Domingo, 31 de Outubro de 2010

Verão na Riviera - Elizabeth Adler - Opinião

 

“Verão na Riviera” é o terceiro livro que leio de Elizabeth Adler. Um livro do qual esperava divertimento, romance e entretenimento…Atingiu as expectativas e não desiludiu.

Após três livros tenho de admitir que gosto desta autora, da forma como descreve as personagens e, principalmente os ambientes envolventes. Faz-nos sentir parte do cenário dos seus romances, nota-se que adora viajar e comer; desta vez senti-me transportada para a Riviera Francesa, frequentei restaurantes típicos e, sentada à mesa a degustar deliciosas especialidades, deixei-me levar pela calma do Mar Mediterrâneo. Sem dúvida um livro que desperta os nossos sentidos.

A nível de enredo temos o romance habitual, a história entre Lola e Jack, que surge de forma inesperada mas evolui da forma esperada. Além da história de amor temos uma componente nova de intriga, mistério e até crime. Gostei de descobrir esta nova faceta da autora, planos maldosos e cenas de perseguição deram uma outra emoção a esta leitura. Adorei a personagem da Srª Nightingale, uma “Miss Marple” adorável!

Um livro que, apesar de não trazer nada de novo nem sendo uma jóia literária, proporciona boas horas de entretenimento e diversão.

Sinopse 

“A americana Lola Laforêt pensava que tinha tudo: um casamento estável com Patrick, um francês muito encantador, e o Hotel Riviera, um espaço mágico voltado para o azul do Mediterrâneo, a sua grande paixão. Até que um dia Patrick desaparece misteriosamente sem deixar rasto…
Seis meses depois, Jack Farrar, um americano que passeia pelo mundo a bordo do seu barco, lança âncora na enseada do Hotel Riviera e vai mostrar a Lola o verdadeiro significado do amor.
A atracção entre ambos é imediata, mas, após o que aconteceu com Patrick, Lola receia envolver-se novamente. Será Jack um homem de confiança? Quando a polícia a questiona acerca do paradeiro do marido e, em seguida, várias pessoas suspeitas reivindicam a posse do Hotel Riviera, Lola recorre à ajuda de Jack para encontrar o misterioso Patrick e resolver, de uma vez por todas, o seu futuro.”

Quinta Essência, 2010 

publicado por marcia às 21:44
link do post | comentar | favorito
|

NOVIDADES NOVEMBRO ESFERA DO CAOS

     

 

TÍTULO: No País das Porcas-Saras

AUTOR: Fernando Évora

EDITORA: Esfera do Caos Editores

COLECÇÃO: Esfera Contemporânea (20)

NÚMERO DE PÁGINAS: 104

FORMATO: 16,00 cm x 23,50 cm

PVP: 12,90 Euros

DATA DE PUBLICAÇÃO: Novembro de 2010

ISBN: 978-989-680-015-4

CÓDIGO DE BARRAS: 9 789896 800154

SINOPSE

Uma velha quase analfabeta que rima as palavras em quadras e décimas; uma menina que desperta os apetites sexuais de um tio; uma mulher com medo do escuro; um homem que faz malabarismos com um palito na boca; um galinheiro, um poço, um sobreiro, uma caixinha de cartão. Personagens inesquecíveis e cenários decrépitos de uma história que tem lugar no Portugal do século XXI, num interior esquecido.

Usando uma finíssima ironia e revelando um domínio perfeito da «arte de bem escrever», o autor conta-nos uma história de alentejanos, pobres, rurais, que no fundo se confrontam, num dia-a-dia feito de riso, raiva e desassossego, com problemas que também são nossos: a violência doméstica, o suicídio, o incesto, a desertificação do interior, a crise de valores.

SOBRE O AUTOR

Fernando Évora. Nasceu em Faro, em 1965. Tem-se afirmado como autor de contos, modalidade onde já obteve vários prémios literários. Além de alguns textos dispersos e incursões na literatura infantil, publicou uma pequena novela histórica, A fonte de Mafamede, e uma quase-fábula, Como se de uma fábula se tratasse.

