é uma ótima leitura para estas férias, com um enorme potencial de vendas. As críticas da imprensa internacional não podiam ser mais entusiasmantes. “Encantador e vívido […] Uma estreia magnífica”, escreve a Cosmopolitan. “Belo e complexo”, diz o Spectator. “Fantasticamente evocativo e luminoso”, conclui a Stylist. O primeiro romance de Emylia Hall é, de facto, uma história de amor que promete prender o leitor da primeira à última página.

Emylia Hall nasceu em 1978 e cresceu na região rural de Devon, filha de um artista inglês e uma artesã húngara. Depois de estudar na Universidade de York e em Lausanne, Suíça, Emylia passou cinco anos a trabalhar numa agência de publicidade em Londres, antes de se mudar para ao Alpes Franceses. Foi aí que começou a escrever. Emylia vive agora em Bristol com o marido, também ele escritor. Álbum de Verão é o seu primeiro romance, inspirado nas recordações de férias na Hungria rural.

Julho 25, 2012

Resultado do Passatempo "A Arca"

Já foi escolhido o vencedor do passatempo “A Arca”. Muitos parabéns ao Mário Dimas da Póvoa de Santo Adrião que enviou o seguinte texto:

 

“A Arca” acarreta em si a expectativa de nos conduzir num imaginário narrativo denso e rico de dramatismos pungentes, cruzados entre a Ásia Menor e a Grécia, entre conflitos, percas e fugas que farão cruzar os destinos improváveis de gentes nascidas em geografias tão díspares e longínquas.

Quando alguém decide abrir “A Arca” para contar a história dos seus antepassados e se depara com as memórias e os dramas religiosamente guardados como tesouros, revelando as mais íntimas motivações das personagens, cumprirá a sua missão central de nos fascinar, arrastando-nos para o âmago do romance, envolvendo-nos nas histórias e assim devolvendo definitivamente a memória às existências virtualmente esquecidos no fundo do baú do tempo?

Vou esperar (ansioso) para abrir “A Arca” da Victoria Hislop …”

 

Agradeço a todos os participantes e, claro, à Civilização Editora por apoiar e tornar possíveis estas iniciativas.

O vencedor foi contactado por e-mail. Boas leituras!

Julho 14, 2012

Passatempo "A Arca"

 

É com enorme prazer que o planetamarcia apresenta mais um passatempo.

Mais uma vez com o apoio da Civilização Editora, que desde já agradeço, está a concurso 1 exemplar de “A Arca” de Victoria Hislop, uma das novidades deste mês.

Eu já tenho o meu exemplar e não resisti a iniciar de imediato a leitura, tal foi o fascínio que teve em mim “A Ilha”, outro dos livros da autora, também publicado pela Civilização.

Mais uma vez lanço um desafio criativo, que acho sempre mais aliciante e interessante para quem, como eu, aprecia a escrita.

Peço que exprimam, da forma que preferirem, o que esperam deste novo romance de Victoria Hislop. Façam-no de um modo cativante e imaginativo, sob a forma de textos, poemas ou mesmo frases inspiradoras.

O Passatempo decorre até às 23h59 do próximo dia 22 de Julho.

As respostas deverão ser enviadas para o e-mail marciafb@net.sapo.pt , sempre com informação de nome e morada. O nome do premiado será anunciado aqui no blogue; o vencedor será também informado por e-mail.

Serão apenas aceites participações de residentes em Portugal, e uma por participante e residência.

O envio do livro ao vencedor é da responsabilidade da Civilização Editora.

Boa sorte a todos! Participem!

Julho 10, 2012

Civilização publica 'Miramar' de Naguib Mahfouz

Alexandria, anos 60. Pensão Miramar. O porto de abrigo de Zohra, uma jovem camponesa que aqui encontra emprego e refúgio de uma família tradicionalista e opressora. Este extraordinário romance de Naguib Mahfouz, vencedor do Prémio Nobel em 1988 e descrito pelo The New York Times como o Balzac do Egito, apresenta as vozes de seis personagens que representam visões diferentes da sociedade – e opções políticas – do Egito da época. Miramar é o oitavo romance publicado pela Civilização e sublinha-se que os seus livros são traduzidos diretamente do árabe para o português.

Num momento em que, graças à Primavera Árabe, o Egito dá os primeiros passos rumo à democracia, este livro não podia ser mais atual. “Com Miramar, encontramo-nos nas mãos de um romancista notável que conhece profundamente os problemas complexos, e a alma complexa, do seu país”, escreve John Fowles na introdução do livro.

