Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

planetamarcia

planetamarcia

Agosto 24, 2012

Novidade Oficina do Livro - MARILYN À BEIRA-MAR, de Vicente Alves do Ó

“1959 Chegou cheio de acontecimentos… Laura comprava cigarros na tabacaria, vestia-se com roupas que manda vir de Lisboa e provocou escândalo quando vestiu um par de calças aos olhos de toda a gente”

Sobre o Livro

Narrado pelo filho, esta é história de Laura, uma mulher pouco convencional que desafia os limites do permitido no Portugal conservador dos anos 50.

Laura foge do marido que a maltrata e descobre o universo dos sonhos e do amor, onde finalmente lhe é consentida alguma liberdade. Tendo como o pano de fundo a figura quase omnipresente de Marylin, ídolo de Laura.

Sobre o Autor

Nasceu em 1972. Argumentista, trabalhou com realizadores como Ruy Guerra, António-Pedro Vasconcelos, Mário Barroso e Solveig Nordlund.

Em 2011 estreou-se como realizador de longas com "Quinze Pontos na Alma" e em 2012, a segunda longa-metragem chegou aos ecrãs: "Florbela" inspirada na vida e obra da poetisa Florbela Espanca. Atualmente, dedica-se à escrita do novo romance.

PVP 14,90 eur

331 págs.

 

Agosto 23, 2012

Porto Editora - Ficção - 'Selvagens'

No dia 31 de agosto, a Porto Editora publica Selvagens, um policial de Don Winslow que dá o mote ao novo filme de Oliver Stone, a estrear nas salas de cinema no dia 6 de setembro.

Don Winslow é um dos maiores escritores do thriller policial da atualidade e domina com mestria o suspense, a violência e o humor que envolvem a ação desta história sobre cartéis de droga, corrupção e chantagem.

O filme, produzido pela Universal Pictures, conta com um verdadeiro elenco de estrelas como John Travolta, Blake Lively, Salma Hayek, Taylor Kitsch e Benicio del Toro.

O LIVRO

Ben, filantropo e ambientalista em part-time, e o seu amigo Chon, ex-mercenário, dirigem um negócio bastante rentável de plantação de marijuana em Laguna Beach.

Chon sempre se encarregou de eliminar qualquer ameaça ao seu território, mas agora os dois amigos deparam-se com um problema que os ultrapassa – o Cartel de Baja, o núcleo do narcotráfico mexicano, quer uma parte do negócio e não está disposto a aceitar um «não».

Quando Ophelia, amiga e amante de ambos, é raptada, eles terão de tomar uma decisão: ceder à chantagem, resgatar Ophelia, ou pagar vinte milhões de dólares…

Selvagens é uma combinação hábil de adrenalina e suspense, numa visita guiada ao mundo do crime e da guerra contra o narcotráfico pela mão de um dos mestres do thriller.

O AUTOR

Don Winslow, nascido em Nova Iorque e ex-detetive privado, é autor de quinze romances policiais, publicados em vários países.

Selvagens, considerado pelo The New York Times, Entertainment Weekly e The Los Angeles Times um dos melhores livros de 2010, foi adaptado ao cinema por Oliver Stone.

A Porto Editora publicará em breve The Winter of Frankie Machine.

Título: Selvagens

Autor: Don Winslow

Tradutor: Maria João Delgado

Págs: 288

PVP: 16,60 €

 

Coleção: Alta Tenção

 

Agosto 21, 2012

Asa - Um Romance Arrebatador "O Tempo dos Amores Perfeitos, de Tiago Rebelo

Angola em 1894. O amor proibido entre um tenente e a filha do governador. Num época de conquista, guerra e intrigas. Um Romance Arrebatador!

Tiago Rebelo conta-nos as aventuras de um oficial português em Angola, nos finais do século XIX, nos conturbados anos que se seguiram ao Ultimatum britânico, uma época em que a coroa portuguesa se debate com extremas dificuldades militares no interior da colónia.