 

TÍTULO: Políticas Públicas do Mar

SUBTÍTULO: Para um novo conceito estratégico nacional

COORDENADORES: Nuno Vieira Matias, Viriato Soromenho-Marques, João Falcato, Aristides G. Leitão

EDITORA: Esfera do Caos Editores

COLECÇÃO: Ideias (15)

NÚMERO DE PÁGINAS: 304

FORMATO: 17,00 cm x 24,00 cm

PVP: 19,70 Euros

DATA DE PUBLICAÇÃO: Novembro de 2010

ISBN: 978-989-680-016-1

CÓDIGO DE BARRAS: 9 789896 800161

DESTAQUE

UMA VISÃO AMPLA DO MAR NO FUTURO DE PORTUGAL

SINOPSE / CONTEÚDOS

Nesta viragem do milénio, a questão do mar tem menos relação com o exercício da força do que com a informação, o saber, e o desenvolvimento sustentado, que é o novo nome da Paz para qualquer governo responsável. A relação de Portugal com o mar é um dos seus interesses permanentes de conteúdo variável que marca toda a narrativa do trajecto nacional.

Um novo conceito estratégico nacional fundado nas potencialidades do mar | Os Poderes do Estado Português no Mar | A Ecologia do Mar | O Oceano e as Alterações Climáticas | A Economia do Mar | A centralidade do mar nas relações internacionais | Diplomacia do Mar | As Ciências do Mar | A Cultura do Mar.

AUTORES

Fernando Loureiro Bastos, Marta Chantal Ribeiro, Ricardo Serrão Santos, Filipe Duarte Santos, Maria José Costa João Carlos Marques, Fernando Barriga, Maria João Bebianno, Maria Teresa Dinis, Carlos Sousa Reis, Emanuel Gonçalves, Félix Ribeiro, Victor Lopo Cajarabille, António Silva Ribeiro, Alexandre da Fonseca Rebelo Duarte, Álvaro Garrido.

 

TÍTULO: Já não se fazem Homens como antigamente

AUTORES: Daniela Pereira, João Pedro Duarte, Miguel Almeida, Pedro Miguel Rocha

EDITORA: Esfera do Caos Editores

COLECÇÃO: Esfera Contemporânea (21)

NÚMERO DE PÁGINAS: 176

FORMATO: 16,00 cm x 23,50 cm

PVP: 14,90 Euros

DATA DE PUBLICAÇÃO: Novembro de 2010

ISBN: 978-989-680-017-8

CÓDIGO DE BARRAS: 9 789896 800178

SINOPSE

Lá diz o povo que rir é o melhor remédio. E que a brincar se dizem as coisas sérias. E também as patetices, se tudo correr pelo melhor. Este livro levanta assim questões fundamentais para o futuro da humanidade: Os velhotes não deveriam ter o Viagra comparticipado pelo SNS? Se as pessoas das relações virtuais fossem assim tão interessantes estariam mesmo nos chats? Não seria já altura de perdermos a vergonha e abastecermos a nossa despensa de artigos da Sex Shop?

Quando estamos num encontro romântico precisamos mesmo de atender chamadas da treta?

Os autores oferecem-nos esta obra com uma fé inabalável no riso. E com a esperança de que algo para além daquilo que a visão humana consegue enxergar, e a que alguns iluminados dão o nome de oxigénio, possa purificar o sangue, tirar as rugas, combater o stress e até ajudar os leitores a queimar calorias!

BLOGUE DO LIVRO: http://www.homenscomoantigamente.blogspot.com/

 

TÍTULO ABREVIADO: Tem coisas, ti Manel, tem coisas…

AUTOR: Camilo Mortágua

EDITORA: Esfera do Caos Editores

COLECÇÃO: Ideias (16)

NÚMERO DE PÁGINAS: 104

FORMATO: 15,00 cm x 22,00 cm

PVP: 12,90 Euros

DATA DE PUBLICAÇÃO: Novembro de 2010

ISBN: 978-989-680-018-5

CÓDIGO DE BARRAS: 9 789896 800185

SINOPSE

NOVAS UTOPIAS, PARA RESOLVER VELHOS PROBLEMAS

Uma crítica política e social do Portugal contemporâneo, escrita por quem acredita nas virtudes do desenvolvimento rural e da abordagem local.

SOBRE O AUTOR

Entre os inimigos de Salazar que lutaram de armas na mão contra o Estado Novo destacam-se dois homens: Camilo Mortágua e Hermínio da Palma Inácio ― os últimos revolucionários românticos. A eles se devem os golpes mais espectaculares que abalaram a ditadura. Mas a história da acção directa contra o regime há-de reservar a Camilo Mortágua um capítulo muito especial, pela sua perseverança na luta, ao longo de mais de vinte anos, iniciada, em Janeiro de 1961, com a participação na Operação Dulcineia, comandada pelo capitão Henrique Galvão ― o desvio do paquete português «Santa Maria» ― e prosseguida com o assalto ao avião da TAP, em Marrocos, no mesmo ano, e com a LUAR, de que foi um dos fundadores, até ao 25 Abril.

