Domingo, 20 de Maio de 2012

A Mulher-Casa - Tânia Ganho - Opinião

 

Uma semana após a conclusão da leitura deste livro começo a escrever as primeiras linhas sobre ele, na esperança de conseguir fazer justiça ao talento e criatividade da autora.

Este é, quanto a mim, um salto qualitativo enorme desde o romance anterior de Tânia Ganho, “A Lucidez do Amor”, quer a nível de estrutura, construção, descrições, riqueza de vocabulário, e principalmente da forma como me permitiu a visualização de todos os pormenores, os criados pela autora e aqueles que fui criando também através desta escrita sedutora e rica.

Tânia colocou muito de si neste livro e isso nota-se, nota-se quando um livro é escrito com empenho e dedicação, quando um escritor o vive, come, dorme, acorda ao ritmo da história que vai criando. O resultado é este, um livro onde se deteta facilmente a classe de Tânia, o seu conhecimento cultural profundo e pouco comum em pessoas da sua geração no nosso país e, acima de tudo, a influência das viagens na sua vida e a vontade de conhecer e saber sempre mais.

Eu conheço a Tânia, confesso. Esperava este livro já há muito tempo e acho que o facto de agora a conhecer me dificulta a escrita deste simples texto, pois não quero influenciar-me pela pessoa que fui conhecendo. Ao mesmo tempo sei que a pessoa que ela é explica muito deste livro. Então estou dividida; por um lado preocupada em revelar demasiado sobre a autora, por outro temo só falar bem de um livro em que não encontrei defeitos. Mas o que é certo é que não encontrei.

Num mundo literário perfeito, se existisse, acho que este livro mudaria completamente a vida da autora e a forma como os leitores encaram a chamada “Literatura Feminina”. Eu detesto rótulos e nem sei bem o que isso é, mas parece-me que é vista como livros escritos por mulheres para serem lidos por mulheres, enfim, para as tontinhas das mulheres passarem uns bons momentos, chorarem um bocadito com histórias de amor rebuscadas, e deliciarem-se com o final esperado e feliz.

“A Mulher-Casa” não é nada disto. Mata este conceito e ainda bem. No nosso mundo literário podia ter sido escrito por um homem. Triste pensamento, não? Mas foi escrito por uma mulher. Uma mulher que escreve sobre sexo e o descreve com a crueza que ele tem na nossa vida, com detalhes e pormenores, que escreve sobre os sentimentos sem receios, que revela as dúvidas, os medos, os anseios de Mara, a personagem que tanto me encantou como me suscitou ódio. A Tânia o mérito de não me deixar indiferente, e de ter escrito um livro que me marcou e vai ficar em mim ainda por muito tempo. Isso é o mais importante pois, de todos os livros que são lidos, sabemos que uma pequena parte permanece e fica em nós. E ainda bem, caso contrário seria muito duro conviver com tantas vidas e tantas personagens na cabeça.

Mara vai ficar comigo ainda algum tempo, eu acho. Principalmente porque não a quero deixar ir, não já; ainda quero andar uns tempos a irritar-me com a forma tonta como ela encara a vida, uma princesinha a quem não falta nada mas se queixa de tudo. Por outro lado quero fomentar também a solidariedade pela sua vida solitária de mãe que passa o dia inteiro com um filho pequeno, colocando a sua carreira de lado enquanto o marido, Thomas, investe numa carreira política de sucesso. Mas quando Mara se envolve com um cozinheiro? Sendo uma mãe de família? Como posso não a odiar?

Conflito, conflito, conflito. Sempre o conflito a cada página que avançava. Li devagar. Coisa pouco comum em mim, mas apeteceu-me “ver” este livro com calma, senti que não se lê como um filme mas antes se observa como um álbum de fotos, ou como uma exposição de pintura num museu, tela a tela.

