Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

planetamarcia

planetamarcia

Março 26, 2011

La Coca - Romance de J. Rentes de Carvalho

 

Mais do que uma viagem nostálgica e autobiográfica, La Coca é uma investigação literária e um pequeno tratado sobre os mecanismos da memória. Um romance breve, profundamente irónico e terno. Com a escrita luminosa de J. Rentes de Carvalho.

O encontro do narrador com Manuel Galeano – que sempre tivera «o contrabando no sangue» - é o ponto de partida para uma longa evocação e uma viagem sentimental: cinco décadas de história do tráfico entre o Minho e a Galiza. Negócios de cigarros, uísque, barras de ouro, gado, café e, mais recentemente, droga. 

Março 25, 2011

O Segredo de Afonso III - Maria Antonieta Costa - Opinião

 

Uma leitura inesperada que se revelou uma boa surpresa!

A verdade é que nada me fazia prever ler este livro, mas surgindo a oportunidade não hesitei. É bom verificar que, apesar da maioria dos livros editados serem traduções, há uma aposta nos autores nacionais. Não conhecia a autora nem o seu trabalho, este é o seu primeiro romance e para mim o balanço é muito positivo.

Com uma escrita fluida e muito acessível, Maria Antonieta Costa expõe uma história em dois espaços temporais: século XIII e actualidade. Fui descobrindo um romance com personagens históricas reais, que se envolvem com personagens de ficção à época da morte de D. Afonso III. Desde crimes, conspirações e sociedades secretas vamos avançando numa leitura envolvente em que duas heroínas traçam percursos algo semelhantes, apesar de viverem com oito séculos de diferença.

A grande inovação neste conceito de romance é, quanto a mim, o facto de as personagens determinantes para a resolução dos mistérios serem mulheres. Madragana, amante do Rei D. Afonso III deixa um testemunho escrito que, na época actual, vai parar por casualidade às mãos de Eunice Bacelar. A partir deste momento, Eunice não consegue parar de investigar e vai aprofundando os relatos de Madragana, escritos por um monge, sobre misteriosos crimes ocorridos na corte após a morte do Rei.

Com uma fórmula que por vezes me fez lembrar os livros de Dan Brown, fui avançando nesta leitura com atenção e curiosidade. Gosto de História e de mistérios, portanto este género de livros tem tudo para me agradar. A personagem de Eunice cativou-me muito: uma mulher independente e inteligente, sem medo de seguir pistas e de enfrentar criminosos; é Eunice que leva o leitor por esta aventura temporal, que investiga e descobre segredos, assim como decifra  mensagens em código. Uma heroína da actualidade que demonstra as capacidades do sexo feminino sem nunca deixar de lado a sensibilidade e, claro, o romance.

Um livro cujo interesse obriga a uma leitura rápida e que me fez chegar ao fim muito satisfeita. Recomendo!

Sinopse

“Em Lisboa, na segunda metade do século XIII, no Paço Real de Xabregas, o rei Afonso III morre em delírio mencionando um segredo. Entre o funeral régio e a coroação do jovem D. Dinis, seguem-se duas outras mortes misteriosas.

Eunice Bacelar, investigadora, acaba de descobrir no espólio documental do Archivio Segreto Vaticano, vários séculos após a morte de Afonso III, uma enigmática mensagem sobre estranhas ocorrências envolvendo uma concubina, um escravo, um físico e o único Papa português, João XXI. Que mistérios esconderá, afinal, aquele pergaminho?”

Clube do Autor, 2011

Março 24, 2011

Porto Editora - Ficção - Fugir para esconder um segredo

 

A Porto Editora publica Uma mulher em fuga, de Marion McGuilvary, um romance que chega às livrarias no dia 31 de março.

Uma mulher em fuga conta a história de Edith Lutz, uma mulher que, apesar de ter mantido secreta a sua identidade e iniciado uma nova vida, está sempre a ser perseguida pelo seu passado.

Marion McGuilvary escreve regularmente para o The Times e já colaborou com o The Observer e Vogue. Este seu primeiro romance, sobre amor, traição e identidade, foi efusivamente saudado pelos seus leitores e pela crítica.

SINOPSE

Ela tinha uma vida, um marido, um lar. O que a fez abandonar o seu mundo?

Edith Lutz, Agnes Morales, ou Agnes McBride… da Escócia, de Nova Iorque, da América do Sul, ou de Londres… mulher de um académico, dactilógrafa, recepcionista, ou governanta… passou grande parte da vida a reinventar-se num esforço para evitar o passado.