Naguib Mahfouz nasceu no Cairo em 1911. Modernizou a literatura árabe, sendo considerado um dos seus maiores vultos. Foi o único escritor de língua árabe a ser galardoado com o Prémio Nobel da Literatura. Publicou 34 romances, mais de 350 contos, dezenas de argumentos cinematográficos e cinco peças ao longo de uma carreira de mais de 70 anos. Viveu com a mulher e as duas filhas na sua cidade natal até falecer, em 2006.

Título: Miramar

Autor: Naguib Mahfouz

Título original: Miramar

Tradução: Badr Hassanein

Páginas: 192 pp.

Encadernação: Capa mole

Subfamília: Romance

PVP: 15,90 €

Lançamento: Julho de 2012

Julho 10, 2012

Civilização publica 'A Arca' de Victoria Hislop

 

A Arca, uma história comovente sobre amor, perda e família, chega a Portugal com ótimas críticas por parte da imprensa internacional. “Arrebatador, magnificamente preciso e ambicioso […] Aqueles que se apaixonaram por A Ilha, o seu primeiro romance de grande sucesso, não vão resistir”, assegura The Sunday Times. “A narrativa rápida e um sentido de pertença fazem do romance de Hislop um raro prazer”, acrescenta The Guardian.

Mas as excelentes críticas ao novo livro da autora de A Ilha não acabam aqui. “Dos seus três romances, este é o meu preferido até hoje [...] uma reflexão sombria de como a Grécia chegou ao lugar onde se encontra hoje”, escreve Anthony Horowitz na Telegraph Books of the Year. “Hislop [...] é exímia a entrelaçar as vidas das pessoas no pano de fundo de grandes acontecimentos [...] Recomendado”, conclui ainda The Daily Mail.

O romance de estreia de Hislop, A Ilha, publicado em maio de 2006 pela Civilização, vendeu – em menos de um ano – mais de 40 mil exemplares em Portugal. Internacionalmente, vendeu mais de um milhão de exemplares e esteve nos primeiros lugares dos tops de vendas do Reino Unido durante 8 semanas.

Destaca-se ainda que A Ilha conquistou o Richard & Judy Summer Read 2006 e o Galaxy British Awards – Newcomer. O romance, O Regresso, igualmente um sucesso de vendas internacionalmente e em Portugal, decorre na Península Ibérica, num período histórico de particular interesse, a Guerra Civil Espanhola.

Victoria Hislop é escritora e jornalista. Escreve artigos sobre viagens para o The Sunday Telegraph, artigos sobre educação para o Daily Telegraph e diversos artigos generalistas para a Woman & Home. Atualmente, vive em Kent com a sua família. Depois de publicar o seu primeiro romance, A Ilha, Victoria Hislop foi aclamada pela crítica e acarinhada por milhares de leitores.

Mais informações sobre a autora em http://www.victoriahislop.com

SINOPSE

Tessalonica, 1917. No dia em que Dimitri Komninos nasce, um incêndio devastador varre a próspera cidade grega, onde cristãos, judeus e muçulmanos vivem lado a lado. Cinco anos mais tarde, a casa de Katerina Sarafoglou na Ásia Menor é destruída pelo exército turco. No meio do caos, Katerina perde a mãe e embarca para um destino desconhecido na Grécia. Não tarda muito para que a sua vida se entrelace com a de Dimitri e com a história da própria cidade, enquanto guerras, medos e perseguições começam a dividir o seu povo.

Tessalonica, 2007. Um jovem anglo-grego ouve a história de vida dos seus avós e, pela primeira vez, apercebe-se de que tem uma decisão a tomar. Durante muitas décadas, os seus avós foram os guardiões das memórias e dos tesouros das pessoas que foram forçadas a abandonar a cidade. Será que está na altura de ele assumir esse papel e fazer daquela cidade a sua casa?

Título: A Arca

Autor: Victoria Hislop

Título original: The Thread

Tradução: Isabel Batista

Páginas: 416 pp.

Encadernação: Capa mole

Subfamília: Romance

PVP: 15,90 €

Lançamento: Julho de 2012

Junho 07, 2012

Civilização publica 'Álbum de Verão' de Emylia Hall

 

O romance de estreia de Emylia Hall promete ser um dos grandes sucessos editoriais do ano e foi incluído no Richard and Judy’s Summer Book Club 2012.