Nos últimos anos tem trabalhado na concepção e implementação de programas e projectos de desenvolvimento local, assim como na mobilização de pessoas e grupos socialmente desprotegidos e na animação e organização de comunidades em risco de exclusão.

Presidente da DELOS Constellation, Association International pour le Développement Local Soutenable (1994-2002). Co-fundador e primeiro Presidente da ACVER, Associação Internacional para o Desenvolvimento e Cooperação de Comunidades Rurais. Presidente da APURE, Associação para as Universidades Rurais Europeias. Grande Oficial da Ordem da Liberdade da República Portuguesa.

publicado por marcia às 16:54
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 30 de Outubro de 2010

O Coleccionador de Chuva - Julia Stuart - Opinião

 

“O Coleccionador de Chuva” é um livro cuja leitura da sinopse me encantou. De facto, e agora concluída a leitura do livro, confirmo ter-se revelado um romance repleto de personagens especiais, que se lê devagar, como que a saborear cada instante desta peculiar narrativa.

A imaginação da autora é, sem dúvida, o ponto forte a destacar. Julia Stuart criou um leque de personagens muito particulares, que convivem e interagem num mesmo espaço – a Torre de Londres. Desde Balthazar e Hebe Jones, casados e vivendo em agonia após a morte do filho, passando pelo Reverendo Drew, que secretamente escreve contos eróticos, até à dona do bar, que aparece grávida, muitas são as surpresas que as acções destas e de outras figuras nos apresentam.

O que ao início nos parece um livro de um humor diferente, em algumas ocasiões um pouco negro, revela-se uma história com alguma profundidade de sentimentos, que nos envolve e faz querer saber mais sobre os percursos de vida destas curiosas personagens.

Tenho de destacar duas situações que me fascinaram e que contribuem, a meu ver, para a originalidade deste romance. São elas a criação de um Jardim Zoológico na Torre de Londres, que acaba por desenvolver várias situações de um humor irresistível, e também os casos que se verificam na secção de Perdidos e Achados do Metro de Londres, onde trabalha Hebe Jones. Curiosamente são os acasos e imprevistos desta situações que, de forma inusitada, levam a um desfecho feliz de uma história de amor ameaçada pela tristeza.

Uma leitura que apreciei, me fez viajar e sonhar.

Sinopse 

“Balthazar Jones vive na Torre de Londres com a sua esposa, Hebe, e com a Sr.ª Cook, uma tartaruga centenária, e é um dos guardas do histórico local. (Sim, alguns beefeaters vivem na Torre.) E não é tarefa fácil ser guarda numa das maiores atracções turísticas de Londres. Entre as estranhas personagens que habitam o labirinto de casas antigas e escadas em caracol, contam-se Ruby Dore, a dona do bar Rack & Ruin, que ficou a saber que está grávida; o reverendo Septimus Drew, um inveterado solteirão que ninguém sonha que tem um carreira de êxito como escritor de livros eróticos; o galante tratador de corvos que só pensa em vingar a morte de um dos seus queridos animais; Valerie Jennings, a melhor amiga de Hebe, que está apaixonada pelo pica-bilhetes Arthur Catnip; e o fantasma de Sir Walter Raleigh, cujos ruidosos passeios nocturnos e vício do tabaco perturbam o merecido sono dos habitantes da Torre. A paixão de Hebe e Balthazar, outrora forte, enfraqueceu desde a morte do filho do casal. Hebe consola-se com o seu trabalho na Secção de Perdidos e Achados do Metro de Londres, onde devolve objectos perdidos aos seus donos (entre malas e chaves, contam-se estranhas preciosidades como um óscar de Dustin Hoffman, 157 dentaduras e um cofre inviolável). Balthazar não derramou uma lágrima desde o trágico incidente, e Hebe está cada vez mais distante do marido. O casamento está por um fio quando a rainha confia a Balthazar a tarefa de conceber um jardim zoológico na Torre, para abrigar as estranhas oferendas peludas e de quatro patas que os dignitários estrangeiros oferecem à monarca. É então que o dia-a-dia na Torre se torna muito agitado. Os pinguins fogem e as girafas são roubadas. E Balthazar está em apuros. E, como se não bastasse tudo isto, a sua querida tartaruga desaparece e Hebe abandona-o. Nestas circunstâncias, o que pode fazer um guarda da Torre de Londres? Com o humor das obras de Alexander McCall Smith e para todos aqueles que apreciaram Chocolate, de Joanne Harris, O Coleccionador de Chuva é uma obra tão refrescante e optimista como O Fabuloso Destino de Amélie, de Jeunet e Caro.”

