Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

planetamarcia

planetamarcia

Novembro 01, 2012

Rita Ferro distinguida com o Prémio PEN Narrativa

Com o romance A Menina é Filha de Quem?, editado pela Dom Quixote em Outubro de 2011, a escritora Rita Ferro acaba de ser galardoada com o Prémio PEN Narrativa 2012. O júri, composto por Helena Barbas, Artur Anselmo e Fernando Dacosta tomou a decisão por unanimidade, considerando que, com este livro, a autora se debruça “corajosamente sobre uma época e uma geração malditas que contribuíram inevitavelmente para a matriz da nossa identidade”.

Em A Menina é Filha de Quem?, a viagem começa nos anos 50 e Rita Ferro atravessa uma época de obediência em que, apesar do meio artístico em que cresceu, a originalidade não é encorajada. As pessoas que povoam o seu imaginário são conhecidas: Fernanda de Castro, António Ferro, António Quadros, Ruben A., Almada Negreiros, Natália Correia, Ary dos Santos, David Mourão-Ferreira e até Fernando Pessoa. Não é um romance de Rita Ferro, é o romance de Rita Ferro. Por ela, respondem certas memórias: o primeiro amor na Primária, morto aos 7 anos; os namorados de Verão; as primas direitas que perdem a vida num desastre brutal; as vezes em que ela própria se cruza com a morte; os avós, o pai e, sobretudo, a mãe, difícil de chorar, pois toda a vida a fez rir.

Rita Ferro nasceu em Lisboa. Estudou Design, especializou-se em Marketing, foi professora de Publicidade e exerceu funções de direcção e consultoria em diversas empresas. Iniciou a sua carreira literária em 1990, arriscando um novo tipo de escrita feminina – sensível, intimista, geracional – que, tendo obtido um estrondoso sucesso e revolucionado o mercado literário português, conheceu inúmeros seguidores. Criou um estilo e, com ele, um novo género. Hoje, tendo já transcendido as questões femininas, ou não se esgotando nelas, distingue-se por uma técnica de narração mordaz e cativante, de grande versatilidade. Ao longo de mais de vinte anos, escreveu romances, cartas, biografias, livros de crónicas, literatura infantil e até uma peça de teatro. Além de presença regular na imprensa, foi apresentadora de televisão, cronista na rádio, júri literária e de festivais de cinema, e desenvolveu um curso inédito de Incentivo à Criação Literária, ajudando os candidatos à escrita a desobstruir os censores da consciência e a libertar a imaginação. Em 2009 integrou o conselho consultivo da recém-criada Fundação António Quadros, Cultura e Pensamento, dedicada à memória de seu pai.

Os livros de Rita Ferro estão editados em Espanha, Brasil e Croácia.