Domingo, 5 de Outubro de 2014

No Limiar da Eternidade - Ken Follett - Opinião

Virei a página 1020. Está concluída a leitura da trilogia “O Século”. Quatro anos depois do primeiro volume, e quase três mil páginas lidas, estou francamente feliz por o Sr. Follett ter escrito uma saga histórica do passado recente da Humanidade, de forma simples e acessível a todos. Talvez comercial seja palavra adequada, não sei. Que certamente é de arrepiar o cabelo aos eruditos críticos, não há grandes dúvidas. Mas que oferece o que de mais importante um livro pode ter para dar, horas de leitura interessante e empolgante, com o entusiasmo de chegar ao fim, e a tristeza de fechar a última página. Um livro escrito para os leitores.

Não vou descrever personagens ou acontecimentos. São tantas personagens. Históricas e de ficção, envolvidas de forma bem pensada para tornar mais próximos os factos históricos, mais reais, fazendo as personagens participar em momentos cruciais de mudança, alterando não só o percurso das suas vidas, mas também das vidas de todos.

“No Limiar da Eternidade” é sem dúvida o meu favorito dos três. Talvez por o passado mais recente aguçar o meu interesse de outra forma, por não ser tão frequentemente palco de livros de ficção histórica, por me lembrar, ainda que observadora infantil, de uma parte do que aconteceu.

Aprendi algumas coisas. Nunca sabendo muito bem se a captar a essência da verdade ou a verdade para o Sr. Follett. Quando se escreve sobre política é-se isento? Quer ser-se isento? Não sei. Cada um sabe no que acredita. A mim convenceu-me.

Aguardei por esta leitura com ansiedade e expectativa e não me senti defraudada, o que é excelente. Foi de encontro ao que desejava, o que não é pouco. Envolvi-me de forma intensa e viciante. Triste sempre que tinha de fechar o livro, e constantemente a pensar na próxima vez que poderia ler uma quantidade decente de páginas de seguida.

Há, quanto a mim, um elemento principal. Não poderei referir-me como personagem, mas é em seu redor que é alimentada uma parte significativa da trama. Ou pelo menos a parte que mais me envolveu. É o Muro. De Berlim. É construído na primeira parte e marca o final do livro. E marca profundamente as vidas que separou. Li o final acompanhada pelas memórias das imagens televisivas da queda do muro. Dos trechos mais emocionantes e reais que li, assim o senti, e uma ou duas lágrimas não mo permitiram esconder.

Nunca ou raramente choro. O livro deve ser bom.

Sinopse

“Enquanto as decisões tomadas nos corredores do poder ameaçam extremar os antagonismos e originar uma guerra nuclear, as cinco famílias de diferentes nacionalidades que têm estado no centro desta trilogia O Século voltam a entrecruzar-se numa inesquecível narrativa de paixões e conflitos durante a Guerra Fria.
Quando Rebecca Hoffmann, uma professora que vive na Alemanha de Leste, descobre que anda a ser seguida pela polícia secreta, conclui que toda a sua vida é uma mentira. O seu irmão mais novo, Walli, entretanto, anseia por conseguir transpor o Muro de Berlim e ir para Londres, uma cidade onde uma nova vaga de bandas musicais está a contagiar as novas gerações. Nos Estados Unidos, Georges Jakes, um jovem advogado da administração Kennedy, é um ativo defensor do movimento dos Direitos Civis, tal como a jovem por quem está apaixonado, Maria. Juntos partem de Washington num autocarro em direção ao Sul, numa arriscada viagem de protesto contra a discriminação racial. Na Rússia, a ativista Tania Dvornik escapa milagrosamente à prisão por distribuir um jornal ilegal. Enquanto estas arriscadas ações decorrem, o irmão, Dimka Dvornik, torna-se uma figura em ascensão no seio do Partido Comunista, no Kremlin.
Nesta saga empolgante que agora se conclui, Ken Follett conduz-nos, em No Limiar da Eternidade, através de um mundo que pensávamos conhecer, mas que agora nunca mais nos parecerá o mesmo.”

Presença, 2014

publicado por marcia às 20:12
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|
Domingo, 14 de Outubro de 2012

O Inverno do Mundo - Ken Follett - Opinião

Gosto tanto de Ken Follett e já escrevi sobre todos os livro que li dele. Escrevo sempre coisas boas, extremamente positivas pois é um dos meus autores favoritos. Os seus livros prendem-me de uma forma única, arrebatadora e envolvente. Mais uma vez, depois da leitura do segundo volume da trilogia “O Século” só posso falar bem.

Mas decidi não me alongar, não demasiado, que isto de se falar bem também se torna maçador. A verdade é que gosto de tudo, das personagens com as suas histórias envolventes e da forma como interagem e se relacionam, das histórias de amor, do romance, da intriga política, da pesquisa histórica e da forma como nos apresenta factos verídicos, com algumas personagens reais rodeadas de ficção. Sou fã, apesar de não gostar de ser fã de nada, mas é assim, uma espécie de paixão louca por ler mais e mais livros de Ken Follett e enamorar-me por todos.