Europa-América, 2010 

publicado por marcia às 08:12
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 29 de Outubro de 2010

Porto Editora - Não Ficção - Luis Sepúlveda conta-nos Histórias Daqui e Dali

 

Chega no dia 8 de Novembro às livrarias Histórias Daqui e Dali, o novo livro de Luis Sepúlveda, inédito em Portugal.

Depois de quatro romances de Luis Sepúlveda publicados, a Porto Editora lança agora um livro de histórias deste autor chileno que desde há muito tempo conquistou os leitores portugueses. Histórias Daqui e Dali é um conjunto de 25 relatos onde as palavras do autor nos remetem sempre para um mesmo território literário: o território dos derrotados que se negam a aceitar a derrota.

Luis Sepúlveda vem a Lisboa e ao Porto em meados de Novembro para contactos com o público e com a comunicação social.

Sinopse

«, diz-se em uruguaio quando se procura afirmar com ênfase, e respondeu Mario Benedetti quando a decência perguntou se havia que arriscar pelos pobres, pelos fracos, pelos condenados da terra, pelos que não tinham direito à alegria, pelos que sonhavam com uma existência justa, por uma palavra ‘amanhã’ plena de sentido.»

Esta frase, que dá início a uma das histórias que Luis Sepúlveda recolhe neste livro, resume perfeitamente tanto o espírito que guia a vida do autor chileno, como as suas palavras. Palavras seguras, potentes mas sussurrantes, que sempre nos interrogam sobre o estado do mundo e das suas gentes. Foi essa interrogação constante que consagrou Luis Sepúlveda como um dos mais originais escritores de língua castelhana.

Nestas 25 histórias somos transladados para diversos cenários, distintas situações, países daqui e dali. Um território bem conhecido dos leitores de Luis Sepúlveda que, neste livro, se reencontrarão com algumas das melhores passagens da sua extensa obra literária.

O autor

Luis Sepúlveda nasceu em Ovalle, no Chile, em 1949. Da sua vasta obra (toda ela traduzida em Portugal), destacam-se os romances O Velho que Lia Romances de Amor e História de uma Gaivota e do Gato que a Ensinou a Voar. Mas Mundo do Fim do Mundo, Nome de Toureiro, Patagónia Express, Encontros de Amor num País em Guerra, Diário de um Killer Sentimental ou A Sombra do Fomos (Prémio Primavera de Romance em 2009), por exemplo, conquistaram também, em todo o mundo, a admiração de milhões de leitores. 

No catálogo da Porto Editora (que publicará toda a sua obra) figuram já A Lâmpada de Aladino, O Velho que Lia Romances de Amor, A Sombra do que Fomos e História de uma Gaivota e do Gato que a Ensinou a Voar.

Críticas

A escrita de Luís Sepúlveda não tem fronteiras. Viaja por territórios distintos, inspira-se em pequenos acontecimentos, descobre conexões com todo o sentido […] Jornal de Negócios

Sepúlveda é um contador de histórias nato. Eficaz e sabedor do ofício. Ípsilon, Público

Uma escrita sem grandes adornos para contar histórias cuja simplicidade é inversamente proporcional à emoção que lá vem dentro. Visão

Título: Histórias Daqui e Dali

Autor: Luis Sepúlveda

Tradução: Henrique Tavares e Castro

N.º de Págs.: 160

PVP: 14,54 €

publicado por marcia às 00:41
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 28 de Outubro de 2010

Porto Editora - Ficção Portuguesa - De Córdova a Istambul

 

Com A Escrava de Córdova, publicado em 2008, Alberto S. Santos saiu do anonimato enquanto escritor e atingiu um patamar de grande sucesso, comprovado pelos mais de 15 mil livros vendidos, um valor notável para uma primeira obra de um autor português. Dois anos depois, a 11 de Novembro, a Porto Editora publica A Profecia de Istambul, o segundo romance do escritor.

Se do primeiro livro se podia dizer que a forma como o rigor histórico (que resulta em verdadeiros momentos de aprendizagem por parte do leitor) se fundia com um enredo cativante e cheio de ritmo era o grande trunfo, desta nova obra espera-se uma leitura ainda mais entusiasmante.

