Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

planetamarcia

planetamarcia

Novembro 04, 2012

Dama de Espadas, Cónica dos Loucos Amantes - Mário Zambujal - Opinião

Um dia de chuva e um bom livro acabadinho de comprar. Primeira vez que leio Mário Zambujal e o balanço é muito positivo, um dia perfeito de leitura. Chuva lá fora e um livro interessante, divertido, espirituoso até, e muito bem escrito. Fica a enorme vontade de conhecer toda a obra do autor.

“Dama de Espadas” é uma intriga romântica cheia de desencontros, um policial inspirado, uma comédia de costumes, uma narrativa agradavelmente previsível mas com um final inesperado. Surpreendeu-me até na forma como facilmente previ o que iria acontecer a seguir, pelo humor inteligente e pela habilidade em manter o interesse na leitura. O final, completamente imprevisível, para surpreender o leitor que, como eu, se convence que já sabe a história toda.

No centro do enredo está Filipe, jovem de paixões avassaladoras que passa anos a suspirar por Eva Teresa. Namorou com a irmã desta, Rosália, deixou que Eva casasse com outro, teve ele próprio uma relação duradoura com Graziela, mas sempre a suspirar por Eva; sempre a sonhar e a preparar o dia que finalmente ficariam juntos. Persistente e resiliente, Filipe tem o dom de se meter nas mais estranhas confusões. Determinado mas azarado, os acontecimentos da sua vida conspiram no sentido contrário aos seus desejos. De um modo surreal a sua vida profissional vai-se transformando de uma forma que o aproxima do objeto do seu desejo: Eva.

Escrito de forma inspirada e inspiradora, desde a utilização de palavras próprias à construção geral na narrativa, Mário Zambujal surpreendeu-me pela descrição de uma história simples enriquecida pela maneira como é contada. E claro, com um sentido de humor muito particular.

No mínimo genial! Altamente recomendado!

“A cama é a mais amável das peças de mobiliário, mesmo quando serve apenas para dormir. Todavia, o que torna as camas famosas é um historial de gente acordada."
“As paixões arrebatadoras são como o vinho das melhores castas: primeiro alegram, depois embriagam, um dia azedam.”

Sinopse

“Com o seu admirável ritmo narrativo e clareza de escrita salpicada de humor, Mário Zambujal apresenta-nos Eva Teresa, garota de onze anos, e Filipe, rapaz de dezoito, que namora com a irmã, Rosália. Há uma grande empatia entre a pequena e o futuro cunhado, mas a vida afasta-os com a viagem da família para o Brasil. Eva torna-se mulher e Filipe acaba por se apaixonar por ela, levando-o a viajar ao seu encontro. Entre episódios imprevisíveis que enlaçam mistério e comicidade, ambos só se reencontram em Sintra onde iniciam um romance atribulado. 
No seu estilo inconfundível, Mário Zambujal traz-nos uma obra em que se aliam a vontade de saborear cada passo da trama e o prazer da leitura.”

Clube do Autor, 2010