Num universo de ficção e veracidade histórica acompanhamos a história de sobrevivência do jovem tenente Carlos Augusto de Noronha e Montanha, um antepassado do escritor, que é destacado para algumas das operações mais difíceis no interior de Angola, e o seu romance impossível com Leonor, a filha do governador, rebelde e determinada.

Intensamente apaixonados vêem, no entanto, a sua relação amorosa comprometida por conflitos de interesses que opõem a família de Leonor ao tenente Montanha.

Uma reedição da ASA.

Com uma década de produção literária recheada de êxitos, Tiago Rebelo é um dos escritores portugueses mais lidos e preferidos pelo público, sendo os seus livros presença habitual nos lugares cimeiros das principais tabelas de vendas nacionais.

É autor de grandes sucessos como O Último Ano em Luanda,  O Tempo dos Amores Perfeitos e Uma Noite em Nova Iorque. Com títulos disponíveis em diversos países, desde o Brasil a Angola e Moçambique, foi igualmente editado Itália e Argentina.

A par da actividade literária, Tiago Rebelo tem já uma longa carreira de jornalista, sendo actualmente editor executivo na TVI, e escrevendo regularmente para a revista do Correio da Manhã.

PVP 19,90 eur

620 págs

Agosto 18, 2012

Nome de Código Leoparda - Ken Follett - Opinião

Impossível cansar-me de Ken Follet! Já li vários livros dele (quase todos os editados cá) e consegue sempre surpreender. Sim, existe uma fórmula pela qual ele se rege, mas não cansa. Pelo menos a mim (ainda) não me cansou. Consegue sempre arrebatar-me a cada livro que leio. Este foi mais um exemplo de um livro que me “agarrou” por horas a fio, algumas vezes pela noite dentro.

Numa altura em que falta cerca de 1 mês para a edição do 2º livro da Trilogia “O Século”, “O Inverno do Mundo” tem previsão de edição para 18 de Setembro, decidi pegar num dos livros que tenho na estante há algum tempo, sempre uma reserva positiva, uma aposta de leitura ganha.

“Nome de Código Leoparda” não é exceção e proporcionou-me horas de adrenalina, suspense e muita mas mesmo muita vontade de ler sem parar. Talvez dos livros de Follett o que mais me tenha agradado dentro do género espionagem/conspiração da época da II Guerra Mundial, época muitas vezes palco dos seus romances.

Capítulos curtos, com a ação a intervalar entre diversos cenários que acontecem ao mesmo tempo, dou por mim a percorrer as páginas avidamente sempre com vontade de saber o que se vai passar nas “cenas” que foram ficando para trás. Sempre atenta a pormenores, dada a minha vontade de deslindar os mistérios e tentar antecipar desfechos.

Mulheres são as heroínas de uma missão secreta quase no final da Guerra, a poucas horas do “Dia D”. Uma corrida contra o tempo e, acima de tudo a vontade das forças da Resistência em acabar com o domínio alemão na Europa, dão origem a um plano perigoso levado a cabo pelo que se pode chamar de “refugo” de operacionais. Flick, uma espia inglesa anda há anos a fazer-se passar por francesa, arriscando diariamente a própria vida e a dos agentes que a acompanham, organiza o ataque a uma central telefónica alemã, posicionada estrategicamente em França. É então recrutado um grupo de mulheres que, fazendo-se passar por empregadas de limpeza, irão entrar no castelo de Sainte-Cécile onde se situa a central telefónica.

Com a guerra a durar há 5 anos, as baixas reduziram muito o nº de operacionais dos serviços secretos disponíveis para estas missões. A operação terá de ser levada a cabo apenas por mulheres de modo a não levantar suspeitas. Flick não tem alternativa senão, num prazo de horas encontrar 6 mulheres especializadas em diversos campos: alguém que domine técnicas de explosivos, uma Engenheira Eletrotécnica, e todas a saberem lidar com armas e identidades falsas, cair de para-quedas, e, acima de tudo, lidar com a pressão e o terror da constante perseguição da Gestapo, com a muito provável hipótese de serem capturadas e torturadas até à morte.