Depois de no lançamento de A Escrava de Córdova, no Salão Árabe do Palácio da Bolsa, no Porto, terem estado presentes mais de quinhentas pessoas, a expectativa para o evento de apresentação de A Profecia de Istambul é muito elevada. A Porto Editora está a preparar uma grande operação em conjunto com o El Corte Inglés Gaia-Porto e em breve anunciará mais detalhes. Adiante-se, no entanto, que o livro será apresentado por Francisco José Viegas.

Alberto S. Santos foi, aliás, um autor muito solicitado para apresentações de A Escrava de Córdova. No total, foram mais de cem; visitou escolas, universidades, bibliotecas e, claro está, livrarias. Esteve na Madeira, nos Açores e também em Espanha, onde o livro já se encontra publicado. O seu primeiro romance foi um dos maiores sucessos das últimas feiras do livro de Lisboa e Porto, mesmo tendo sido publicado em 2008. No último dia do certame do Porto, o autor assinou – e o número é significativo – perto de cem livros.

A Profecia de Istambul também vai ser apresentado em digressão nacional nas livrarias Bertrand e o autor vai estar em França no início do próximo ano, no Consulado de Portugal em Paris, para dar a conhecer a obra à enorme comunidade lusa.

A Profecia de Istambul

Apenas um pequeno grupo de iluminados conhece o inquietante mistério associado à Lança do Destino que, em silêncio, atravessa séculos e milénios. As cidades de Istambul, Argel e Salónica do século XVI são o exótico cenário da luta entre o Bem e o Mal, onde nasce uma terrível profecia que ameaça o futuro da Humanidade.

A Profecia de Istambul é um empolgante romance que traz à cena os prodigiosos seres que transformaram a bacia do Mediterrâneo num fervente caldeirão cultural durante o Século de Ouro. Num tempo em que mudar de religião pode significar a ascensão social ou a fogueira da Inquisição, muitos são os homens e as mulheres permanentemente confrontados com as mais duras penas, e com a sua própria consciência, para que tomem a decisão das suas vidas.

Pelo meio de corsários, cativos, renegados, conquistadores e judeus fugidos dos estados ibéricos, entre um inviolável pacto e um perturbante mistério, emerge uma fascinante história de amor, que irá colocar à prova os valores mais profundos de um ser humano.

O autor

Alberto S. Santos é advogado, formado pela Universidade Católica Portuguesa, exercendo actualmente funções públicas. É natural de Paço de Sousa, Penafiel, onde reside.

A Profecia de Istambul é o seu segundo romance, depois do best-seller A Escrava de Córdova.

Críticas a A Profecia de Istambul

Com grande rigor histórico, o autor convida-nos a fazer uma peculiar viagem no tempo: o século XVI nas duas margens do Mediterrâneo, ainda dominado pela Espanha, em que a Inquisição e a pirataria campeiam e as religiões se gladiam de modo implacável.

Trata-se de uma história meticulosamente engendrada com um “suspense” crescente até ao fim, através duma rede de personagens típicas de uma época em que o sagrado e o profano se confundem, a violência integra o quotidiano com naturalidade e faltam ainda dois séculos para emergir o tempo da tolerância.

Elvira Azevedo Mea, professora catedrática da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, membro da Academia Portuguesa de História e da Union of Jewish Studies, investigadora nas áreas da Inquisição e do Judaísmo

Título: A Profecia de Istambul

Autor: Alberto S. Santos

N.º de Págs.: 424

Capa: mole

PVP: 18,90

publicado por marcia às 00:58
link do post | comentar | favorito
|

Biografia "Sá Carneiro" de Miguel Pinheiro - Hoje à venda

 

É hoje que a biografia Sá Carneiro escrita por Miguel Pinheiro é colocada à venda. Foram mais de cinco anos de pesquisa exaustiva, de recolha de documentação e fotografias inéditas e de uma centena de entrevistas a familiares e amigos, companheiros e adversários políticos. O resultado é um retrato único da vida pessoal e política de Francisco Sá Carneiro.

publicado por marcia às 00:46
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

AUTOBIOGRAFIA DE ANTÓNIO VICTORINO D'ALMEIDA - Hoje nas livarias

 

A sua genialidade, simpatia e irreverência, indissociável da bengala e do cabelo em desalinho, fazem de António Victorino d’ Almeida uma das figuras mais queridas do panorama artístico nacional. Pianista, compositor, maestro, escritor, realizador de cinema e de televisão, encenador, comunicador nato. Quem é, afinal, o homem por detrás de tantas criações?

