Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

planetamarcia

planetamarcia

Janeiro 24, 2010

Shutter Island - Dennis Lehane - Opinião

 

Recordo-me perfeitamente do dia em que comprei este livro. Foi na Feira do Livro de Lisboa, já não sei precisar há quanto tempo, talvez há uns 4 anos. Lembro-me de a vendedora estar a ler um exemplar completamente agarrada à história. Falámos um pouco sobre o livro e lá nos convenceu (a mim e ao meu marido) a comprá-lo. Veio para casa e ficou na estante até agora, altura em que me decidi a explorar esta história.
Confesso que o facto de haver um filme baseado neste romance me deu algum entusiasmo para o ler, até porque tenho vontade de ver o filme…e se quero ver um filme baseado num livro que até tenho em casa…porque não ler o livro antes?
Bom, tenho de admitir que esperava mais. Se calhar parti com expectativas demasiado altas e apesar de Dennis Lehane já ter alguns livros editados nunca tinha lido nada dele.
Esperava que a narração fosse mais intensa e o enredo mais complexo. Não que a história seja fácil, confesso que por vezes me perdi no meio da lógica…ou da falta dela…não sei, sinto que não entrei completamente na trama. Apetecia-me ler um bom policial compulsivo, daqueles que nos mantém acordados pela noite fora, que nos fazem perder a noção do tempo…toda a gente que me falou deste livro adorou…mas a mim não me agarrou…
Não quer dizer que não o recomende ou ache que não tem valor, apenas penso que para “notável romance psicológico” indicado na capa, lhe falta tempero.
Gostei da escrita do autor, simples mas bem estruturada; uma narrativa com bastantes surpresas, há medida que a leitura avança nada é o que parecia inicialmente e no final chegamos ao limite de todas as mudanças e surpresas… ou talvez não, talvez estejamos de regresso ao início… muito mistério e acção são os pontos fortes deste livro.
Sinopse
“Verão de 1954.
O U.S. Marshal Teddy Daniels chegou a Shutter Island, local onde está instalado o Ashecliffe Hospital, uma instituição psiquiátrica destinada a loucos criminosos. Juntamente com o seu parceiro, Chuck Aule, inicia a busca de uma paciente que conseguiu fugir, uma assassina chamada Rachel Solando, quando a ilha é atingida por uma furacão.
Mas nada no Ashecliffe Hospital é aquilo que parece.
E Teddy Daniels também não. Está ali para encontrar uma paciente desaparecida? Ou foi enviado com a missão de investigar os rumores que correm a respeito da abordagem radical à psiquiatria que é praticada em Ashecliffe? Uma abordagem que talvez inclua drogas experimentais, horríveis intervenções cirúrgicas e contra-medidas letais às lavagens ao cérebro feitas pelos soviéticos... Ou haverá uma outra razão, mais pessoal, para a sua presença? À medida que a investigação avança, aumenta o número de perguntas...”
Gótica, 2005

 

5 comentários

Comentar post