Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

planetamarcia

planetamarcia

Abril 10, 2011

A Paixão de Jane Eyre - Charlotte Brontë - Opinião

 

Jane Eyre é um clássico sobejamente conhecido de Charlotte Brontë, publicado pela primeira vez em 1847, foi recentemente reeditado entre nós.  

Curiosamente já tinha uma noção desta história graças a um livro infantil baseado nesta obra, que me ofereceram e li enquanto criança. Pode parecer estranho, e não sei se hoje em dia o fazem, mas ainda tenho este pequeno livro infanto-juvenil que, com menos de 100 páginas, permite uma visão muito leve deste famoso livro.

Confesso a minha curiosidade em ler este livro, os Clássicos cada vez mais me suscitam interesse, não só pela vontade de conhecer como também pelo desejo de muitas vezes “fugir” das actuais publicações em massa de livros muitas vezes “descartáveis”, que preenchem uma necessidade de leitura momentânea mas que não nos marcam para a vida.

Foi neste sentido, e com base em algumas opiniões de verdadeiros fãs desta obra, que iniciei uma leitura que esperava que se revelasse marcante.

Gostei bastante do livro, Jane Eyre é uma personagem especial que percebo que tenha feito furor na época. Conhecemos o seu percurso desde criança e podemos perceber o que a torna uma mulher tão observadora e perspicaz. Jane fica órfã muito cedo e, depois de uns tempos a viver com uma tia que a detesta, vai para uma instituição que acolhe crianças sem família. Passa muitas privações mas desenvolve um aguçado sentido crítico do mundo que a rodeia. Este livro é isso. A forma como Jane vê o mundo, a forma como analisa e se envolve com os outros. Nos tempos de hoje pode parecer irrelevante, mas no século XIX e inicio do século XX, em que as mulheres viviam na sombra dos homens, sem direito nem conhecimentos para opinar sobre o que quer que fosse, Jane reflecte sobre todas as coisas e opina sem medos.

Jane deixa a Instituição e encontra uma colocação como preceptora de uma menina numa casa abastada. A sua vida muda, toma contacto com outra realidade, apura o seu sentido crítico e oferece ao leitor extraordinárias observações do ambiente em redor. Deixamo-nos levar pelas vidas das novas personagens no percurso de Jane, pelos mistérios do casarão, pelos seus medos e vontades de descoberta. Jane apaixona-se, partilha sentimentos, sofre mas corre sempre atrás do que acredita como uma determinação inabalável. Surgem dificuldades de lhe alteram os planos, a fazem mudar de rumo, mas sempre com fé nas suas próprias ideias e com vontade de construir o seu próprio destino.

Um livro que é sobre o crescimento de uma mulher forte, e sobre o seu percurso diferente numa época marcada (ainda) pela submissão do sexo feminino. Uma leitura diferente e marcante para ser absorvida e saboreada sem pressas.

Sinopse

A Paixão de Jane Eyre, publicada pela primeira vez em 1847, atraiu de imediato a atenção do público da época e dividiu a crítica. Habituada às heroínas de Jane Austen, que pareciam conhecer exactamente o seu lugar no meio social, a sociedade britânica sentiu-se desconfortável com o personagem feminino criado por Charlotte Brontë: embora as acções de Jane observem o código convencional de comportamento feminino, deixam transparecer também uma poderosa declaração de independência das mulheres. A Paixão de Jane Eyre é a história de uma órfã que vive com a sua desagradável tia e os seus nada atractivos primos. Mais tarde, colocada num asilo, Jane começa a desenvolver um espírito independente para a época e aprende que a melhor maneira de conservar o respeito próprio na adversidade é manter o autocontrolo. Esta aprendizagem servir-lhe-á para toda a vida e permitir-lhe-á repudiar noivos, ser auto-suficiente, mudar de identidade e encontrar um seu igual a nível intelectual e sexual.

Publicações Europa-América, 2011

4 comentários

Comentar post