Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

planetamarcia

planetamarcia

Fevereiro 25, 2010

Novidades Camões & Companhia

 

 

O Mar que Gente Faz - João Negreiros
 
O Mar que a Gente Faz leva-nos para o seio de uma família de pescadores, onde todos os dias a faina ainda leva os homens a madrugar e sofrer na pele a força das ondas e a dureza do mar. O menino Sargo – que tem nome de peixe – conta-nos uma história que se lê como uma fábula para pais e filhos. Tudo começa no dia em que Sargo nasce e sorri entre as redes dos pescadores. Daí em diante, é uma narrativa de um brilho e ternura excepcionais. Recheado de pequenas peripécias que nos levarão do riso às lágrimas, sempre com um forte sentimento de saudade, o menino Sargo vai recordar-nos aquilo que já soubemos e a vida nos fez esquecer; o significado da vida, da morte e do verdadeiro amor.
Ninguém ficará indiferente à escrita quase musical, ou à inocência terna da criança que nos conta como tudo acontece, com olhos que tudo observam e tudo sentem.
Uma bela história que, por vezes, nos remete para o Principezinho de Antoine de Saint-Exupéry.
 
“Nesta obra encontramos mil e um tesouros, entre eles, a possibilidade de sonhar e voltar a ser criança. Não me recordo da última vez que um livro visitou de forma tão intensa os sentimentos da minha infância.” - António Vilaça, Editor
 
Género: Lit. Contemporânea
Palavras-chave: Família, Amor, Mar, Ternura,Pescadores
Formato: 14,8 x 21 cm
Páginas: 104
Tiragem: 5000
PVP: 15,96 €
Data de Lançamento: 5 de Março de 2010
 
a verdade dói e pode estar errada - João Negreiros
 
intervalo
o ar é mais doce nos intervalos da água
mas para o peixe a água é mais doce nos intervalos do ar
mas para o peixe de água doce a água é mais doce nos intervalos do mar
 
VENCEDOR DO PRÉMIO POESIA NUNO JÚDICE
 
● Comparado pelo júri do Prémio Poesia Nuno Júdice à estética de Fernando Pessoa e Álvaro Campos
● Autor revelação em 2009 com dois prémios arrecadados
 
Género: Lit. Contemporânea
Palavras-chave: Poemas, Quotidiano, Pensamentos
Formato: 14,8 x 21 cm
Páginas: 160
Tiragem: 800
PVP: 15,96 €
Data de Lançamento: 5 de Março de 2010
 
João Negreiros nasceu em Matosinhos a 23 de Novembro de 1976. Muito novo, escrevia já teatro, poesia e prosa poética.
Na área do teatro, a sua obra foi crescendo, tendo hoje quatro peças editadas, Silêncio e Os Vendilhões do Templo (2007), O segundo do fim e Os de sempre (2008). No âmbito da poesia, publicou dois livros: o cheiro da sombra das flores (2007), seleccionado de entre as melhores obras de poesia ibérica publicadas entre 2007 e 2008 pelo Prémio Correntes d' Escritas de 2009, e luto lento (2008). Entre vários prémios, destacam-se o 1º lugar no Prémio Internacional OFF FLIP de Literatura 2009 (Brasil), categoria Poesia, e o Prémio Nuno Júdice 2009.