Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

planetamarcia

planetamarcia

Julho 30, 2011

Um Ano à Beira-mar - Joan Anderson - Opinião

 

Este é um exemplo perfeito de um livro que eu não teria iniciativa para ler. Por sorte há ocasiões em que são os livros que nos escolhem e não o oposto.

Não me identifico com a vida desta mulher. Joan vive cansada de se dedicar à família e de se colocar sempre em segundo plano. Inevitavelmente chega o dia em que a situação atinge o seu limite e ela deixa tudo para se reencontrar.

É sem dúvida uma ideia belíssima a de dar uma reviravolta e partir em busca do “El Dorado”, mas não teria sido melhor para todos que Joan tivesse sabido dosear a dedicação e amor aos outros guardando sempre algo para si?

A  realidade de Joan é comum a muitas mulheres que, por quererem à força ser “super-mulheres” se esgotam e perdem a direcção. Por isso me deixei levar pelas páginas deste pequeno livro. Gostei de conhecer a força escondida nos anos que Joan viveu na sombra da família que (ainda) ama, mas que necessita de (finalmente) avaliar de fora.

Esta é a viagem de Joan em busca do que deixou para trás, a procura da sua identidade e da força para mudar.

Numa época em que os livros de auto-ajuda são um caso de sucesso, gostei de conhecer uma outra perspectiva: um livro que pode ajudar com base numa experiência verdadeira,contada como se fosse um romance.

“Enquanto aqui estou sentada e saboreio a paisagem, penso no pouco que é preciso para existir, como uma vida simples pode ser, até que ponto é agradável pensar apenas nas necessidades, eliminado os luxos.” (Pág.186)

Sinopse

“Um Ano À Beira-Mar conta-nos a história fascinante de como uma mulher emergiu da estagnação com a energia de preservar e a coragem para recriar a sua vida. Joan Anderson e o marido casaram cedo, criaram dois filhos e viveram em aparente harmonia -ele a servir de principal ganha-pão, ela a dividir-se entre uma carreira de escritora e a tarefa de gerir a casa e a família. Não obstante a sua aparência feliz, Joan veio a perceber que, inconscientemente, havia sacrificado várias facetas de si própria para satisfazer as expectativas que o tradicional papel de mulher e mãe depositavam em si. Num esforço para se libertar destes encargos indesejados, decidiu retirar-se para a casa de praia da família para uma renovação espiritual. Do seu ano mágico, difícil, transformador, nasceu este livro, um registo de experiencias e um tesouro de sabedoria para os leitores.”

Clube do Autor, 2011

1 comentário

Comentar post