Estou a escrever uma opinião lamechas? Talvez. Tendenciosa? Isso certamente. Mas não é sempre que um livro de mais de 800 páginas me sabe a pouco e me deixa na ansiedade de saber mais, de querer eu própria pressionar o Sr. Follet a “despachar” o terceiro volume antes que eu tenha um ataque de ansiedade!

Mas para que este texto não seja completamente despropositado vou falar um pouco sobre o livro. Imprescindível ter lido o primeiro volume “A Queda dos Gigantes” pois as personagens são as mesmas, ou melhor, as personagens vão dando espaço a outras, suas descendentes. Estava com algum receio de já não me lembrar de todo o intricado de histórias e enredos mas foi muito fácil recordar. Nas primeiras páginas temos (uma vez mais) uma espécie de descrição das personagens principais. Comecei por comparar os dois livros e fui logo relacionando nomes e recordando tudo o que se tinha passado. Entrei logo no ritmo da narrativa.

“O Inverno do Mundo” tem o peso de descrever a II Guerra Mundial, os acontecimentos na sua origem, o sofrimento e pânico vividos nos piores anos, e um mundo desfeito após o final e a descoberta de todos os crimes cometidos contra a humanidade.

Já li vários livros sobre esta época, por interesse pessoal e, principalmente por incompreensão, por não conseguir entender como é que o mundo permitiu tal barbárie, como pôde a condição humana ter tão pouco valor. Não me refiro exclusivamente às políticas de extermínio de Hitler, mas sim ao sofrimento geral da população durante o período da Guerra, a falta de bens de necessidade mais básicos, a ignorância do povo Alemão em relação ao que realmente acontecia a pessoas que nunca mais apareciam, as mortes inexplicáveis, a violência e o medo. Follett aposta em descrições muito bem conseguidas de terror psicológico, desenvolve de forma exímia o tema da espionagem e contra-espionagem, destaca-se de outros livros que já li sobre este período por não se focar exclusivamente na perseguição aos Judeus, mas aborda de forma facilmente percetível o estado do Mundo (sim, temos ação em vários países), até porque a humanidade só teve verdadeira consciência da dimensão do Holocausto no fim da guerra.

Resta-me esperar por mais. Ansiosamente. E, claro, recomendar esta trilogia, pelo menos os dois primeiros livros. Mas quase que aposto que o terceiro ainda vai ser melhor.

Sinopse

“Depois do extraordinário êxito de repercussão internacional alcançado pelo primeiro livro desta trilogia, A Queda dos Gigantes, retomamos a história no ponto onde a deixámos. A segunda geração das cinco famílias cujas vidas acompanhámos no primeiro volume assume pouco a pouco o protagonismo, a par de figuras históricas e no contexto das situações reais, desde a ascensão do Terceiro Reich, através da Guerra Civil de Espanha, durante a luta feroz entre os Aliados e as potências do Eixo, o Holocausto, o começo da era atómica inaugurada em Hiroxima e Nagasáqui, até ao início da Guerra Fria. Como no volume anterior, a totalidade do quadro é-nos oferecido como um vasto fresco que evolui a um ritmo de complexidade sempre crescente.”

Presença, 2012

publicado por marcia às 00:42
link do post | comentar | ver comentários (7) | favorito
|
Sábado, 18 de Agosto de 2012

Nome de Código Leoparda - Ken Follett - Opinião

Impossível cansar-me de Ken Follet! Já li vários livros dele (quase todos os editados cá) e consegue sempre surpreender. Sim, existe uma fórmula pela qual ele se rege, mas não cansa. Pelo menos a mim (ainda) não me cansou. Consegue sempre arrebatar-me a cada livro que leio. Este foi mais um exemplo de um livro que me “agarrou” por horas a fio, algumas vezes pela noite dentro.

Numa altura em que falta cerca de 1 mês para a edição do 2º livro da Trilogia “O Século”, “O Inverno do Mundo” tem previsão de edição para 18 de Setembro, decidi pegar num dos livros que tenho na estante há algum tempo, sempre uma reserva positiva, uma aposta de leitura ganha.

“Nome de Código Leoparda” não é exceção e proporcionou-me horas de adrenalina, suspense e muita mas mesmo muita vontade de ler sem parar. Talvez dos livros de Follett o que mais me tenha agradado dentro do género espionagem/conspiração da época da II Guerra Mundial, época muitas vezes palco dos seus romances.

Capítulos curtos, com a ação a intervalar entre diversos cenários que acontecem ao mesmo tempo, dou por mim a percorrer as páginas avidamente sempre com vontade de saber o que se vai passar nas “cenas” que foram ficando para trás. Sempre atenta a pormenores, dada a minha vontade de deslindar os mistérios e tentar antecipar desfechos.