Referência incontornável na vida cultural portuguesa, António Victorino d’ Almeida é conhecido sobretudo pela sua produção artística e literária (são muitas e variadas as suas incursões pelo mundo da música, do cinema, da literatura ou da televisão). Porém, Ao Princípio era Eu, a sua autobiografia, mais do que evocar todo esse percurso dá antes a conhecer o homem por detrás do profissional respeitado e multifacetado que é.

Mais do que revelar “o homem dos sete instrumentos”, como é conhecido, a autobiografia de António Victorino d’ Almeida mostra (em histórias e fotografias do seu álbum particular) o homem que era antes de se ter transformado naquilo que é hoje: uma das maiores figuras do panorama cultural português das últimas décadas. A infância, a juventude, a entrada na idade adulta, as primeiras paixões, está tudo nas mais de 600 páginas, fora extratextos, de Ao Princípio era Eu.

Sobre António Victorino d’ Almeida

António Victorino Goulart de Medeiros e Almeida nasceu em Lisboa a 21 de Maio de 1940. Aluno de Campos Coelho, finalizou o Curso Superior de Piano do Conservatório Nacional de Lisboa com 19 valores e diplomou-se em Composição pela Escola Superior de Música da cidade de Viena.
Pianista, compositor e maestro, é ainda autor da adaptação para teatro musicado de A Relíquia, de Eça de Queirós, e realizou o filme A Culpa - primeira longa-metragem portuguesa a vencer um festival de cinema no estrangeiro (Huelva, 1980).
Como escritor, publicou, entre outros, Histórias de Lamento e Regozijo, Coca-Cola Killer, Um Caso de Biografia, Polissário, Tubarão 2000, Memória da Terra Esquecida, O Que é a Música, Toda a Música que eu Conheço (2 vols.), Os Devoradores de Livros e Músicas da Minha Vida.

Escreveu, apresentou e realizou mais de uma centena de documentários culturais para a televisão, foi membro do júri do Concurso de Piano de Moscovo e é actualmente Presidente do Sindicato dos Músicos Portugueses. 

PVP: 24,95 € • 608 Páginas + Extratextos

publicado por marcia às 00:37
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 25 de Outubro de 2010

Apresentação de "Mulheres que Amaram Demais" de Helena Sacadura Cabral. Quarta-feira, 27 de Outubro, 18h30, El Corte Inglés

publicado por marcia às 23:53
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Domingo, 24 de Outubro de 2010

A Esfera dos Livros - Novidades para Outubro

  

 

Para além das novidades já apresentadas aqui e aqui, A Esfera dos Livros apresenta os seguintes livros este mês:

 

Sá Carneiro – Miguel Pinheiro

Colecção: História Séc. XX
P.V.P: 32 €
EAN: 9789896262556
Páginas: 784 + 28 extratextos
Formato: 16 X 23,5 / Brochado
Data de lançamento: Outubro

Aos 46 anos, no dia 4 de Dezembro de 1980, Francisco Sá Carneiro, fundador e líder do PSD, morreu em Camarate. Junto de Snu Abecassis, a mulher por quem se apaixonou e por quem desafiou a Igreja, a família e a sociedade. Os que o seguiam viam-no como a única esperança da democracia. Os que o combatiam criticavam-lhe a intransigência com que fazia política. A sua morte, há exactamente 30 anos, ficou envolta em mistério e polémica - e fez dele um mito.

Depois de cinco anos de pesquisa exaustiva - através da recolha de fotografias e documentos nunca vistos, perdidos em arquivos privados, e de 76 entrevistas aos familiares mais próximos, a amigos de infância, a companheiros e a adversários -, o jornalista Miguel Pinheiro traça a biografia completa, pessoal e política, de Francisco Sá Carneiro.

Neste livro, ficamos a conhecer os episódios até agora desconhecidos da vida do homem que durante onze meses foi primeiro-ministro de Portugal: a depressão que sofreu e tentou esconder a seguir ao 11 de Março de 1975, a decisão de ocultar o romance com Snu por receio de perder umas eleições, as cartas inéditas do divórcio, a tentativa de declarar a nulidade do casamento no Vaticano, a forma como gostava de desafiar a morte em avionetas e helicópteros e os detalhes dos violentos confrontos políticos com Álvaro Cunhal, Ramalho Eanes e Mário Soares.

Miguel Pinheiro é director da revista Sábado. Licenciado em Direito pela Universidade de Lisboa, começou a trabalhar em jornalismo no semanário O Diabo. Passou pelo extinto diário A Capital, onde foi repórter e editor de política, sociedade e internacional, e exerceu o cargo de director adjunto do jornal 24 Horas. Colaborou com vários outros meios de comunicação social, nomeadamente com O Independente, a Maxmen e as revistas brasileiras República e Bravo!. Recebeu o prémio Grande Reportagem atribuído pela revista Grande Reportagem.