Com uma nova identidade e uma nova imagem, Edith aceita um emprego como governanta na casa do editor de sucesso Adam Davenport, recém-divorciado e pai de dois filhos adolescentes, com o intuito de levar uma vida despercebida. Porém, contra todas as expectativas, a relação com Adam torna-se algo mais íntimo, e ela ousa sonhar com um futuro tranquilo.

Mas o passado de Edith está no seu encalço e poderá bater-lhe à porta a qualquer momento…

Em Uma Mulher em Fuga, seu primeiro romance, Marion McGilvary envolve-nos numa história de amor que é também uma história de traição – e de segredos fechados a sete chaves.

A AUTORA

Marion McGilvary estudou Árabe na Universidade de Westminster e Design Gráfico e Ilustração no Camberwell College of Arts.

Colaborou com a Vogue, com o The London Financial Times – tendo sido nomeada para o prestigiado Glenfiddich Food & Drink Award na categoria de Restaurant Critic of the Year -, com o The Observer, e escreve agora regularmente para o The Times.

É autora de três livros de não ficção (Things Your Mother Never Told You, Seduce me! e Aphrodisiac), sendo Uma Mulher em Fuga o seu primeiro romance.

Página pessoal: www.mcgilvary.com

IMPRENSA

Suspense e sarcasmo, numa história envolvente de amor, traição e segredos guardados a sete chaves. Waterstones’s Books Quarterly

Incisiva e mordaz, Marion McGilvary oferece-nos uma história empolgante de uma mulher em fuga. Daily Mail

A personagem de Agnes é complexa – imperfeita, real, dura –, no entanto, McGilvary escreve com uma mestria que nos cativa da primeira à última página. Daily Record

Título: Uma mulher em fuga

Autor: Marion McGilvary

Tradutor: Ana Nereu

Págs: 320

PVP: 16,60 €

Março 23, 2011

Novidades Clube do Autor

                  

 

Chegam hoje às livrarias nacionais três novos livros com a chancela Clube do Autor, um do consagrado escritor David Baldacci (mais de 100 milhões de exemplares vendidos), outro do médico pediatra Mário Cordeiro, e um novo romance da Marcador. A Conspiração do Silêncio, Consultório Médico e O Meu Verão com Gatsby são os títulos dos novos livros.

O reconhecimento unânime com que o público e a crítica receberam os primeiros livros de David Baldacci não lhe deixaram margem para dúvidas e hoje este advogado de formação dedica-se apenas à escrita. Presença assídua nos Top de Vendas das principais livrarias do mundo inteiro e #1 do New York Times sempre que lança um novo romance, o autor de Camel Club «é um mestre do thriller», diz o Daily Express.

Resultado de um longo trabalho de pesquisa em livros de texto, artigos científicos e saberes produzidos por sociedades científicas nacionais e internacionais, Consultório Médico, do pediatra Mário Cordeiro, pretende acabar de vez com os mitos e meias verdades sobre a saúde. Palavra de médico.

 

O Meu Verão com Gatsby, de Danielle Ganek, por sua vez, é «um romance divertido e original» (The New York Times), «perfeito para ler à beira-mar!» (San Francisco Chronicle).

Março 20, 2011

A Queda dos Gigantes - Ken Follett - Opinião

 

Não há nada melhor do que pegar num livro e saber que vai ser bom, que nos vai dar horas e horas de prazer, que vamos ler cada página a desejar nunca chegar ao fim. Ken Follett não desilude e “A Queda dos Gigantes” só tem um defeito: saber que é uma trilogia cujos livros seguintes ainda não estão editados… ter de esperar… bom, ainda bem que agora não faltam livros deste autor nas livrarias, sinceramente espero poder ler vários ainda este ano.

Este primeiro livro da trilogia “O Século” recordou-me do que é ler com gosto e prazer. Um romance bem escrito, envolvente, com um leque de personagens de ficção que convivem com personagens históricas sobejamente conhecidas. A acção decorre entre os anos 1911 e 1925, e tem como palco a I Guerra Mundial, assim como o período que a antecede bem como os anos do pós-guerra. Entramos na vida de várias famílias de realidades bem diferentes, e de diversos pontos do globo: Alemanha, Áustria, França, País de Gales, Inglaterra, Escócia, EUA, Rússia. Admito o meu conhecimento superficial em relação a esta época histórica, como tal esta leitura, além de empolgante, foi de extrema utilidade na aquisição de conhecimento. Não serei a pessoa ideal para avaliar a coerência e fiabilidade da informação exposta, mas acredito no rigor da investigação do autor.