Mulheres são as heroínas de uma missão secreta quase no final da Guerra, a poucas horas do “Dia D”. Uma corrida contra o tempo e, acima de tudo a vontade das forças da Resistência em acabar com o domínio alemão na Europa, dão origem a um plano perigoso levado a cabo pelo que se pode chamar de “refugo” de operacionais. Flick, uma espia inglesa anda há anos a fazer-se passar por francesa, arriscando diariamente a própria vida e a dos agentes que a acompanham, organiza o ataque a uma central telefónica alemã, posicionada estrategicamente em França. É então recrutado um grupo de mulheres que, fazendo-se passar por empregadas de limpeza, irão entrar no castelo de Sainte-Cécile onde se situa a central telefónica.

Com a guerra a durar há 5 anos, as baixas reduziram muito o nº de operacionais dos serviços secretos disponíveis para estas missões. A operação terá de ser levada a cabo apenas por mulheres de modo a não levantar suspeitas. Flick não tem alternativa senão, num prazo de horas encontrar 6 mulheres especializadas em diversos campos: alguém que domine técnicas de explosivos, uma Engenheira Eletrotécnica, e todas a saberem lidar com armas e identidades falsas, cair de para-quedas, e, acima de tudo, lidar com a pressão e o terror da constante perseguição da Gestapo, com a muito provável hipótese de serem capturadas e torturadas até à morte.

O recrutamento é feito com candidatas que já tinham sido recusadas pelos serviços secretos. É partindo destas bases de dados de fracassos que Flick vai treinar, em dois dias, as companheiras da missão mais importante e perigosa da sua vida.

A acrescentar que “Nome de Código Leoparda” é baseado em factos verídicos. A personagem de Flick foi construída a partir da história de Pearl Witherington membro do EOE (Executivo de Operações Especiais). Infelizmente a sua prestação e influência para o fim da Guerra nunca foi devidamente reconhecida por ser mulher, e não serem atribuídas condecorações a mulheres. Foi agraciada com o título de membro civil da Ordem do Império Britânico, que recusou com toda a dignidade alegando que a sua prestação não foi civil. Corajosa e determinada. Vale a pena conhecer a sua história através de alguma pesquisa. Como ponto de partida sugiro: http://en.wikipedia.org/wiki/Pearl_Witherington

Sempre com um enquadramento histórico consistente e facilmente percetível, acompanhado por um leque de personagens cativantes que seduzem o leitor e o levam a entrar nas suas vidas, dramas e paixões, Follett cria mais uma vez um romance magnífico que proporciona uma leitura entusiástica até à última página.

Não posso deixar de o recomendar sem qualquer reserva.

Sinopse

“Cinquenta mulheres foram enviadas para França como agentes secretas pelo executivo de operações especiais durante a Segunda Guerra Mundial. Trinta e seis sobreviveram à guerra. As outras catorze deram as suas vidas. 
Maio de 1944, duas semanas antes do Dia D: a Resistência francesa empreendeu um ataque falhado a um castelo que alberga uma central telefónica alemã, vital para os movimentos das suas tropas. Impõem-se medidas drásticas e Flick Clairet, uma jovem agente britânica, surge com um plano ousado: lançar-se de pára-quedas, em França, acompanhada por uma equipa exclusivamente feminina (Jackdaws) com o objectivo de disfarçarem-se de empregadas de limpeza francesas e... entrarem no castelo. 
Delirante ou não, o plano parece ser a única alternativa. O certo é que Rommel nomeou o implacável coronel Dieter Franck para esmagar a resistência francesa. E ele já tem o seu primeiro alvo: Flick Clairet…”

Casa das Letras, 2011

publicado por marcia às 01:35
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|
Quinta-feira, 22 de Setembro de 2011

O Vale dos Cinco Leões - Ken Follett - Opinião

 

Ken Follett levou-me mais uma vez por páginas de muitas aventuras e emoções, com muita adrenalina. Do que li até hoje do autor nunca saio desiludida, é brilhante no romance histórico mas com um talento especial para teorias da conspiração e histórias de espionagem. Aprecio muito os romances longos de vários volumes, mas sou uma fã dos livros isolados em que a acção se desenrola em 300/400 páginas, lidas de forma compulsiva e sedenta.

“O Vale dos Cinco Leões”é mais um romance cheio de mistérios e intriga. A acção decorre no Afeganistão na década de 80. Jane é um dos vértices de um triângulo amoroso, nos outros extremos estão Ellis e Jean-Pierre, que não só lutam pelo amor de Jane mas são também rivais em termos politico/ideológicos. Ellis é um agente da CIA e Jean-Piere espião do KGB. Jane deixa Ellis quando descobre qual a sua “profissão”, casa com Jean-Pierre sem fazer ideia dos seus segredos, para ela Jean-Pierre é médico.