Mara é dúvida. Ela própria não sabe que rumo tomar, o que quer da vida. Analisa o mundo a partir do seu pedestal e é curioso como uma visão assim pode ser facilmente deturpada, é como se vivesse numa gaiola de ouro, não está presa mas não quer sair, que fugir mas não quer decidir. Quer ser independente mas não arrisca, vive uma vida de medos, desejando que as decisões surjam não se sabe de onde, é fatalista mas fantasiosa, vive à espera.

Os pormenores do seu casamento chegam-nos através da sua visão. Pensei muitas vezes se a sua visão seria real, se a forma como criticava o marido não seria fruto de ela própria ter colocado a sua atividade como criativa de chapéus de parte, quando se mudaram para Paris. Thomas tudo faz pelo seu trabalho, mas será isso tão errado e justificará todas as dúvidas que assolam a mente de Mara? Atualmente é normal ter empregos exigentes e lutar para os manter, mas Mara prefere fantasiar sobre as horas que Thomas passa fora de casa, talvez como desculpa para se entregar nos braços de Matthéo, naquilo que ela acha que pode ser uma opção de felicidade.

Receio estar a ser demasiado injusta com Mara, mas são de facto muito contraditórias as sensações que me suscita. Tudo tem uma razão de ser e, claro, Mara tem motivos para ser assim. Mas essa é a descoberta da leitura deste livro, conhecer a decisão final de uma mulher que evolui e cresce nas páginas deste livro.

Não há literatura feminina ou masculina. Há boa literatura, há bons livros e bons autores. “A Mulher-Casa” demonstra isso mesmo.

Altamente recomendado!

Sinopse

“Ela é uma modista de chapéus pouco conhecida; ele, um ghostwriter de políticos menores e personalidades duvidosas. Quando trocam a pacata Aix-en-Provence pela imponente Paris, levam consigo toda uma bagagem de sonhos e promessas de glamour. Porém, o crescente sucesso profissional do marido depressa reduz Mara ao papel de mãe e dona de casa, arrastando-a para um abismo de solidão e desencanto.

É então que se envolve com Matthéo, um jovem chef mais novo do que ela, e de súbito se vê enredada numa espiral de sentimentos contraditórios onde a lealdade, a luxúria e o dever encerram as agonizantes perguntas: poderá uma adúltera ser uma boa mãe? Poderá ela esperar que este amor proibido a salve de si mesma e da sua falta de fé?”

Porto Editora, 2012

publicado por marcia às 23:42
link do post | comentar | favorito
|
4 comentários:
De numadeletra a 21 de Maio de 2012 às 09:46
Belo artigo, Márcia!
De marcia a 22 de Maio de 2012 às 01:41
Muito obrigada!
De Clarinda a 21 de Maio de 2012 às 16:19
Fiquei deveras curiosa com este livro. Já tinha olhado para ele diversas vezes, na próxima irei comprar. Parabéns pela opinião!

Clarinda
De marcia a 22 de Maio de 2012 às 01:42
Obrigada Clarinda, é uma excelente compra! Boas leituras!

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.a ler


.a ler também


.Agosto 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Todos os Fogos o Fogo - J...

. O Motorista de Autocarro ...

. Lançamento do livro "Os D...

. O Homem Domesticado - Nun...

. Eu Confesso - Jaume Cabré...

. Leitura Conjunta - A Músi...

. Porto Editora - A Arte de...

. A Última Rodada - Rui Mig...

. Granta Portugal 9 - Comer...

. A Oeste Nada de Novo - Er...

.últ. comentários

Sim, também eu, a tudo o que escreveste, Paula. Ex...
Tantas palavras que gosto de associar aos contos: ...
Um livro que torna certas as alturas erradas...
É merecedor de atenção, Isaura.
Obrigada pelo comentário, Carlos, depois gostaria ...
Obrigada, Isaura. Escrevo-te uma dedicatória com t...
Olá Márcia,Como já sabes não pude ir à apresentaçã...
Já tinha visto este livro, mas não lhe dei a devid...
Vou ter mesmo que ler...mas acho que não para já.....
Já o comprei, está na lista das obras para ler em ...

.tags

. todas as tags

.arquivos

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Setembro 2007

.gosto

blogs SAPO

.subscrever feeds