O recrutamento é feito com candidatas que já tinham sido recusadas pelos serviços secretos. É partindo destas bases de dados de fracassos que Flick vai treinar, em dois dias, as companheiras da missão mais importante e perigosa da sua vida.

A acrescentar que “Nome de Código Leoparda” é baseado em factos verídicos. A personagem de Flick foi construída a partir da história de Pearl Witherington membro do EOE (Executivo de Operações Especiais). Infelizmente a sua prestação e influência para o fim da Guerra nunca foi devidamente reconhecida por ser mulher, e não serem atribuídas condecorações a mulheres. Foi agraciada com o título de membro civil da Ordem do Império Britânico, que recusou com toda a dignidade alegando que a sua prestação não foi civil. Corajosa e determinada. Vale a pena conhecer a sua história através de alguma pesquisa. Como ponto de partida sugiro: http://en.wikipedia.org/wiki/Pearl_Witherington

Sempre com um enquadramento histórico consistente e facilmente percetível, acompanhado por um leque de personagens cativantes que seduzem o leitor e o levam a entrar nas suas vidas, dramas e paixões, Follett cria mais uma vez um romance magnífico que proporciona uma leitura entusiástica até à última página.

Não posso deixar de o recomendar sem qualquer reserva.

Sinopse

“Cinquenta mulheres foram enviadas para França como agentes secretas pelo executivo de operações especiais durante a Segunda Guerra Mundial. Trinta e seis sobreviveram à guerra. As outras catorze deram as suas vidas. 
Maio de 1944, duas semanas antes do Dia D: a Resistência francesa empreendeu um ataque falhado a um castelo que alberga uma central telefónica alemã, vital para os movimentos das suas tropas. Impõem-se medidas drásticas e Flick Clairet, uma jovem agente britânica, surge com um plano ousado: lançar-se de pára-quedas, em França, acompanhada por uma equipa exclusivamente feminina (Jackdaws) com o objectivo de disfarçarem-se de empregadas de limpeza francesas e... entrarem no castelo. 
Delirante ou não, o plano parece ser a única alternativa. O certo é que Rommel nomeou o implacável coronel Dieter Franck para esmagar a resistência francesa. E ele já tem o seu primeiro alvo: Flick Clairet…”

Casa das Letras, 2011

Agosto 13, 2012

Novidade Presença - A Coroa – No conturbado reinado de Henrique VIII a justiça pode ser implacável

Londres, 1537. Henrique VIII entrou em rotura com a Igreja de Roma e ordenou a dissolução dos mosteiros do reino. Joanna Stafford é noviça no priorado de Dartford quando descobre que a sua prima e melhor amiga foi condenada à fogueira por crime de alta traição. Incapaz de a deixar sozinha no momento da execução, Joanna decide quebrar o voto de clausura para ir despedir-se da prima. Mas a sua decisão terá consequências desastrosas. Espionagem, traição e uma lenda que poderá mudar o curso da História são os ingredientes que tornam este romance de estreia numa leitura revigorante e imperdível.

Nancy Bilyeau é escritora e jornalista e já trabalhou para as revistas Rolling Stone, Entertainment Weekly, Good Housekeeping, InStyle e Parade. Este é o seu primeiro romance. A autora vive em Nova Iorque com a família.

http://www.nancybilyeau.com/crown.html

«Uma obra que irá agradar aos fãs de Dan Brown e de Philippa Gregory.» Library Journal

«Uma rigorosa pesquisa histórica está subjacente a este romance cheio de suspense, mas o que mais nos atrai nele é a suculenta mistura de conspiração, luxúria, assassínio e traição.» O, The Oprah Magazine