No meio de todas estas mudanças, Jane acompanha o marido que parte para o Afeganistão, muda completamente a sua vida julgando que está a participar numa acção humanitária quando o papel de médico de Jean-Pierre é um disfarce para as suas actividades de espião. A trama adensa-se quando Ellis parte também para o Afeganistão, numa missão da CIA para combater o domínio Russo. Ellis nunca esqueceu Jane mas quando a revê ela está casada há um ano e tem uma filha.

A partir deste momento não pude parar de ler, entre os movimentos de espionagem e o reencontro de Elis e Jane não sei qual das situações me prendia e me aguçava mais a curiosidade. A determinada altura a vida dupla de Jean-Pierre é exposta a Jane, que se sente enganada pela segunda vez. A partir daqui tem início uma fuga complexa, se calhar um bocadinho exagerada recheada de pormenores impossíveis, mas como os heróis não existem na vida real, é bom viver com os livros estas situações de emoção ao limite.

Uma leitura que me proporcionou bons momentos de entretenimento, me divertiu, emocionou e por vezes me levou os nervos aos píncaros! Tenho em casa mais dois livros de Ken Follet para ler… ainda bem!

Sinopse

“Jane, uma inglesa corajosa e sensual, é apanhada num triângulo amoroso mortífero, entre os espiões rivais Ellis e Jean-Pierre. Amor, ódio e engano levam-nos de conspirações terroristas em Paris à guerra e aos guerrilheiros no Afeganistão.”

Bertrand, 2010

publicado por marcia às 20:47
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 17 de Julho de 2011

A Ameaça - Ken Follet - Opinião

 

Já o referi diversas vezes: Ken Follet não desilude!

É esta a sensação após a leitura de “A Ameaça”, um livro de muita emoção sobre o assalto a um laboratório e o roubo de um vírus mortal. Conspiração, terrorismo e muita acção, só deixam que o livro se feche na última página.

Apesar de preferir o trabalho do autor no registo do Romance Histórico, são inegáveis as suas capacidades de criar ambientes de suspense, argumentos inteligentes e personagens interessantes.

Dou por mim sem muitas palavras para acrescentar, dado já ter lido vários livros de Ken Follet e todos merecerem, quanto a mim rasgados elogios. Adoro e pronto! Quando pego num livro dele já sei que vou gostar e absorver informação sobre qualquer que seja o tema. Ler é conhecer, viajar e aprender!

Quero ler todos os livros dele, dos vários géneros, deixar-me levar pelas vidas e percursos de personagens sempre cativantes e cheias de características particulares.

“A Ameaça” não foi dos que gostei mais mas é, como seria de esperar, excelente. Não me vou alongar, quem quiser ler só tem a ganhar se pouco ou nada souber. Para se entusiasmarem deixo a sinopse, não demasiado reveladora (ainda bem!)

Sinopse

“Unanimemente considerado um dos mestres actuais do policial, Ken Follett tem a capacidade única de, a cada novo romance, reinventar o próprio thriller. Em A Ameaça, um poderoso agente antiviral desaparece misteriosamente das instalações da Oxenford Medical, uma empresa farmacêutica que está a desenvolver um antivírus para uma das mais perigosas variedades do Ébola. Quem o poderá ter roubado? E com que obscuras intenções? Toni Gallo, responsável pela segurança da empresa, está profundamente consciente da terrível ameaça que o seu desaparecimento pode significar. Mas o que Toni, Stanley Oxenford, o director da empresa, e a própria polícia vão encontrar pela frente é um pesadelo capaz de ultrapassar os seus piores receios… Traições, violência, heroísmo e paixão num thriller absolutamente brilhante.”

Presença, 2011

publicado por marcia às 00:13
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 5 de Junho de 2011

Um Mundo Sem Fim - Volume II - Ken Follett - Opinião

 

Na sequência da leitura do primeiro volume de “Um Mundo sem Fim” chego ao fim do segundo volume muito satisfeita com mais uma excelente criação de Ken Follet. No total dos dois volumes são mais de 1000 páginas de puro deleite literário, de um enredo que se adensa, muda de rumo, complica, simplifica e, acima de tudo, atrai e prende o leitor.

Continuamos a acompanhar a vida de Caris e Merthin. Apesar de haverem muitas mais (e interessantes) personagens, confesso-me rendida a este casal tão particular, tão à frente do seu tempo em pleno século XIV. A verdade é que toda a desenvoltura e particularidade se deve a Caris, personagem feminina bastante determinada, confiante no seu poder de mudar mentalidades e desafiar preconceitos. A vida de Caris é pautada por imensas dificuldades e entraves às suas ideias, claramente avançadas para a época. A título de exemplo vou citar a importância que ela dá à carreira em detrimento do casamento e dos filhos, continuamente adiados; interpreto esta personagem como uma abordagem precoce ao feminismo, numa época em que o papel da mulher na sociedade era perfeitamente secundário e mesmo inexistente no que tocava a decisões e/ou opiniões.