Não me vou perder a falar de nenhuma personagem em particular. São tantas que a princípio tive de me socorrer diversas vezes do elenco descrito nas páginas iniciais; mas uma vez entrando no ritmo deixou de ser necessária esta consulta… já vivia e dormia a vidas destas personagens! Adorei seguir o percurso de cada um, analisar de que forma as mudanças sociais e os factores históricos influenciam rumos, tentei adivinhar se alguns se iriam voltar a ver no futuro e quais seriam as cicatrizes que a guerra iria deixar em cada um. Emocionei-me com as histórias de amor, revoltei-me com as injustiças e vibrei com as vitórias.

Fica a certeza de que tudo é cíclico, que quem está bem pode passar à situação inversa por um pequeno acaso do destino. Uma guerra muda tudo, separa os que se amam, faz as crianças crescerem depressa, atormenta quem está longe e sem notícias. Mas a consequente conclusão é a da inutilidade de tantas vidas perdidas num conflito que por tantas vezes perdeu qualquer lógica, se é que alguma vez a chegou a ter.

Ken Follett é, mais uma vez, brilhante!

Sinopse

“Em A Queda dos Gigantes, o primeiro volume da trilogia "O Século", as vidas de 5 famílias - americana, alemã, russa, inglesa e escocesa - cruzam-se durante o período tumultuoso da Primeira Grande Guerra, da Revolução Russa e do Movimento Sufragista.
Neste primeiro volume, que começa em 1911 e termina em 1925, travamos conhecimento com as cinco famílias que nas suas sucessivas gerações virão a ser as grandes protagonistas desta trilogia. Os membros destas famílias não esgotam porém a vasta galeria de personagens, incluindo mesmo figuras reais como Winston Churchill, Lenine e Trotsky, o general Joffreou ou Artur Zimmermann, e irão entretecer uma complexidade de relações entre paixões contrariadas, rivalidades e intrigas, jogos de poder, traições, no agitado quadro da Primeira Grande Guerra, da Revolução Russa e do movimento sufragista feminino.
Um extraordinário fresco, excepcional no rigor da investigação e brilhante na reconstrução dos tempos e das mentalidades da época.”

Editorial Presença, 2010

Março 20, 2011

Sextante Editora - Ficção - O santuário de Eduardo Mendoza

 

A Sextante Editora publica, no dia 24 de março, Três vidas de santos, o primeiro livro de contos de Eduardo Mendoza.

Tendo como referências Henry James, Joseph Cornrad e Alice Munro, Eduardo Mendoza escreve três contos, «A baleia», «O fim de Dubslav» e «O equívoco», escritos em momentos diferentes, e cujos protagonistas, «se não são santos, também não são más pessoas» (Prólogo).

Depois de A assombrosa viagem de Pompónio Flato, publicado pela Sextante no final do ano passado, Eduardo Mendoza, considerado um dos principais escritores espanhóis e vencedor do Prémio Planeta 2010, regressa às livrarias com mais um livro repleto de humor e perspicácia.

SINOPSE

«As narrativas que integram este livro falam de indivíduos que não pertencem à categoria dos mártires nem dos anacoretas nem dos santos influentes. Em rigor, não são santos ou são-no numa terceira categoria que a Igreja não reconhece e até condena.

A maioria destes santos que o não são parte de uma ideia equivocada, de um trauma psicológico. Como a sua luta é interior e ninguém se interessa pelo seu aspecto, quase não têm representação gráfica. Em contrapartida, são os favoritos da literatura, por razões óbvias. Dom Quixote, Hamlet e o capitão Ahab são exemplos válidos, a literatura russa alimenta-se deles.» (Do Prólogo)

O AUTOR

Eduardo Mendoza nasceu em Barcelona em 1943. Escreveu entre outros romances A verdade sobre o caso Savolta (1975, Prémio da Crítica), O mistério da cripta assombrada, O labirinto das azeitonas, A cidade dos prodígios (1986, Prémio Cidade de Barcelona), Uma comédia ligeira (1996,

Prémio de Melhor Livro Estrangeiro em Paris em 1998), A aventura do cabeleireiro de senhoras (2001, Prémio para o «Livro do Ano» do Grémio dos Livreiros de Madrid) e Maurício ou as eleições sentimentais (2006), Prémio de Romance da Fundação José Manuel Lara). Com Riña de gatos venceu o Prémio Planeta 2010. A Sextante Editora iniciou em 2010, com A assombrosa viagem de Pompónio Flato, a publicação regular em Portugal das obras de Eduardo Mendoza.