 

Carta a um Filho – Rudyard Kipling e Mauro Evangelista

Colecção: Infanto-juvenil
P.V.P: 20 €
EAN: 9789896262372
Páginas: 32
Formato: 30,5 X 39,5 /Cartonado
Data de lançamento: Outubro

O poema também conhecido como Carta a um Filho, escrito em versos e contado com imagens, foi composto por Rudyard Kipling em 1910. Em 1995, uma sondagem da BBC apontou-o como o poema mais apreciado na Grã-Bretanha.

É um poema duro, que exorta a nunca se render, a andar sempre de cabeça levantada, a não se deixar enganar, a não perder o sentido da responsabilidade inclusive nas circunstâncias mais adversas. Ter este código de conduta é, sem dúvida alguma, muito difícil, sugeri-lo a um filho, audaz e exagerado. Mas este discurso dito em voz alta, solene, calmo, íntegro, sem medo de utilizar palavras transcendentes, evoca um mundo de nobres valores luminosos e eternos.

Rudyard Kipling nasceu em Bombaim (Índia) em 1865. Cresceu como qualquer criança da sua época, embalado desde o seu nascimento por lendas e canções indianas. Em 1889, deixou a Índia e percorreu a América escrevendo para The Pioner. Em 1890 chegou a Inglaterra onde os seus contos imediatamente encontraram lugar nas revistas mais prestigiosas. Escreveu muitas obras, entre elas, as histórias de Mowgli que acabariam por ser o Livro da Selva. Regressou a Inglaterra, e graças aos seus romances, poesias e artigos, Kipling tornou-se um escritor prestigioso e popular ao mesmo tempo. Em 1907 recebeu o Prémio Nobel da Literatura. Morreu em 1936.

Mauro Evangelista nasceu em Macerata (Itália) onde vive e trabalha. Estudou na Academia de Belas Artes de Veneza e de Macerata. Trabalhou como desenhador e ilustrador de livros infantis e tem obras publicadas em editoras de vários países. Ao abordar o sugestivo poema de Kipling, sem dúvida, deixou-se levar pela ideia de Umberto Eco: «Um livro fala de todos os outros livros.»

 

Era uma vez… os contos favoritos de Fernando Mendes

Colecção: Infanto-juvenil
P.V.P: 16.5 €
EAN: 9789896262495
Páginas: 200 + inclui CD de oferta
Formato: 16 X 23,5 / Cartonado
Data de lançamento: Outubro

Era uma vez…

O Capuchinho Vermelho e o terrível Lobo Mau, a pobre da Gata Borralheira, o espertalhão do Gato das Botas, o coitado do Príncipe mais as suas malfadadas orelhas de burro, a veloz Lebre e a ainda mais rápida Tartaruga, a Cigarra cantante e a Formiga trabalhadora, a terrível Bruxa que pôs a bela Celeste a dormir, a Branca de Neve e os seus sete amigos anões, os Três Porquinhos, irmãos e amigos, mas tão diferentes entre si, os pequenos, mas incansáveis Duendes, o triste avarento mais o seu fantasma de Natal, a Baleia cantora de ópera, o Pinóquio e o seu nariz incontrolável, a formosa e bonitinha Carochinha pronta para casar com o seu João Ratão...

Todos estes príncipes e princesas, fadas e bruxas, seres mágicos e outras personagens que fazem parte da infância de todos nós reúnem-se no novo livro de Fernando Mendes.

Depois do sucesso de Petiscos de Fazer Crescer Água na Boca, com 12 edições e mais de 22 mil exemplares vendidos, o conhecido actor e apresentador de televisão escolheu 30 dos seus contos tradicionais favoritos e recriou estas magníficas histórias, ao sabor da sua imaginação, dando-lhe um toque pessoal de humor e emoção.

Era uma vez… Os Contos Favoritos de Fernando Mendes inclui um original CD com 12 histórias contadas de forma surpreendente pelo autor, com direcção musical de Luís Portugal, e uma canção original interpretada por Fernando Mendes.

Fernando Mendes é apresentador do concurso Preço Certo em Euros, exibido diariamente na RTP1. Em 1984, estreou-se em televisão, tendo participado em telenovelas e séries televisivas de sucesso como Passerelle (1984), Nico d’Obra (1993) e Nós os Ricos (1996). Em 1988, foi considerado o «Melhor Actor do Ano» pelo Jornal Sete e, em 1989, foi-lhe atribuído o Prémio Popularidade pela Casa da Imprensa.