Caris é uma interessada pela medicina, mas obviamente só os homens têm hipótese de se dedicar aos estudos, e dentro destes apenas os pertencentes ao Clero. Numa época em que a Europa foi assolada pela Peste Negra as populações estão nas mãos dos membros com conhecimentos médicos que, sabemos hoje, são perfeitamente ridículos. Caris apela a outro género de abordagem como por exemplo segregar os pacientes para evitar contágio, manter o espaço asseado e suprimir algumas técnicas utilizadas que apenas funcionavam para fragilizar ainda mais os doentes. Sempre encarada com desconfiança, numa época em que tudo o que fosse diferente era de imediato considerado bruxaria, Caris consegue de facto impor algumas mudanças e salvar vidas. Uma fase em que sem dúvida a humanidade fez alguns avanços médicos, pautados pela necessidade de sobreviver. São aprofundados novos conhecimentos sobre doenças e formas de tratamento, bem como novos métodos de receber doentes; penso que possa haver um pequeno mote do que poderá vir a tornar-se a intervenção da iniciativa privada na saúde – dado os apoios que os comerciantes de Kingsbridge dão à construção de um novo Hospital.

Um livro do qual poderia falar horas dada a imensidão de temas que aborda e a profundidade a que explora as vidas das personagens, continuamente entrelaçadas no tempo e no espaço. De qualquer modo, e porque me é cada vez mais difícil encontrar adjectivos novos para os livros de Ken Follett que me agradam sempre tanto, vou apenas recomendar que leiam mais este livro brilhante.

Sinopse

“À semelhança de Os Pilares da Terra Ken Follett volta ao registo do romance histórico, numa obra dividida em duas partes graças às quase mil páginas que a compõem. A Presença publica agora o primeiro volume de Um Mundo Sem Fim, que se prevê repetir o sucesso de Os Pilares da Terra. O autor sentiu-se bastante motivado a escrever este novo livro já que desde Os Pilares da Terra, publicado em 1989, os leitores de todo o mundo clamavam insistentemente por uma sequela. Finalmente Follett inspirado e com coragem e determinação, sem esquecer uma enorme dedicação, lançou-se na escrita de Um Mundo Sem Fim, a continuação de Os Pilares da Terra, onde recorre a elementos comuns do primeiro livro e dá vida a descendentes de algumas personagens. Recuperando a mesma cidade Kingsbridge, o cenário é ambientado dois séculos mais tarde onde nos transporta até 1327. Aí iremos ao encontro de quatro crianças que presenciam a morte de dois homens por um cavaleiro. Três delas fogem com medo, ao passo que uma se mantém no local e ajuda o cavaleiro ferido a recompor-se e a esconder uma carta que contém informação secreta que não pode ser revelada enquanto ele for vivo. Estas crianças quando chegam à idade adulta viverão sempre na sombra daquelas mortes inexplicáveis que presenciaram naquele dia fatídico. Uma obra de fôlego com a marca assinalável e absolutamente incontornável de Ken Follett.”

Presença, 2011

publicado por marcia às 22:36
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 29 de Maio de 2011

Um Mundo Sem Fim - Volume I - Ken Follett - Opinião

 

Depois do fabuloso “Os Pilares da Terra”, voltei a Kingsbridge graças a “Um Mundo sem Fim”. Ken Follett não desilude e este é, quanto a mim, mais um livro brilhante! Confesso que iniciei esta leitura com alguma hesitação, dado que li algumas opiniões de leitores que o consideram bastante inferior ao “Pilares da Terra”. Quanto a mim é uma sequência na mesma linha, uma narrativa empolgante, personagens interessantes, muita acção, plena de reviravoltas.

As mais de 500 páginas não assustam e percorrem-se de forma ávida, sempre com vontade de conhecer o desfecho. 200 anos depois as personagens são outras mas o palco é o mesmo, tratam-se dos descendentes de Tom, de Jack e de Aliena. No entanto achei que é perfeitamente possível ler e compreender “Um Mundo sem Fim” sem ter lido “Os Pilares da Terra”.

Follet continua a oferecer ao leitor um rol de personagens únicas e envolventes, neste ponto, em que ainda me falta ler o segundo volume, estou completamente rendida a Caris, uma mulher à frente no seu tempo, empreendedora e com vontade de ser diferente. Interessada pelos negócios e com vocação para a medicina, vê-se completamente ostracizada num mundo de homens; e porque tudo o que é diferente causa estranheza (seja em que época for), a acusação de bruxaria é sempre apropriada para satisfazer a necessidade de o clero se ver livre de alguém, nomeadamente alguém que, pelas suas ideias inovadoras, poderá colocar em causa a ignorância generalizada do povo.