Álbum de Verão é uma ótima leitura para estas férias, com um enorme potencial de vendas. As críticas da imprensa internacional não podiam ser mais entusiasmantes. “Encantador e vívido […] Uma estreia magnífica”, escreve a Cosmopolitan. “Belo e complexo.”, a Spectator. “Fantasticamente evocativo e luminoso”, conclui a Stylist. De facto, o primeiro romance de Emylia Hall é uma história de amor que promete prender o leitor da primeira à última página.

Emylia Hall nasceu em 1978 e cresceu na região rural de Devon, filha de um artista inglês e uma artesã húngara. Depois de estudar na Universidade de York e em Lausanne, Suíça, Emylia passou cinco anos a trabalhar numa agência de publicidade em Londres, antes de se mudar para ao Alpes Franceses. Foi aí que começou a escrever. Emylia vive agora em Bristol com o marido, também ele escritor. Álbum de Verão é o seu primeiro romance, inspirado nas recordações de férias na Hungria rural.

Mais informações sobre a autora em http://emyliahall.blogspot.com/

O booktrailer em http://www.thebookofsummers.co.uk

SINOPSE

Beth Lowe recebe uma encomenda.

Lá dentro há uma carta que a informa da morte da mãe, com quem cortou relações há muito tempo, e um álbum de recortes que Beth nunca tinha visto. Tem um título – Álbum de Verão – e está repleto de fotografias e lembranças reunidas pela mãe para recordar os sete gloriosos verões que Beth passou na Hungria rural quando era criança.

Durante esses anos Beth dividia-se entre os pais divorciados e dois países muito diferentes. A sua encantadora mas imperfeita mãe húngara e o seu pai inglês carinhoso mas reservado, a fascinante casa de uma artista húngara e uma casa de campo sem vida no interior de Devon, Inglaterra. Esse tempo terminou do modo mais brutal quando Beth completou dezasseis anos.

Desde então, Beth não voltara a pensar nessa fase da sua infância. Mas a chegada do Álbum de Verão traz o passado de volta – tão vivo, doloroso e marcante como nunca.

Título: Álbum de Verão

Autor: Emylia Hall

Título original: The Book of Summers

Tradução: Isabel Alves

Páginas: 304 pp.

Encadernação: Capa mole

Subfamília: Romance

PVP: 15,90 €

Lançamento: Junho de 2011

Maio 18, 2012

Civilização publica 'Os Melhores Anos: Churchill 1940-45'

 

A abordagem ao carismático estadista em Os Melhores Anos é absolutamente inédita e inclui testemunhos e diversos elementos sobre a forma como era visto pelas figuras que o rodeavam.

A crítica ao novo livro do antigo correspondente e jornalista de guerra, não podia ser mais entusiasmante e abundante. “Um dos melhores livros alguma vez escritos sobre Churchill […] A prosa contundente e marcial de Hastings marcha a passo rápido e leva consigo o leitor.
A pesquisa de inúmeras fontes originais e a consulta de especialistas familiarizados com elas permitiram-lhe lançar uma nova luz sobre episódios sobejamente conhecidos […] Magnífico”, escreve o Sunday Times.

“O retrato que o livro faz de Churchill é escrupulosamente justo e muitas vezes profundamente comovente […] Hastings é um verdadeiro mestre em estratégia e alto-comando”, acrescenta Antony Beevor no Mail on Sunday.

Sir Max Hastings é jornalista, apresentador de televisão e autor, com mais de vinte obras publicadas. Atualmente escreve com regularidade para o Financial Times e o Daily Mail. Filho e neto de escritores, estudou na University College, em Oxford, que abandonou para se dedicar ao jornalismo. Passou muitos dos seus primeiros anos de jornalista como correspondente para a estação de televisão BBC e para o London Evening Standard, tendo acompanhado onze conflitos militares, incluindo a Guerra do Vietname e a Guerra das Malvinas. Recebeu prémios pela sua carreira literária e jornalística, incluindo o Somerset Maugham Prize, o Journalist Of The Year e Reporter Of The Year, nos British Press Awards de 1982.

Em 2002 foi ordenado Cavaleiro por serviços prestados ao jornalismo e em 2008 recebeu a Medalha do Duque de Westminster para a Literatura Militar pela sua contribuição para esta área ao longo da sua vida. Tem dois filhos adultos e vive com a mulher em West Berkshire, onde se dedicam com entusiasmo à jardinagem.

