Segunda-feira, 19 de Setembro de 2011

Cartas Vermelhas - Ana Cristina Silva - Opinião

 

Quando tive conhecimento da edição deste livro soube logo que o queria ler. Por um lado já tinha lido boas opiniões sobre “Crónica do Rei-Poeta Al-Um Tamid” e queria conhecer o trabalho da autora, por outro lado o tema deste “Cartas Vermelhas” chamou logo a minha atenção.

“A história de uma militante comunista que se apaixona por um inspector da PIDE”. Uma frase que espicaçou a minha curiosidade mas que representa apenas uma parte deste livro, a história de Carol, uma mulher de convicções fortes e muito determinada, é muito mais do que isso.

Conhecemos Carol desde a infância em Cabo Verde, acompanhamos as suas primeiras observações do mundo, aquelas que acabam por estar na base daquilo em que acredita e que a virão a moldar como indivíduo. “Desde que se conhecia como pessoa, Carol sempre sofrera com as misérias da condição humana” (pág.25). O seu temperamento e as suas crenças, a sua mudança para Lisboa e as pessoas com que se relaciona, acabam por ser marcantes na construção dos seus ideais sociais e políticos.

Fervorosa e determinada, Carol coloca paixão e fé em todos os seus actos. Entrega-se com toda a sua alma à causa comunista e acredita, durante toda a sua vida (mesmo nos momentos em que é traída e forçada a abandonar a própria filha num país estrangeiro), que todos os esforços são por um futuro melhor para todos. Luta por esses ideais de forma ardente mas é também impulsiva e inconsequente, tanto no seu percurso político como na sua vida pessoal. Uma mulher que tem perfeita noção do seu poder e da atracção que suscita nos homens, joga muitas vezes com a beleza a seu favor e a favor da causa. Viajou por todo a Europa, conheceu a clandestinidade e a prisão, foi espia, foi mãe, amou intensamente, foi amada, foi incompreendida, foi traída, foi posta de parte, causou dor e preocupação à família. Viveu intensamente e pagou caro o abandono da filha, Helena aos 4 anos.

Sofreu uma vida inteira sem saber se a filha estava viva, martirizando-se com a culpa e com os muitos dedos acusatórios. Por fim, após anos de procura localiza Helena. Mas como poderá uma filha receber uma mãe que não vê desde os 4 anos, que não participou do seu crescimento, que no fundo é uma estranha? Carol procura agora esse caminho para o coração de Helena, põe a sua história nas mãos da filha, já com 27 anos, e espera por redenção.

Gostei muito de ler. Escrito de forma simples mas muito envolvente, Ana Cristina Silva mantém o leitor interessado de uma forma constante ao longo de todo o livro. Não é uma leitura compulsiva mas muito interessante e agradável. As personagens são descritas de forma simples mas consistente, não há necessidade de voltar páginas atrás para recordar seja o que for, uma leitura que flui e que quando nos apercebemos já acabou, porque a verdade é que só se pára de ler no fim!

Senti-me transportada para a época de glamour dos tempos da espionagem, com mulheres lindíssimas e homens poderosos; perigo, excitação, sensualidade, conspiração; Carol podia ser uma personagem de Ken Follett, exímio (quanto a mim) em teorias da conspiração, espionagem e afins.

Muito recomendado!

“Em certa medida, nunca te abandonei, tornaste-te o meu fantasma. Vivias dentro de mim como uma menina permanentemente fechada num canto do meu espírito, refugiada num espaço paralelo que nada tinha a ver com incidentes da guerra. Não houve dia algum que não pensasse nas minhas promessas quebradas. O meu amor por ti subsistia, mas era incompatível com os acontecimentos do mundo. Pensava que talvez fosse melhor ignorar a minha saudade até ser possível ir buscar-te. Acredito que não me possas perdoar. Imagino também que nada disto pudesse interessar a uma criança que chorava insistentemente pela mãe.” (pág.191)

“Como o seu estado de confusão a forçasse a pensar por pequenos passos, Carol deu a si mesma um prazo para entender onde começava e acabava o impossível. No geral, inclinava-se para a passividade. A possibilidade de estar apaixonada por um agente da PVDE era tão absurda como a ideia de uma criatura se soltar de repente de um espelho. Uma vida inteira dedicada à causa revolucionária não a autorizava a perder de um dia para o outro o discernimento.” (pág. 221)

Sinopse

“Nascida em Cabo Verde de família branca e abastada, Carol nunca se resignou à miséria das ilhas. E, movida pelo sonho de construir uma sociedade mais justa, ingressou ainda jovem no Partido Comunista. Não se importando de usar a beleza como arma ideológica, abraçou a luta revolucionária, apaixonou-se por um camarada e ficou grávida pouco antes de ser presa. Foi a sua mãe quem tratou de Helena nos primeiros tempos, mas, depois de libertada, Carol levou-a para Moscovo, onde trabalhou nas mais altas esferas do Comintern. Aí, o contacto com as purgas estalinistas não chegou para abalar as suas convicções, mas o clima de denúncia e traição catapultou-a para o cenário da Guerra Civil espanhola, obrigando-a a deixar Helena para trás; e, apesar de ter escapado aos fuzilamentos franquistas, a eclosão da Segunda Guerra Mundial impediu Carol de voltar à União Soviética para ir buscar a criança. Será apenas vinte anos mais tarde que mãe e filha se reencontrarão em Berlim; mas a frieza e o ressentimento de Helena farão com que, na viagem de regresso a Lisboa, Carol decida escrever um romance autobiográfico com o qual a filha possa, se não perdoar-lhe, pelo menos compreender as circunstâncias do abandono, a clandestinidade, a prisão, a guerra, a espionagem e o inconcebível casamento com um inspector da polícia política. Inspirado na vida de Carolina Loff da Fonseca, este romance extremamente empolgante vai muito além dos factos, confirmando Ana Cristina Silva como uma das mais dotadas autoras de romance psicológico em Portugal.”

Oficina do Livro, 2011

publicado por marcia às 10:59
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De Dreamfinder a 24 de Setembro de 2011 às 17:06
Bastante interessante este livro. Fiquei apenas com uma dúvida, tem base numa história verídica ou é puramente ficcional? Obrigada.
De marcia a 25 de Setembro de 2011 às 00:04
Vânia, eu penso que a autora partiu de uma personagem histórica verídica mas que se deixou guiar pela imaginação. O livro vale muito a pena.

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.a ler


.a ler também


.Agosto 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Todos os Fogos o Fogo - J...

. O Motorista de Autocarro ...

. Lançamento do livro "Os D...

. O Homem Domesticado - Nun...

. Eu Confesso - Jaume Cabré...

. Leitura Conjunta - A Músi...

. Porto Editora - A Arte de...

. A Última Rodada - Rui Mig...

. Granta Portugal 9 - Comer...

. A Oeste Nada de Novo - Er...

.últ. comentários

Sim, também eu, a tudo o que escreveste, Paula. Ex...
Tantas palavras que gosto de associar aos contos: ...
Um livro que torna certas as alturas erradas...
É merecedor de atenção, Isaura.
Obrigada pelo comentário, Carlos, depois gostaria ...
Obrigada, Isaura. Escrevo-te uma dedicatória com t...
Olá Márcia,Como já sabes não pude ir à apresentaçã...
Já tinha visto este livro, mas não lhe dei a devid...
Vou ter mesmo que ler...mas acho que não para já.....
Já o comprei, está na lista das obras para ler em ...

.tags

. todas as tags

.arquivos

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Setembro 2007

.gosto

blogs SAPO

.subscrever feeds