Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

planetamarcia

planetamarcia

Agosto 29, 2010

Outlander-Nas Asas do Tempo - Diana Gabaldon - Opinião

 

“Outlander” é uma saga muito conhecida, publicada em vários países e que tem recebido excelentes opiniões por parte dos leitores. Finalmente temos a tradução portuguesa!

As promessas de uma leitura envolvente e intensa deixaram-me curiosa e até ansiosa para me dedicar às quase 800 páginas deste primeiro volume – “Nas Asas do Tempo”.

Nesta altura, concluída a leitura, sinto que participei numa viagem fantástica, não só no espaço mas também no tempo. Trata-se de uma romance a que me entreguei de corpo e alma, deixando-me resgatar da minha realidade para a de Claire, veículo transmissor desta aventura.

Escrito na primeira pessoa, é pela voz de Claire que somos levados a conhecer um leque de personagens e locais absolutamente extraordinários. Sensível, sincera, mostra-nos a sua mente, os seus pensamentos e reflexões.

De forma inexplicável, Claire é transportada no tempo; se num momento se encontra na Escócia, em 1945, a viver umas merecidas férias com o marido, Frank, no instante seguinte, e graças aos efeitos mágicos de um círculo de pedras que obviamente tem mais para oferecer do que inicialmente fazia crer, encontra-se nas Terras Altas Escocesas, mas no ano de 1743. Confusa, completamente deslocada e, obviamente com um fosso de 200 anos em relação a costumes e mentalidade, Claire tenta adaptar-se e sobreviver numa era que, apesar de pertencer ao passado, é para ela completamente nova.

Diana Gabaldon é uma verdadeira contadora de histórias e deixou-me completamente fascinada pelos encantos das Terras Altas no Séc. XVIII. Inevitáveis são as constantes comparações de épocas: desde a forma como as mulheres são vistas e tratadas na sociedade – dificuldade em fazer valer a sua opinião num mundo de homens, passando pelo seu papel no casamento e em casa. Magia, Bruxaria, misticismo das lendas e histórias fantásticas de um local que, ainda hoje, povoa o imaginário de um leitor exigente.

Ao longo da narrativa acompanhamos o desejo de Claire em voltar a 1945 para os braços do marido, as suas tentativas em localizar o círculo que, teoricamente, lhe permitirá regressar. No entanto, uma sucessão de acontecimentos fará com que se envolva com Jamie, um típico exemplo de um escocês forte e teimoso que, com o tempo, vai revelando características de um homem meigo e apaixonado. Poderá Claire renunciar a um amor assim? Onde será ela mais feliz? E qual é o verdadeiro peso de conhecer o futuro e ter a capacidade de, no passado, alterar o percurso da sua própria história?

Um livro perfeito para todos os que não vivem sem histórias, que como eu, desde a infância, adoram deixar-se levar pelo encantamento de um livro.

Sinopse

“Claire leva uma vida dupla. Tem um marido num século e um amante noutro…
Em 1945, Claire Randall, ex-enfermeira do Exército, regressa da guerra e está com o marido numa segunda lua-de-mel quando inocentemente toca num rochedo de um antigo círculo de pedras. De súbito, é transportada para o ano de 1743, para o centro de uma escaramuça entre ingleses e escoceses. Confundida com uma prostituta pelo capitão inglês Black Jack Randall, um antepassado e sósia do seu marido, é a seguir sequestrada pelo poderoso clã MacKenzie. Estes julgam-na espia ou feiticeira, mas com a sua experiência em enfermagem, Claire passa por curandeira e ganha o respeito dos guerreiros. No entanto, como corre perigo de vida a solução é tornar-se membro do clã, casando com o guerreiro Jamie Fraser, que lhe demonstra uma paixão tão avassaladora e um amor tão absoluto que Claire se sente dividida entre a fidelidade e o desejo… e entre dois homens completamente diferentes em duas vidas irreconciliáveis.
Vive-se um período excepcionalmente conturbado nas Terras Altas da Escócia, que culminará com a quase extinção dos clãs na batalha de Culloden, entre ingleses e escoceses. Catapultada para um mundo de intrigas e espiões que pode pôr em risco a sua vida, uma pergunta insistente martela os pensamentos de Claire: o que fazer quando se conhece o futuro?
Um misto de ficção romântica e histórica, Outlander - Nas Asas do Tempo já foi publicado em 24 países.”

Casa das Letras, 2010

20 comentários

Comentar post