«Quando a sua prima é condenada à morte pelo Rei Henrique VIII, a corajosa jovem freira Joanna arrisca tudo para estar ao seu lado.» People Magazine

«A excelente caracterização das personagens, a minuciosa reconstituição histórica, a atmosfera impregnada de tensão e o enredo marcado por um ritmo acelerado tornam esta leitura absolutamente viciante.» Booklist

Título Original: The Crown

Traduçaõ: Fátima Andrade

Páginas: 480

Coleção: Grandes Narrativas Nº 531

PREÇO SEM IVA: 17,83€ / PREÇO COM IVA: 18,90

Data de Publicação: 14 Agosto 2012

 

Já disponível em: http://www.presenca.pt/livro/a-coroa/

Outras ideias e sugestões: http://www.presenca.pt/

Agosto 12, 2012

A Chuva Antes de Cair - Jonathan Coe - Opinião

Estranho como é o segundo livro que leio de Jonathan Coe e desde a primeira página que senti que regressava a algum lugar. De facto o brilhantismo de “A Casa do Sono” não é caso único. “A Chuva antes de Cair” comprova o que eu já desconfiava, que se trata de um autor que escreve de forma muito característica, madura, consistente, bela. Ao fim do segundo livro estou tentada a chamá-lo de brilhante.

Continuo a sentir que viajo num mundo de personagens muito peculiares. Não que não pudessem ser reais, ao contrário, acho que são demasiado reais, verdadeiras, mas não comuns, pelo menos não para a maioria dos livros. Jonathan Coe não será também como a maioria dos escritores.

“A Chuva antes de Cair” é a saga de uma família contada a partir da morte, isto é, contada pela voz de alguém que já morreu. Achei esta ideia simplesmente fantástica, e a forma como o autor a explora e alimenta as 220 páginas deste livro, absolutamente única.

Rosamond morre e deixa parte da sua herança a Imogen; cabe a Gill, sua sobrinha, a missão de localizar Imogen. Sem sucesso, resta a Gill ouvir as cassetes que Rosamond deixou gravadas num envelope endereçado a Imogen.

Não vou dizer quem é Imogen, aliás não vou dizer quase nada sobre este livro, dado que é como um novelo que, começando a desenrolar, me vai fazer contar toda a história. E isso seria um verdadeiro crime, contar assim num pequeno texto uma história que merece ser lida com verdadeira dedicação.

Apenas uma pequena nota: Imogen é cega. Por isso Rosamond lhe deixou cassetes gravadas com descrições de fotografias sobre as quais disserta para um microfone antes de morrer. Rosamond conta toda a sua vida, a vida dos que lhe são próximos, pormenores que explicam atitudes e situações de uma família peculiar e por vezes estranha…como na verdade acabam por ser todas as suas famílias, com os seus segredos, fraquezas e mistérios.

Uma história sobre as raízes da amizade, sobre a construção da personalidade, sobre o preconceito, sobre o amor, o ódio e as diferentes formas de os manifestar.

Jonathan Coe, definitivamente a continuar a acompanhar.

Sinopse

“Tudo em ti está certo: tu tinhas de nascer. Tu eras inevitável. Um dia, Rosamond fez um pacto de sangue com a sua prima Beatrix. Eram ambas crianças e, ainda que por motivos diferentes, solitárias e carentes. Rosamond nunca poderia imaginar até que ponto aquele momento seria decisivo para a sua vida. Sedenta de atenção, Beatrix vai protagonizar uma tragédia cujos efeitos nunca poderia prever, arrastando consigo a prima, cujo destino está fatalmente ligado ao seu. Mais de meio século depois, Rosamond morre, sozinha, no isolamento da sua casa no campo. Para trás deixa um enigmático conjunto de cassetes, alguns álbuns de fotografias e o inesperado nome de uma pessoa que ninguém vê há mais de vinte anos: Imogen. A Chuva Antes de Cair retrata de modo comovente a natureza fugaz do amor e da felicidade. Mas, acima de tudo, é uma magistral reflexão sobre a maternidade, a memória e o poder da verdade.”