Caris ama Merthin e é correspondida. Vivem uma história de amor sinuosa devido ao temperamento desta mulher brilhante que não quer viver apenas por viver, que tem necessidade de esmiuçar e compreender o mundo que a rodeia. Caris é um raio de luz numa época de trevas tão bem descrita pelo autor.

Outras personagens há, demasiadas para referir, desde fora-da-lei a cavaleiros, trabalhadores, feirantes, monges, freiras, bispos, pobres, ricos. Todos contribuem para tornar este livro de um realismo tal que me senti lá, no meio das discussões sobre as obras a desenvolver em igrejas e pontes, nos negócios da Feira do Velo, motor da economia de Kingsbridge, a estudar as alternativas quando algo corria mal (e corre tanta coisa mal).

Continuo a sentir que Follett fez uma acentuada pesquisa sobre técnicas de construção da época, já o sabia desde “Os Pilares da Terra”, um livro escrito devido à sua paixão por igrejas e catedrais. Follett descreve com uma precisão que eu não tenho conhecimentos para avaliar, mas que acredito ser verdadeira, a forma como eram feitos os estudos e cálculos de arquitectura; ficamos a conhecer alternativas numa época em que não era utilizado papel, tudo chega até nós pela mão de Merthin, descendente de Jack de quem herdou o talento para criar, construir e inovar.

Sei que Ken Follet pretende voltar a Kingsbridge, e prevê que tal aconteça em 2014, altura em que espera ter concluído a Trilogia “O Século”. Quanto a mim parece-me uma excelente ideia; para já vou dedicar-me ao II Volume de “Um Mundo sem Fim”, do qual não posso esperar nada menos do que aquilo a que ao autor já me habituou.

Sinopse

“À semelhança de Os Pilares da Terra Ken Follett volta ao registo do romance histórico, numa obra dividida em duas partes graças às quase mil páginas que a compõem. A Presença publica agora o primeiro volume de Um Mundo Sem Fim, que se prevê repetir o sucesso de Os Pilares da Terra. O autor sentiu-se bastante motivado a escrever este novo livro já que desde Os Pilares da Terra, publicado em 1989, os leitores de todo o mundo clamavam insistentemente por uma sequela. Finalmente Follett inspirado e com coragem e determinação, sem esquecer uma enorme dedicação, lançou-se na escrita de Um Mundo Sem Fim, a continuação de Os Pilares da Terra, onde recorre a elementos comuns do primeiro livro e dá vida a descendentes de algumas personagens. Recuperando a mesma cidade Kingsbridge, o cenário é ambientado dois séculos mais tarde onde nos transporta até 1327. Aí iremos ao encontro de quatro crianças que presenciam a morte de dois homens por um cavaleiro. Três delas fogem com medo, ao passo que uma se mantém no local e ajuda o cavaleiro ferido a recompor-se e a esconder uma carta que contém informação secreta que não pode ser revelada enquanto ele for vivo. Estas crianças quando chegam à idade adulta viverão sempre na sombra daquelas mortes inexplicáveis que presenciaram naquele dia fatídico. Uma obra de fôlego com a marca assinalável e absolutamente incontornável de Ken Follett.”

Presença, 2011

publicado por marcia às 21:04
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 25 de Abril de 2011

Noite Sobre as Águas - Ken Follett - Opinião

 

Este livro foi um presente inesperado, desde que saiu que o queria ler, foi uma deliciosa surpresa. A grande ansiedade e curiosidade, aliadas ao fim-de-semana prolongado, fizeram com que dois dias fossem suficientes para percorrer as mais de quinhentas páginas.

Não me canso de destacar os talentos de Ken Follett como escritor, de facto cada livro dele é uma viagem fantástica em que me entusiasmo, emociono, sofro, conspiro, imagino e, acima de tudo, me deixo levar sem querer saber se é hora de comer, de dormir, de sair… Follett leva-me sempre para dentro dos seus livros, faz-me desejar nunca chegar ao fim…quando chego e fecho a última página desejo sempre começar um outro livro dele.

“Noite Sobre as Águas” é literalmente uma viagem; uma viagem num Hidroavião da já extinta Pan American, a maior Companhia Aérea do mundo na sua época.

Temos o habitual enquadramento histórico, neste caso a acção decorre em 1939 após a declaração do início da Guerra. O início do livro é marcado pelas descrições das personagens, ficamos a conhecer os seus antecedentes, traços de personalidade e, claro as razões que as farão embarcar a bordo do Clipper, o luxuoso Hidroavião da Pan American, numa viagem de cerca de 30 horas, de Southampton a Nova Iorque.

