Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

planetamarcia

planetamarcia

Outubro 24, 2012

O Último Minuto na vida de S. - Miguel Real - Opinião

Esta é a minha segunda experiência na obra de Miguel Real.

Apesar de se poder considerar apenas uma novela, confirma-se a riqueza de vocabulário, a abundancia de adjetivos, enfim, o estilo do autor. Uma forma de escrever original e única, que me envolveu e agradou muito.

As descrições das personagens são absolutamente fantásticas. As descrições físicas refletem e dão-nos a entender o interior, o modo de ser, pensar e agir de cada um.

A descrição da vida de Snu, neste caso contada pela própria, satisfez a curiosidade que eu já tinha e mostrou-me uma mulher que eu não conhecia – Forte. De ideais bem definidos e deles convicta. Politica e socialmente a anos-luz do Portugal em que viveu, e vendo bem, também do Portugal de hoje.

Movida pelo amor e pelas emoções entregou-se a Hugo, com quem casou, mas o amor não foi suficiente para mudar as suas convicções. A submissão a que as regras familiares da época obrigavam antes a fizeram mais independente e senhora de si.

“Enterrada” numa família que tudo aproveitou para fazer fortuna, todas as oportunidades de uma ditadura que empobrecia e embrutecia o povo, como também, com o fim desta, se esforçou por contornar a revolução e manter a sua fortuna.

Dinheiro era tudo o que lhes interessava e Snu, a quem curiosamente o dinheiro nunca faltou,  não podia estar mais distante dessa mentalidade. Era uma mulher motivada pela cultura e pelo livre pensamento, sentia-se presa num Portugal arcaico em que as mulheres necessitavam de autorização do marido para quase tudo.

Já com três filhos mas com o seu casamento desfeito, encontrou o amor com que tinha sonhado. Que durou para sempre, durante três anos.

“(…) O sangue que em espírito tenho jorrado desde que cheguei a Portugal, batalhando simultaneamente contra o pseudo-cosmopolitismo dos tarolos de gravata verde sobre camisa azul e contra a funda ignorância popular,  que mais destacava o futebol e a religião do que o civismo e a ciência.” (pág. 123)

Sinopse

“Ela era bela, divorciada, escandinava, culta. Chegara a Lisboa em princípios dos anos 60 e Portugal era para ela o país mais arcaico da Europa. Ele era português, casado, político, primeiro-ministro. Apaixonaram-se e amaram-se intensamente, contrariando códigos politicos e sociais. Morreram ambos, abraçados, na explosão de uma avioneta em viagem para o Porto. Ficção, O Último Minuto na Vida de S. é a história do último grande amor português, o de Snu Abecassis e Francisco Sá-Carneiro. Cruzando um estilo ora satírico-jocoso, ora realista e apoiando-se na realidade portuguesa entre as décadas de 60 e 70 em três ou quatro factos verdadeiros, visa retratar um Portugal que já não existe, o Portugal desaparecido nas duas décadas seguintes pela voragem dos costumes europeus. “

Quidnovi, 2008

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.