Asa, Fevereiro 2010

Agosto 11, 2012

Civilização publica 'O Último Minuto' de Jeff Abbott

Sam Capra tem uma única razão para viver: recuperar o filho das pessoas que o raptaram. Agora, os raptores fazem-lhe uma proposta mortal: entregam-lhe o bebé… se Sam concordar em cometer um assassinato espetacular. Aliando-se a uma jovem mãe cuja filha desapareceu, Sam parte em busca do seu filho pelo país fora numa corrida perigosa e desesperada contra o tempo. O autor de bestsellers como Pânico e Adrenalina, Jeff Abbott, regressa com mais um thriller de cortar a respiração, O Último Minuto.

Desta vez, Sam Capra – a personagem central de Adrenalina, o último romance de Jeff Abbott – está numa corrida contra o tempo para recuperar o seu filho das mãos de raptores. “Imparável, estimulante”, escreve Harlan Coben. “Abbott escreve clássicos do suspense”, acrescenta Lee Child.

Os títulos Pânico, Colisão, Confia em Mim, Medo e Adrenalina (agosto de 2011), todos publicados pela Civilização, foram absolutos sucessos de vendas em Portugal, sendo que os dois primeiros vão ser adaptados ao cinema.

Escritor de reconhecimento internacional e autor de 13 romances policiais, Abbott já esteve nomeado três vezes para o Mystery Writers of America’s Edgar Allan Poe Award e duas para o Anthony Award, atribuído pela Bouchercon (ou World Mystery Conference). Alguns dos seus contos encontram-se reunidos em coletâneas como Best American Mystery Stories e The World’s Finest Crime and Mystery Stories.

Mais informações sobre o autor: http://jeffabbott.com.

Título: O Último Minuto

Autor: Jeff Abbott

Título original: The Last Minute

Tradução: Helena Serrano

Páginas:560

Encadernação: Capa mole

Subfamília: Policial

PVP: 16,90 €

Lançamento: Agosto de 2012

Agosto 11, 2012

Emylia Hall vence o Richard and Judy’s Summer Book Club

O romance de estreia de Emylia Hall, editado em Portugal pela Civilização, acaba de vencer o Richard and Judy’s Summer Book Club 2012. Considerado um dos grandes sucessos editoriais do ano desde o seu lançamento, Álbum de Verão foi votado pelos leitores como a melhor leitura para o Verão de 2012.

Beth Lowe recebe uma encomenda. Lá dentro há uma carta que a informa da morte da mãe, com quem cortou relações há muito tempo, e um álbum de recortes que Beth nunca tinha visto. Tem um título –– e está repleto de fotografias e lembranças reunidas pela mãe para recordar os sete gloriosos verões que Beth passou na Hungria rural quando era criança.

Álbum de Verão é uma ótima leitura para estas férias, com um enorme potencial de vendas. As críticas da imprensa internacional não podiam ser mais entusiasmantes. “Encantador e vívido […] Uma estreia magnífica”, escreve a Cosmopolitan. “Belo e complexo”, diz o Spectator. “Fantasticamente evocativo e luminoso”, conclui a Stylist. O primeiro romance de Emylia Hall é, de facto, uma história de amor que promete prender o leitor da primeira à última página.

Emylia Hall nasceu em 1978 e cresceu na região rural de Devon, filha de um artista inglês e uma artesã húngara. Depois de estudar na Universidade de York e em Lausanne, Suíça, Emylia passou cinco anos a trabalhar numa agência de publicidade em Londres, antes de se mudar para ao Alpes Franceses. Foi aí que começou a escrever. Emylia vive agora em Bristol com o marido, também ele escritor. Álbum de Verão é o seu primeiro romance, inspirado nas recordações de férias na Hungria rural.