Aprendi imenso sobre Hidroaviões e sobre a sua época de ouro. Gosto muito quando um livro me permite adquirir conhecimentos, quando descubro realidades que nem sabia terem existido. Follett descreve de forma apaixonada e até romântica o que era viajar abordo do Clipper. Numa época em que viajar de avião era um privilégio apenas ao alcance de alguns, são muitas as diferenças para os conceitos de hoje em dia: poucos passageiros por viagem de modo a poderem usufruir de espaço, compartimentos separados e salas de refeição, comida confeccionada a bordo, jantares de vários pratos com boas porcelanas, copos de cristal e talheres de prata, são apenas alguns apontamentos dos muitos pormenores de luxo a descobrir.

O suspense começa desde o primeiro capítulo, quando o Engenheiro do Voo é contactado por telefone por uma organização criminosa que lhe raptou a mulher, e exige a sua colaboração numa operação a bordo. As instruções ser-lhe-ão dadas a seu tempo. A partir daqui cabe ao leitor seguir as pistas e tentar perceber o que se passa. Passei a tomar atenção em todos os pormenores e a tentar unir possíveis pontas soltas.

Quando é chegado o momento da descolagem já estamos perfeitamente a par das histórias de vida da maioria dos passageiros, dos seus dramas familiares, amores desencontrados e demais motivos para partir rumo à América. Follett explora muito bem a dimensão humana de modo deixar o leitor cada vez mais envolvido e interessado no desfecho.

A proximidade do final do livro aumenta a intensidade da acção e, consequentemente, da leitura. Dei por mim literalmente a devorar páginas, com pressa de verificar se as minhas suspeitas se concretizariam. A verdade é que o final acabou por me surpreender… Follett levou-me numa direcção e depois… surpreendeu-me de forma brilhante.

Que posso dizer mais? Adorei!

Sinopse

“Em 1939, com a guerra a acabar de ser declarada, um grupo de pessoas privilegiadas embarca no mais luxuoso avião de sempre, o Pan American Clipper, com destino a Nova Iorque: um aristocrata britânico, um cientista alemão, um assassino e a sua escolta, uma jovem em fuga do marido e um ladrão encantador, mas sem escrúpulos. Durante trinta horas, não há escapatória possível desse palácio voador. Sobre o Atlântico, a tensão vai crescendo até finalmente explodir num clímax dramático e perigoso.”

Bertrand, 2011

publicado por marcia às 22:46
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 20 de Março de 2011

A Queda dos Gigantes - Ken Follett - Opinião

 

Não há nada melhor do que pegar num livro e saber que vai ser bom, que nos vai dar horas e horas de prazer, que vamos ler cada página a desejar nunca chegar ao fim. Ken Follett não desilude e “A Queda dos Gigantes” só tem um defeito: saber que é uma trilogia cujos livros seguintes ainda não estão editados… ter de esperar… bom, ainda bem que agora não faltam livros deste autor nas livrarias, sinceramente espero poder ler vários ainda este ano.

Este primeiro livro da trilogia “O Século” recordou-me do que é ler com gosto e prazer. Um romance bem escrito, envolvente, com um leque de personagens de ficção que convivem com personagens históricas sobejamente conhecidas. A acção decorre entre os anos 1911 e 1925, e tem como palco a I Guerra Mundial, assim como o período que a antecede bem como os anos do pós-guerra. Entramos na vida de várias famílias de realidades bem diferentes, e de diversos pontos do globo: Alemanha, Áustria, França, País de Gales, Inglaterra, Escócia, EUA, Rússia. Admito o meu conhecimento superficial em relação a esta época histórica, como tal esta leitura, além de empolgante, foi de extrema utilidade na aquisição de conhecimento. Não serei a pessoa ideal para avaliar a coerência e fiabilidade da informação exposta, mas acredito no rigor da investigação do autor.

Não me vou perder a falar de nenhuma personagem em particular. São tantas que a princípio tive de me socorrer diversas vezes do elenco descrito nas páginas iniciais; mas uma vez entrando no ritmo deixou de ser necessária esta consulta… já vivia e dormia a vidas destas personagens! Adorei seguir o percurso de cada um, analisar de que forma as mudanças sociais e os factores históricos influenciam rumos, tentei adivinhar se alguns se iriam voltar a ver no futuro e quais seriam as cicatrizes que a guerra iria deixar em cada um. Emocionei-me com as histórias de amor, revoltei-me com as injustiças e vibrei com as vitórias.

Fica a certeza de que tudo é cíclico, que quem está bem pode passar à situação inversa por um pequeno acaso do destino. Uma guerra muda tudo, separa os que se amam, faz as crianças crescerem depressa, atormenta quem está longe e sem notícias. Mas a consequente conclusão é a da inutilidade de tantas vidas perdidas num conflito que por tantas vezes perdeu qualquer lógica, se é que alguma vez a chegou a ter.

Ken Follett é, mais uma vez, brilhante!