Publicou em 2008 com grande sucesso o livro Petiscos de Fazer Crescer Água na Boca, que se encontra na 12.ª edição com mais de 22 mil exemplares vendidos. 

publicado por marcia às 15:52
link do post | comentar | favorito
|

Civilização Editora- Lançamentos em Novembro - Ficção

  

 

No seu Mundo – Jodi Picoult

SINOPSE: Jacob Hunter é um adolescente: brilhante a Matemática, sentido de humor aguçado, extraordinariamente bem organizado, incapaz de seguir as regras sociais. Jacob tem síndrome de Asperger. Está preso no seu próprio mundo – consciente do mundo exterior e querendo relacionar-se com ele. Jacob tenta ser um rapaz como os outros mas não sabe como o conseguir. Quando o seu tutor é encontrado morto, todos os sinais típicos da síndrome de Asperger – não olhar as pessoas nos olhos, movimentos descontrolados, acções inapropriadas – são encarados pela Polícia como sinais de culpa. E a mãe de Jacob tem de fazer a si própria a pergunta mais difícil do mundo: será o filho capaz de matar?

SOBRE A AUTORA: Mais de 130 mil livros vendidos em Portugal, 12 milhões em todo o mundo; Vencedora do New England Bookseller Award for Fiction.

PÁGINAS: 624 | Capa mole | PVP: 19,90 €

 

Uma Semana em Dezembro – Sebastian Faulks

SINOPSE: Londres, a semana antes do Natal de 2007. Durante sete dias, seguimos as vidas de sete personagens principais: o gestor de uma firma de investimentos que está a tentar fechar o melhor negócio da sua carreira; um futebolista profissional acabado de chegar da Polónia; um jovem advogado com pouco trabalho e demasiado tempo para pensar; um estudante que se deixou levar por teorias islâmicas; um crítico de literatura; um jovem estudante viciado em jogos e reality shows; e, finalmente, uma condutora de metro, cuja Linha Circular une estas vidas e muitas outras a cada dia.

SOBRE O AUTOR: Um dos mais importantes autores ingleses da actualidade; Vencedor do British Book Awards Author of the Year e do James Tait Black Memorial Prize. Actualmente no top10 de vendas britânico, Uma Semana em Dezembro é o primeiro romance de Faulks que decorre na actualidade (retrata o mundo da alta finança e o terrorismo) e o terceiro publicado pela Civilização.

PÁGINAS: 424 | Capa mole | PVP: 18,50 €

 

Centelhas – Hyatt Bass

SINOPSE: Bonitos, talentosos e com uma família adorável, os Aschers parecem ter tudo. Joe e Laura são celebridades em Nova Iorque – um dramaturgo bem-sucedido e uma actriz talentosa. Mas, numa noite de Inverno, Thomas, o filho do casal com apenas dezassete anos de idade, morre, e os Aschers perdem tudo.

SOBRE A AUTORA: Romance de estreia da norte-americana Hyatt Bass, autora que tem recebido críticas muito favoráveis por parte da imprensa internacional.

PÁGINAS: 352 | Capa mole | PVP: 17,00 €

publicado por marcia às 01:13
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.a ler


.a ler também


.Abril 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
15
17
18
19
20
21
22
23
24
26
27
28
29
30

.posts recentes

. O Ano da Dançarina - Carl...

. Minotauro - O Homem que D...

. Os Desafios da Europa – U...

. Rapariga em Guerra - Sara...

. O Leitor do Comboio - Jea...

. A Breve e Assombrosa Vida...

. Revista Inominável #7

. A verdade sobre o caso Ha...

. Marcador - O Ano da Dança...

. A Serpente do Essex - Sar...

.últ. comentários

Uhm, interessante... Paula
Atenção que a Dançarina pode ter um significado di...
É verdade! Vêm aí muitas coisas boas! Deixo também...
Nunca li nada desta autora, mas deixaste-me curios...
Obrigada, Márcia. Quando pedi para avisares, pense...
Muito obrigada, Isaura! Beijinho!
Beijinhos, Isaura! Obrigada por teres ido!
Olá Paula! Vêm aí novidades interessantes da Minot...
Acho que vais gostar, Ana!
é bem "agarrado", Teresa!

.tags

. todas as tags

.arquivos

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Setembro 2007

.gosto

blogs SAPO

.subscrever feeds