Agosto 11, 2012

Steve Mosby vence Prémio Literário CWA Dagger

Steve Mosby foi galardoado com o "CWA Dagger in the Library" um prémio literário atribuído pela Crime Writer's Association, uma associação que reúne escritores ingleses na área policial/mistério.

Este prémio foi atribuído ao escritor pelo conjunto dos seus livros, tramas sombrias mas cuja a simplicidade das histórias e a humanidade das personagens conseguem ser revigorantes.

Na colecção «Crime Perfeito» das Publicações Europa-América já foram publicados os seguintes títulos do autor: O Assassino 50/50, Um Grito de Ajuda e Mar de Sangue.

O último livro do escritor Black Flowers, brevemente em Portugal, foi também nomeado para o prémio Theakston's Peculiar Crime.

 

Aproveito para divulgar os saldos a decorrer no site da Europa-América até 15 de Setembro: saldos de 20% (novidades) a 50% (livros editados há mais de 18 meses). Boas compras e boas leituras!

Agosto 05, 2012

Não quero dizer-te adeus - David Baldacci - Opinião

Receio. Receio de se tratar de um livro demasiado triste. Sobre a morte, sobre a dor da perda. Sobre uma família desfeita.

Surpresa. É um livro sobre a vida. Sobre a força de vontade de seguir em frente, de superar e de ficar junto dos que mais amamos.

Este livro envolveu-me de uma forma que eu não esperava. Li-o de seguida, sempre até ao final. Adoro quando isto me acontece, quando a leitura se torna tão intensa que não consigo parar.

A história de Jack é surpreendente. Os médicos não lhe dão esperança de sobreviver à doença. A família está arrasada, os três filhos e a mulher, Lizzie, preparam-se para o pior. Entretanto há uma radical alteração nas expetativas quando é Lizzie que morre num acidente de viação. Incapaz de cuidar de si próprio e cruelmente afastado dos filhos, Jack prepara-se para morrer sozinho num lar que presta os últimos cuidados aos doentes terminais. Jack é o primeiro doente a sair vivo do lar. De forma que ninguém explica, recupera e supera a doença. Cientificamente impossível. Um milagre? Deus? Não se sabe. Eu prefiro acreditar na força do amor, na vontade forte de ir ter com os filhos e reunir a família.

É isso que Jack faz. Recupera a saúde e consegue forças para perseguir a vontade de ir buscar os filhos que foram separados por casas de familiares.

Não é fácil recuperar uma família delapidada pela dor. Uma família separada inesperadamente e sem fé, por ter perdido o seu membro mais forte – a mãe.

Mas a vida tem estranhas formas de nos mostrar o caminho, e uma “inesperada” herança vem proporcionar uma mudança para uma casa que é, ao mesmo tempo, um cenário de redenção, de sarar feridas, de lágrimas e de muitos sorrisos.

Porque enquanto há vida tem de se acreditar. “Não quero dizer-te adeus” faz acreditar na força que todos temos cá dentro e tantas vezes desperdiçamos porque desistimos antes do tempo. Um livro lindíssimo, uma experiência avassaladora.

Fiquei muito curiosa em conhecer outros livros do autor, até porque este livro representa uma exceção ao trabalho que habitualmente desenvolve – policiais. Desde já posso confirmar a capacidade de manter o leitor “agarrado” ao livro!

Sinopse

“Não quero dizer-te adeus é sobre o destino de uma família marcada pela perda e salva pelo amor. Centrado na resiliência espiritual de um pai e na revelação do amor que une uma família, neste e no outro mundo, Não quero dizer-te adeus está predestinado a tocar profundamente o coração dos seus leitores.

Jack enfrenta uma doença terminal e os médicos não lhe dão qualquer esperança de cura. Jack passa então os últimos dias a preparar-se para a iminente despedida da sua família: a esposa, Lizzie, e os seus três filhos. Então, inesperadamente, a tragédia volta a atacar: Lizzie morre num acidente de viação…“

Clube do Autor, 2012