Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

planetamarcia

planetamarcia

Outubro 30, 2010

O Coleccionador de Chuva - Julia Stuart - Opinião

 

“O Coleccionador de Chuva” é um livro cuja leitura da sinopse me encantou. De facto, e agora concluída a leitura do livro, confirmo ter-se revelado um romance repleto de personagens especiais, que se lê devagar, como que a saborear cada instante desta peculiar narrativa.

A imaginação da autora é, sem dúvida, o ponto forte a destacar. Julia Stuart criou um leque de personagens muito particulares, que convivem e interagem num mesmo espaço – a Torre de Londres. Desde Balthazar e Hebe Jones, casados e vivendo em agonia após a morte do filho, passando pelo Reverendo Drew, que secretamente escreve contos eróticos, até à dona do bar, que aparece grávida, muitas são as surpresas que as acções destas e de outras figuras nos apresentam.

O que ao início nos parece um livro de um humor diferente, em algumas ocasiões um pouco negro, revela-se uma história com alguma profundidade de sentimentos, que nos envolve e faz querer saber mais sobre os percursos de vida destas curiosas personagens.

Tenho de destacar duas situações que me fascinaram e que contribuem, a meu ver, para a originalidade deste romance. São elas a criação de um Jardim Zoológico na Torre de Londres, que acaba por desenvolver várias situações de um humor irresistível, e também os casos que se verificam na secção de Perdidos e Achados do Metro de Londres, onde trabalha Hebe Jones. Curiosamente são os acasos e imprevistos desta situações que, de forma inusitada, levam a um desfecho feliz de uma história de amor ameaçada pela tristeza.

Uma leitura que apreciei, me fez viajar e sonhar.

Sinopse 

“Balthazar Jones vive na Torre de Londres com a sua esposa, Hebe, e com a Sr.ª Cook, uma tartaruga centenária, e é um dos guardas do histórico local. (Sim, alguns beefeaters vivem na Torre.) E não é tarefa fácil ser guarda numa das maiores atracções turísticas de Londres. Entre as estranhas personagens que habitam o labirinto de casas antigas e escadas em caracol, contam-se Ruby Dore, a dona do bar Rack & Ruin, que ficou a saber que está grávida; o reverendo Septimus Drew, um inveterado solteirão que ninguém sonha que tem um carreira de êxito como escritor de livros eróticos; o galante tratador de corvos que só pensa em vingar a morte de um dos seus queridos animais; Valerie Jennings, a melhor amiga de Hebe, que está apaixonada pelo pica-bilhetes Arthur Catnip; e o fantasma de Sir Walter Raleigh, cujos ruidosos passeios nocturnos e vício do tabaco perturbam o merecido sono dos habitantes da Torre. A paixão de Hebe e Balthazar, outrora forte, enfraqueceu desde a morte do filho do casal. Hebe consola-se com o seu trabalho na Secção de Perdidos e Achados do Metro de Londres, onde devolve objectos perdidos aos seus donos (entre malas e chaves, contam-se estranhas preciosidades como um óscar de Dustin Hoffman, 157 dentaduras e um cofre inviolável). Balthazar não derramou uma lágrima desde o trágico incidente, e Hebe está cada vez mais distante do marido. O casamento está por um fio quando a rainha confia a Balthazar a tarefa de conceber um jardim zoológico na Torre, para abrigar as estranhas oferendas peludas e de quatro patas que os dignitários estrangeiros oferecem à monarca. É então que o dia-a-dia na Torre se torna muito agitado. Os pinguins fogem e as girafas são roubadas. E Balthazar está em apuros. E, como se não bastasse tudo isto, a sua querida tartaruga desaparece e Hebe abandona-o. Nestas circunstâncias, o que pode fazer um guarda da Torre de Londres? Com o humor das obras de Alexander McCall Smith e para todos aqueles que apreciaram Chocolate, de Joanne Harris, O Coleccionador de Chuva é uma obra tão refrescante e optimista como O Fabuloso Destino de Amélie, de Jeunet e Caro.”

Europa-América, 2010