Mais informações sobre o autor em http://www.maxhastings.com

O eminente historiador militar Max Hastings apresenta Winston Churchill como nunca antes foi visto.

Winston Churchill foi o maior estratega da Grã-Bretanha. Em 1940, a nação segue-o de uma forma extraordinária. Mas a partir desse momento, segundo Max Hastings, surge uma profunda divergência entre o que Churchill quer do povo e do exército britânico e aquilo que eles são capazes de fazer.

Sendo ele próprio um herói, Churchill esperava que os outros se mostrassem também heróis, e desiludia-se frequentemente. Não se compreende bem a queda dramática da sua popularidade em 1942, no meio de uma sucessão de derrotas militares. Alguns dos seus colegas mais próximos juntaram-se ao coro de protestos para que abandonasse a liderança da máquina de guerra. Hastings traça uma imagem maravilhosamente vívida do primeiro-ministro face ao triunfo e à tragédia. Descreve a “segunda Dunquerque” em 1940 – quando a impulsividade de Churchill quase fez a Grã-Bretanha perder o mesmo número de tropas no Noroeste da França como as que tinham sido salvas das praias –, os seus galanteios aos Americanos, e as lutas com os Russos. E explica como a unidade britânica em tempo de guerra estava a ficar manchada pelo descontentamento dos trabalhadores, com muitas greves em minas e indústrias fundamentais.

Olhando para Churchill do ponto de vista dos soldados, dos civis e dos jornais britânicos – e também do ponto de vista dos Russos e dos Americanos –, Hastings apresenta novas perspetivas acerca da mais notável personalidade inglesa. O autor classifica de loucura a tentativa de Churchill de promover levantamentos em massa na Europa ocupada, e destaca como “inconcebível” o seu espantoso plano de criar uma ofensiva aliada contra os Russos com vista à libertação da Polónia em 1945.

Este é um retrato íntimo e afetivo de Churchill como o homem que salvou a Grã-Bretanha, mas também um exame severo à nação que ele liderou em tempo de guerra e ao desempenho das suas forças armadas.

Título: Os Melhores Anos: Churchill 1940-45

Autor: Max Hastings

Título original: Finest Years: Churchill as Warlord 1940-45

Tradução: Miguel Mata

Páginas: 768 + 32 pp.

Encadernação: Capa mole

PVP: 22,90 €

Lançamento: Maio de 2012

Maio 17, 2012

Civilização publica 'O Primeiro Amor' de Sophie McKenzie

 

Quando River faz um casting para uma representação escolar de Romeu e Julieta, apaixona-se por Flynn, o rapaz que ficou com o papel
de Romeu. River acredita no amor romântico e está ansiosa por experimentá-lo.
Mas Flynn vem de uma família despedaçada – será ele capaz de dar a River o que ela quer? Os caminhos do verdadeiro amor sempre foram tortuosos… O Primeiro Amor é o novo livro – para adolescentes – da antiga jornalista, Sophie McKenzie, cujo romance de estreia, Girl, Missing (publicado em 2006), conquistou inúmeros prémios na Grã-Bretanha e foi escolhido para a lista da cobiçada Carnegie Medal.

Sophie McKenzie nasceu e cresceu em Londres, onde continua a viver com o filho adolescente. Trabalhou como jornalista e editora de uma revista, mas
apaixonou-se pela escrita depois de ter sido despedida e de se matricular num curso de escrita criativa, e agora escreve romances de suspense e sobre as relações dos jovens. A sequela de Girl, Missing, o livro Sister, Missing, foi publicada no outono de 2011. Blood Ties (2008) foi mais uma obra que recebeu diversos prémios e que permitiu a Sophie ser escolhida novamente para a lista de candidatos à Carnegie Medal, tendo conquistado o North East Teen Book Award e o Red House Book Award, entre muitos outros. A sua sequela, Blood Ransom, foi publicada em 2010. O Primeiro Amor é o primeiro título da nova série Flynn.

Mais informações em http://www.sophiemckenziebooks.com

Título: O Primeiro Amor

Autora: Sophie McKenzie

Título original: Falling Fast

Tradução: Jorge Pinho

Páginas: 240 pp.

PVP: 10,99€

Lançamento: Maio de 2012