Título: Três vidas de santos

Autor: Eduardo Mendoza

Tradutor: António Pescada

Págs: 152

PVP: € 13,90

Março 19, 2011

Porto Editora- Ficção - O livro inédito de Rosa Lobato de Faria

 

A Porto Editora publica Vento Suão, o romance inédito de Rosa Lobato de Faria, um ano após a sua morte.

Nas livrarias a 24 de março, este romance conta com um posfácio de Eugénio Lisboa que tem como título “Um prazer interrompido” e que dá a conhecer um pouco da autora e da sua obra.

A apresentação oficial do livro, que será também uma homenagem a Rosa Lobato de Faria,  está marcada para o dia 7 de abril, pelas 18:30, no Grémio Literário de Lisboa.

SINOPSE

Quando faleceu, a 2 de fevereiro de 2010, Rosa Lobato de Faria deixou inacabado este Vento Suão. Pôs-se então a hipótese de pedir a um(a) autor(a) das suas relações que imaginasse um desenvolvimento para a história que a morte não deixara chegar ao fim e terminasse o livro inacabado. Depressa se concluiu, no entanto, que tal não era a melhor solução – primeiro, porque não se tinha a certeza de que a autora aprovasse essa inclusão de uma voz alheia no interior do seu próprio fluir narrativo; depois, porque, apesar de inacabado, o romance tinha o desenvolvimento suficiente para se deixar ler como um todo com sentido. Aqui fica, pois, este Vento Suão tal e qual como Rosa Lobato de Faria o deixou. E como derradeira homenagem a uma escritora cuja obra teve como eixos fundamentais “a força da vida, o conhecimento profundo da realidade e do meio em que se agitam os seus fantoches ficcionais, o domínio das minúcias, o fôlego narrativo, a irrupção imparável de um vento negro de violência que impõe uma aura de tragédia intemporal ao que parece quase inócuo”. [Eugénio Lisboa]

A AUTORA

Rosa Lobato de Faria nasceu em Lisboa em 20 de abril de 1932 e na mesma cidade faleceu em 2 de fevereiro de 2010. Poeta e romancista, o essencial da sua poesia está reunido no volume Poemas Escolhidos e Dispersos, de 1997. O seu primeiro romance, O Pranto de Lúcifer, veio a público em 1995. Publicou em vida doze romances, o último dos quais, As Esquinas do Tempo, já na Porto Editora. Foi também autora de vários livros infantis.

Está publicada no Brasil e traduzida em Espanha, França e Alemanha.

Em 2000, obteve o Prémio Máxima de Literatura.

Título: Vento Suão

Autor: Rosa Lobato de Faria

Págs: 176

PVP: 15,90 €

Março 19, 2011

Porto Editora - Ficção - Man Booker Prize 2010: "A Questão Finkler", de Howard Jacobson

 

No panorama literário português, o próximo dia 24 de março vai ficar marcado pela publicação, por parte da Porto Editora, do livro vencedor do Man Booker Prize 2010: A Questão Finkler, de Howard Jacobson.

Divertido, furioso, implacável, este extraordinário romance apresenta aos portugueses um dos mais brilhantes escritores da atualidade.

A Questão Finkler, de Howard Jacobson, com tradução de Alcinda Marinho e capa de Alex Gozblau, é o terceiro de quatro livros ligados ao Man Booker Prize – um dos mais prestigiados galardões literários – que a Porto Editora publica em 2011, depois de Transgressão, de Rose Tremain, e Hotel Majestic, de G. J. Farrell. Room, de Emma Donoghue, será o próximo.

O ENREDO

Julian Treslove está em plena crise de identidade. Ele não tem uma opinião muito concreta sobre a circuncisão, o conflito entre Israel e a Palestina, ou os monumentos ao Holocausto - na verdade, sobre todo e qualquer aspeto da cultura judaica dos nossos dias. Mas o verdadeiro problema com a identidade de Julian é não ser judeu - não que esse pequeno pormenor o impeça de viver obcecado com o judaísmo.

No início do livro Julian, de 49 anos, acaba de sair de um jantar com o seu colega dos tempos de escola Sam Finkler e do antigo professor de ambos, Libor Sevcik. Sam e Libor, ambos judeus, perderam recentemente as suas esposas. O passado de Julian com as mulheres é um pouco diferente: nunca se casou e tem dois filhos adultos que sempre ignorou. No meio dos seus devaneios, enquanto regressa a casa, acaba por ser assaltado por uma mulher que, ao partir, lhe chama Judeu - ou pelo menos foi isso que lhe pareceu ouvir. A partir desse momento, o seu sentido de identidade começará a transformar-se radicalmente.

