Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

planetamarcia

planetamarcia

Setembro 15, 2013

Morte com Vista para o Mar - Pedro Garcia Rosado - Opinião

 

Primeiro livro que leio de Pedro Garcia Rosado e a verdade é que sinto alguma tristeza de apenas agora o ter descoberto. Tendo em conta que “Morte com vista para o mar” é já o seu oitavo romance, sinto-me a entrar num comboio em andamento.

Ler um livro em dois dias não é novidade para mim, mas a verdade é que é cada vez menos frequente. O nível se exigência de quem lê constante e sucessivamente vai-se elevando de forma inevitável, e o género policial/thriller é provavelmente um dos mais difíceis no que toca a “agarrar” o leitor atento (grupo em que julgo estar incluída). Quem lê policiais que ser surpreendido, ficar preso à história, acordar e dormir a pensar o que vai acontecer, ser assustado, viver angustiado até à última página. A verdade é que já tantas ideias foram exploradas e escritas que é difícil satisfazer todos estes pressupostos. Criar uma história, torna-la credível e verosímil, e “recheá-la” de morte e violência na medida certa não é fácil.

Garcia Rosado não preenche todos os requisitos que enumerei. Na verdade não fui surpreendida quando foi revelado o autor do crime, consegui estar umas páginas à frente da maioria das revelações-chave da trama. Mesmo assim o nível de entusiasmo não esmoreceu e foi com o prazer único de quem lê um livro bem escrito que virei a última página, e desejei começar de imediato a ler “Morte na Arena”, o segundo título com as mesmas personagens.

O tema não podia ser mais atual. A corrupção nas autarquias é, infelizmente, sempre atual, mas em ano de eleições torna-se mais próximo e real. A manipulação da realidade à medida dos interesses megalómanos, o contornar das dificuldades através de luvas e subornos é o espelho de uma sociedade doente e podre, em que o dinheiro dita as regras e vai tendo sempre a última e única palavra.

Gostei muito das personagens, principalmente de Gabriel Ponte com quem criei grande empatia. Um “herói” bastante humano, construído de forma inteligente, e é ele, com os mistérios do seu passado, com as pistas que vai deixando, que realmente me agarrou e fez desejar saber tudo sobre a sua vida. Misterioso e intrigante, Gabriel tem uma história que vamos descobrindo a conta-gotas, absorvendo peças e construindo um puzzle. Bem pensado e ainda com peças para juntar no próximo livro.

Em resumo, uma história atual, perfeitamente credível e enquadrada na realidade portuguesa, personagens que podiam ser os nossos vizinhos, expressões com que me identifiquei e sinceramente gostei muito de ler um policial de qualidade de um autor português.

Previsível mas consistente. Eu não lhe encontrei “pontas soltas” ou contradições.

Recomendo vivamente.

Sinopse

“Nas traseiras de uma moradia isolada nas Caldas da Rainha, um professor de Direito reformado aparece morto à machadada na casa onde vivia sozinho. Patrícia, inspetora-coordenadora da PJ, pede ajuda ao seu ex-marido Gabriel Ponte, antigo inspector da Polícia Judiciária, que assim regressa ao mundo da investigação criminal.
Meses antes, o professor tinha contactado Patrícia, sua antiga aluna e amante, para denunciar a existência de um esquema de corrupção e de lavagem de dinheiro em torno do projeto de um empreendimento turístico gigantesco nas falésias da costa atlântica.
As primeiras provas apontam para que este homicídio seja resultado de um affair com uma mulher casada, mas poderá o professor ter sido assassinado por saber demais?”

Topseller, 2013

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.