Domingo, 6 de Março de 2016

Rio do Esquecimento - Isabel Rio Novo - Opinião

Rio do Esquecimento.jpg

Há livros que não têm nada a ver connosco. Pode ser por não nos identificarmos com a escrita, por não nos sentirmos bem nos ambientes criados, ou até mesmo pela história, demasiado trágica, demasiado cómica, demasiado longe de nós.

Acontece-me. Como a todos os leitores. São livros que deixo de lado. Desinteresso-me e, sem qualquer culpa, passo a outro.

Isso não aconteceu com o Rio do Esquecimento. Apesar de ter estranhado o início. Sim, li o primeiro parágrafo e temi por o achar tão longo. Li outra vez, só para ver se tinha fôlego. Fechei o livro e pensei no que me estava a meter. Mas na verdade eu acho que soube logo que me estava a meter num livro que me ia levar, com todas as letras, direitinha para o Porto do século XIX. E fui. Primeiro a medo, porque as frases nunca mais acabavam. Longas, descritivas, com palavras difíceis e desconhecidas (para mim, entenda-se). Depois, movida pelo desafio. E por fim, sendo que por fim significa logo na segunda página, por uma clara vontade de continuar.

E foi com essa vontade de prosseguir que o li todo.

Fui movida por algo mágico, a que talvez possa chamar ritmo, porque me deu uma sensação constante de cadência, como os passos de uma dança que só se quer aperfeiçoar. E aperfeiçoou. O Rio do Esquecimento fez-me uma leitora melhor, só os bons livros melhoram quem os lê. E só os livros mesmo muito bons nos levam até à última página pela mão, explicando e demonstrando que não interessa se a escrita não é a que estamos acostumados ou a que habitualmente procuramos, se histórias de amor desencontradas e complicadas não são para a nossa paciência, ou se o detalhe das descrições se pode tornar exaustivo. Tudo isso é insignificante e desaparece quando quem escreve tem a inteligência e o dom de o transformar no simples, mas enorme, prazer de ler.

Por isso vos aconselho a leitura deste romance denso, que é bem capaz de vos elevar o nível de vocabulário, já para não falar na forma com ensina a ler com calma, apreciando, verdadeiramente, o seu conteúdo.

O texto já vai longo, mas não posso deixar-vos a pensar que este livro é, todo ele, histórias de amor romântico e sofrido que me convenceu tão somente pela magia das palavras. Não. Há um traço fundamental e constante que me agarrou (também) às páginas, este já tendo muito a ver com as minhas preferências. A maldade. Sim, a maldade ganha pela forma como é dada a quem lê. De origens perfeitamente sustentadas, a maldade tem um nome, e como tantas vezes sucede basta uma só pessoa para envenenar quem está em redor, manipulando e atirando com tudo numa espiral de traição, crime e morte.

Agradavelmente soturno, pesado, mas sem nunca verdadeiramente resvalar para o negro, o Rio do Esquecimento equilibra o bem e o mal em doses ponderadas. A balança é muito real e o resultado vem no fim. Excepto, claro, se forem como eu e lerem o fim antes do tempo…

Sinopse

“Inverno de 1864. Sentindo a morte a aproximar-se, Miguel Augusto regressa do Brasil, onde enriqueceu, e instala-se no velho burgo nortenho, no palacete conhecido como Casa das Camélias, com a intenção de perfilhar Teresa Baldaia e torná-la sua herdeira. No mesmo ano, Nicolau Sommersen pensa em fazer um bom casamento, não só para recuperar o património familiar que o tempo foi esfarelando, mas sobretudo para fugir à paixão que sente por Maria Adelaide Clarange, senhora casada e mãe de três filhos. Maria Ema Antunes, prima de Nicolau e governanta da Casa das Camélias, hábil e amargurada com a sua vida, urdirá entre todos uma teia de crimes, segredos e vinganças.
Subvertendo as estratégias da narrativa histórica, com saltos cronológicos que deixam o leitor em suspenso mesmo até ao final, Rio do Esquecimento descreve com saboroso detalhe a sociedade portuense de Oitocentos e assinala o regresso à ficção portuguesa de uma escrita elegante que consegue tornar transparente a sua insuspeitada espessura.”

Romance Finalista do Prémio Leya

D. Quixote, 2016

publicado por marcia às 20:05
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 1 de Fevereiro de 2016

D. Quixote - O Rio do Esquecimento, de Isabel Rio Novo

Rio do Esquecimento.jpg

Inverno de 1864. Sentindo a morte a aproximar-se, Miguel Augusto regressa do Brasil, onde enriqueceu, e instala-se no velho burgo nortenho, no palacete conhecido como Casa das Camélias, com a intenção de perfilhar Teresa Baldaia e torná-la sua herdeira. No mesmo ano, Nicolau Sommersen pensa em fazer um bom casamento, não só para recuperar o património familiar que foi esfarelando, mas sobretudo para fugir à paixão que sente por Maria Adelaide Clarange, senhora casada e mãe de três filhos. Maria Ema Antunes, prima de Nicolau e governanta da Casa das Camélias, hábil e amargurada com a vida, urdirá entre todos uma teia de crimes, segredos e vinganças.

Subvertendo as estratégias da narrativa histórica, com saltos cronológicos que deixam o leitor em suspenso mesmo até ao final, Rio do Esquecimento descreve com saboroso detalhe a sociedade portuense de Oitocentos e assinala o regresso à ficção portuguesa de uma escrita elegante que consegue tornar transparente a sua insuspeitada espessura.

Romance finalista do Prémio Leya

Nas livrarias a 16 de Fevereiro

publicado por marcia às 22:31
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.a ler


.a ler também


.Junho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
12
13
14
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Rio do Esquecimento - Isa...

. D. Quixote - O Rio do Esq...

.últ. comentários

Olá Márcia!Este é um dos grandes clássicos e escri...
Olá Márcia,Tenho este empréstimo cá em casa para l...
Penso que merece uma segunda oportunidade!
Obrigada, Ana!Estaremos à tua espera.
Avança! Emoções não faltarão!
Quando comecei a lê-lo no ano passado, senti que n...
"Chamava-se Sara" é um livro extraordiná...
Merece sim!
É um candidato a uma releitura, pois sei que merec...
Também li há bastantes anos "Chamava-se Sara" e ad...

.tags

. todas as tags

.arquivos

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Setembro 2007

.gosto

blogs SAPO

.subscrever feeds