O AUTOR

Howard Jacobson (Manchester, 1945) é um escritor britânico de origem judaica. Considerado pela crítica como “o Philip Roth inglês” por os seus romances se centrarem nas relações e comportamentos da sociedade judaica britânica, prefere, de forma irónica, ser conhecido como “Jane Austen judeu”.

Paralelamente à escrita, foi professor de Inglês no Wolverhampton Polytechnic do West Midlands e no Selwyn College, bem como na Universidade de Sidney. Participou igualmente em diversos programas televisivos no canal britânico Channel 4.

A Questão Finkler, vencedor do Man Booker Prize 2010, é o primeiro livro do autor a ser publicado em Portugal

Títulos: A Questão Finkler

Autor: Howard Jacobson

Tradução: Alcinda Marinho

Págs: 376

Capa: mole com badanas

PVP: 17,60 €

Março 19, 2011

O romance de estreia de Jim Powell é um relato notável sobre a Europa após a queda do Muro de Berlim

 

Das avenidas de Paris aos guetos da Polónia em guerra, passando pelo Midwest americano e pelo Muro de Berlim, O Partir dos Ovos descreve – de forma ficcionada – o impacto da queda do muro de Berlim e do fim da Cortina de Ferro na vida de Feliks Zhukovski, um polaco em Paris que devotou toda a sua vida ao Comunismo. Este novo romance do estreante Jim Powell foi finalista do Desmond Elliott Prize.

O Partir dos Ovos tem sido muito elogiado pela imprensa internacional pela forma como descreve o impacto do comunismo e do fascismo na História do século XX. “Este notável primeiro romance é uma narrativa em parte futurista e em parte de espionagem, que inclui um verdadeiro manual de história da Europa do século XX”, garante o The American Spectator.

Para a Publishers Weekly, “esta história consegue pegar em temas recorrentes – os horrores da guerra, as decisões tomadas e depois incompreendidas ou lamentadas, os custos de fidelidades políticas, a elasticidade das famílias – e molda-os numa história inesperada, comovente e notável. Inesquecível”. O estilo pouco usual de Jim Powell também não passa ao lado da crítica. “Fluente, invulgar”, diz o Times Literary Supplement, enquanto que o Chicago Tribune escreve: “um romance de grande profundidade emocional, escrito num estilo aberto e perspicaz”.

Jim Powell nasceu em Londres em 1949 e estudou em Cambridge, onde tirou um mestrado em História. Começou por trabalhar em publicidade chegando a ser director executivo de uma importante agência londrina. Fez parte da lista do Partido Conservador, liderado por Margareth Thatcher nas eleições gerais de 1987. O seu primeiro romance O Partir dos Ovos foi nomeado para o Desmond Elliot Prize. Jim Powell vive em Northamptonshire.

SINOPSE

“O Partir dos Ovos” leva-nos numa viagem ao coração de um homem extraordinário e aos recantos mais escuros do século XX. Transporta-nos das avenidas de Paris aos guetos da Polónia em guerra, passando pelo Midwest americano e pelo Muro de Berlim, numa busca comovente e maliciosa, engraçada e inquietante.

Esta é a história de Feliks Zhukovski, um polaco em Paris. Separado da família pela Segunda Guerra Mundial, Feliks devotou a sua vida ao Comunismo. O trabalho da sua vida é um guia de viagem ao antigo Bloco de Leste; a sua vida pessoal é um rotundo fracasso.

Infelizmente para Feliks, chega o ano de 1991. Enquanto a Europa recupera da separação causada pela Cortina de Ferro, as certezas da sua vida caem como as lajes do Muro de Berlim. Desorientado, estranhamente livre e potencialmente desempregado, Feliks surpreende-se a si próprio ao vender o seu guia a uma empresa americana. Isto desencadeia uma série de acontecimentos que vão mudar a sua vida.

Depois de reencontrar o irmão que não vê há 50 anos, Feliks encara a esperança de encontrar a mãe e talvez mesmo o grande amor da sua vida, há muito perdido. Mas primeiro tem de encontrar o seu caminho por entre as ilusões do passado da Europa e as convicções sobre as quais baseou a sua vida adulta.

Título: O Partir dos Ovos

Autor: Jim Powell

Título original: The Breaking of Eggs

Tradução: Isabel Baptista

Páginas: 320

Encadernação: capa mole

Família: Literatura

Preço c/ IVA: 16,90 €

Lançamento: Março 2011