Sinopse

“Em A Queda dos Gigantes, o primeiro volume da trilogia "O Século", as vidas de 5 famílias - americana, alemã, russa, inglesa e escocesa - cruzam-se durante o período tumultuoso da Primeira Grande Guerra, da Revolução Russa e do Movimento Sufragista.
Neste primeiro volume, que começa em 1911 e termina em 1925, travamos conhecimento com as cinco famílias que nas suas sucessivas gerações virão a ser as grandes protagonistas desta trilogia. Os membros destas famílias não esgotam porém a vasta galeria de personagens, incluindo mesmo figuras reais como Winston Churchill, Lenine e Trotsky, o general Joffreou ou Artur Zimmermann, e irão entretecer uma complexidade de relações entre paixões contrariadas, rivalidades e intrigas, jogos de poder, traições, no agitado quadro da Primeira Grande Guerra, da Revolução Russa e do movimento sufragista feminino.
Um extraordinário fresco, excepcional no rigor da investigação e brilhante na reconstrução dos tempos e das mentalidades da época.”

Editorial Presença, 2010

publicado por marcia às 23:02
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Domingo, 3 de Outubro de 2010

Os Pilares da Terra Volume II - Ken Follett - Opinião

 

Após a conclusão da leitura do Volume I de ”Os Pilares da Terra”, iniciei de imediato a leitura do Volume II de tal forma estava envolvida e maravilhada com esta história.

Uma vez terminada esta leitura apenas posso dizer que se trata de um romance fascinante que me encheu completamente as medidas. Fiquei presa até ao final, até aos últimos desenvolvimentos deste épico, sempre com o desejo de que fosse feita justiça em relação a todos os acontecimentos e personagens.

A minha opinião mantém-se idêntica à que escrevi para o Volume I, trata-se de um romance arrebatador que me prendeu, consumiu e maravilhou. Nesta “2ª parte” a leitura ganha um novo alento graças ao par Jack e Aliena, uma história de amor sofrida e linda capaz de arrancar suspiros de paixão e dor. Jack é uma personagem absolutamente fascinante, um homem à frente do seu tempo, inteligente, curioso e com uma necessidade constante de saber e aprender – a busca do conhecimento pelo conhecimento. Apaixonado por Aliena desde menino, acredita no amor e na realização que as coisas simples podem trazer.

Não posso deixar mais uma vez de referir a grande capacidade de Ken Follett como contador de histórias, estou rendida à forma como um livro sobre a construção de uma catedral no Século XII pode conter tantos percursos de vida, tantas voltas e reviravoltas e ser tão apaixonante.

Nesta altura estou muito curiosa para ver a série “The Pillars of the Earth”, e tenho de confessar a enorme vontade de ler “Um Mundo sem Fim”, romance do mesmo autor que promete uma nova viagem a Kingsbridge.

Sinopse

“Do mesmo autor do thriller "A Ameaça", chega-nos um arrebatador romance histórico que se revelou ser uma obra-prima aclamada pela comunidade de leitores de vários países que num verdadeiro fenómeno de passa-palavra a catapultaram para a ribalta. Originalmente publicado em 1989, veio para o nosso país em 1995, publicado por outra editora portuguesa, recuperando-o agora a Presença para dar continuidade às obras de Ken Follett. O seu estilo inconfundível de mestre do suspense denota-se no desenrolar desta história épica, tecida por intrigas, aventura e luta política. A trama centra-se no século XII, em Inglaterra, onde um pedreiro persegue o sonho de edificar uma catedral gótica, digna de tocar os céus. Em redor desta ambição soberba, o leitor vai acompanhando um quadro composto por várias personagens, colorido e rico em acção e descrição de um período da Idade Média a que não faltou emotividade, poder, vingança e traição. Conheça o trabalho de um autêntico mestre da palavra naquela que é considerada a sua obra de eleição. “

Editorial Presença, 2009 

publicado por marcia às 22:45
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.a ler


.a ler também


.Março 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
20
21
23
24
25
27
28
29
30
31

.posts recentes

. No Limiar da Eternidade -...

. O Inverno do Mundo - Ken ...

. Nome de Código Leoparda -...

. O Vale dos Cinco Leões - ...

. A Ameaça - Ken Follet - O...

. Um Mundo Sem Fim - Volume...

. Um Mundo Sem Fim - Volume...

. Noite Sobre as Águas - Ke...

. A Queda dos Gigantes - Ke...

. Os Pilares da Terra Volum...

.últ. comentários

Correu bem, Isaura, Obrigada!Foi um excelente expe...
Boa!!Muito sucesso e sorte.Espero que corra bem.Be...
A mim também tenta!
Sim, é verdade. Isso também me agrada bastante!
Este quero! Também tenho um especial fascínio pela...
A guerra dos Balcãs impressiona-me muito, por isso...
Estou a ver que gostaste!
Ah, este já li!Esta nova editora promete.Paula
Sim, tem óptimas referências e sim, a capa é magní...
Tenho ouvido falar muito (e bem) deste livro. Que ...

.tags

. todas as tags

.arquivos

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Setembro 2007

.gosto

blogs SAPO

.subscrever feeds