Sábado, 27 de Agosto de 2016

O Livro dos Camaleões - José Eduardo Agualusa - Opinião

olivrodoscamaleoes.jpg

Ler Agualusa é sempre aquela aposta certeira. Não há risco. Até agora saí sempre a ganhar.

É a primeira vez que leio Contos do autor e quero, definitivamente, descobrir os outros livros de histórias curtas. São só fantásticos. Os mais curtos são ainda melhores, na minha opinião. Cheguei ao fim de cada um deles deliciada pela qualidade da narrativa e surpreendida pela forma como se pode escrever tanto em duas ou três páginas.

Bons para ler numa tarde de Verão, deixando que as palavras acompanhem o clima quente, e nos envolvam numa dormência que embala no limiar do esquecimento. Para ler como quem sonha. Sonhos bons.

Histórias de abrir os olhos e atravessar rios, sem medo do que não se conhece, na ansia de sentir. De viver.

Todos podemos ser camaleões.

“Subitamente alguém apagou as luzes e fez-se um grave silêncio. Quem apagara a luz tinha, no mesmo gesto, apagado o ruído. Seria bom possuir um aparelho capaz de criar silêncios, pensou Sombra. Algo semelhante ao comando de uma televisão. Assim, poderíamos atravessar o tumulto cheio de espinhos de uma grande cidade como se navegássemos à vela na vasta paz de um oceano.” A boneca cantora. Pág. 40.

“A televisão não tinha som. Sofia gostava de assistir aos telejornais em silêncio. Via as imagens e esforçava-se por imaginar o contexto. Assim, de uma certa forma, era ela quem criava as notícias. Não se limitava a ser uma simples expectadora.” A última noite. Pág. 104.

A maior surpresa foi o Conto Flamantes flamingos, flamengos e flamboyants, este não tão curto, escrito no âmbito do projecto de continuação do romance Os Maias, de Eça de Queiroz (Expresso). Estranhei e tive medo. A sério? “Brincar” com Os Maias? Correu-lhe bem. Confirmem.

Sinopse

“Uma seleção de contos inéditos em livro, marcada pela prodigiosa arte de contar do escritor angolano, pela sua notável galeria de personagens, bem como pelo seu sentido de humor e de sensibilidade tão presentes em Um Estranho em Goa, A Vida no Céu ou A Rainha Ginga. 
Um ditador africano, muito respeitado em Portugal, escreve a sua biografia. Um famoso marinheiro maltês visita São Tomé, depois de passar por um lugar onde o tempo não passa. Um antropólogo descobre-se nu e indefeso diante de uma mulher. Uma zebra persegue um escritor. Uma virgem perde a cabeça. 
Neste O Livro dos Camaleões cruzam-se personagens em busca de uma identidade, ou em trânsito de identidade, atravessando diversas épocas, do século XIX aos nossos dias, e diversas geografias, das savanas do Sul de Angola às ruidosas ruas do Rio de Janeiro. 
Algumas destas personagens são arrancadas à realidade ou inspiradas em figuras reais. Não se trata de saber onde termina a realidade e começa a ficção. Trata-se de questionar a própria natureza do real.”

Quetzal, 2015

publicado por marcia às 10:46
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Domingo, 21 de Agosto de 2016

Fun Home, uma Tragicomédia Familiar - Alison Bechdel - Opinião

funhome.jpg

Ler é, de facto, uma experiência maravilhosa. E o que mais me encanta é o tanto que ainda tenho por descobrir. É certo que bate uma certa tristeza pelo tempo, que é sempre pouco para tudo o que há para ler, mas ter consciência das possibilidades inesgotáveis de leitura inquieta-me de prazer, em vez de me deprimir.

Podia pensar que é tarde para começar a ler géneros novos, na medida em que essa curiosidade já me devia ter surgido, mas possivelmente, tudo terá o seu tempo. Depois de Fun Home, uma Tragicomédia Familiar, estou certa de que outras novelas gráficas estarão no meu caminho.

Passei tantos anos presa às palavras que nunca parei para observar outras formas de ler. E nem dizerem que uma imagem vale mais do que mil palavras me tinha feito parar mais de um minuto a escutar tudo o que um desenho pode ter para contar. E foi assim que me deixei levar pela história de Alison Bechdel, que é também a história deste livro.

Claramente autobiográfico, Fun Home revela coragem ou loucura. Ou talvez ambas. Eu acho que é preciso coragem para expor a história da própria família de forma tão clara, abusando do sarcasmo sem temer cair na bizarria. Só uma loucura associada a quem não tem medo, ou o perdeu por necessidade de libertação, permite embarcar numa aventura como esta.

Tudo captamos pelo olhar de Alison (personagem que tem o mesmo nome da autora e não é coincidência), desde a infância até aos dezanove anos, altura em que o pai morre num acidente. Alison é uma menina observadora que vive com os pais e os dois irmãos. Dá-nos a visão de uma família individualista em que os membros se isolam nos seus próprios interesses criando muros entre si. É como se no seu percurso como família se fossem afastando todos uns dias um pouco mais, e quando Alison descobre pormenores do passado dos pais a surpresa atinge-a como um raio, forçando-a a reescrever todo um perfil e tentando encaixar os novos dados nas figuras materna e paterna. Com os anos tende a aproximar-se do pai. A necessidade de se assumir como lésbica coloca o pai no outro lado do espelho (ou dentro do armário) pela sua homossexualidade reprimida. Bruce deixou de esconder as suas preferências da mulher que, conhecendo as aventuras do marido, se refugia numa máscara de indiferença direcionando as suas energias para as peças de teatro que estuda e ensaia sofregamente. A relação de Alison com a mãe é distante, e se ao assumir-se como lésbica aumentou o fosso entre as duas, estreitou, por outro lado, a relação com o pai. Mesmo mantendo a habitual frieza familiar, pai e filha tornam-se grandes parceiros de leitura, partilhando recomendações e opiniões.

Os livros assumem um papel incrível nesta história, chegando mesmo a pautar o percurso das personagens, fieis aos autores que admiram e deixando-se envolver na narrativa de modo intenso e, acima de tudo, real.

Fácil seria resumir este livro como as histórias de uma família de loucos, mas seria incrivelmente redutor. Além disso seria deitar fora todas as extraordinárias análises comportamentais de uma família que é praticamente um laboratório social.

Observar os desenhos provocou-me emoções que habitualmente associo às palavras, e os textos aparentemente curtos confirmaram ser o complemento na medida certa para viver a história.

Recomendo que descubram as tragédias dos Bechdel. Que se envolvam e surpreendam. Que se choquem com a ironia refinada que traça uma linha ténue entre o drama e a comédia.

Sinopse

“Best-seller internacional e obra pioneira, Fun Home descreve a relação frágil que Alison Bechdel manteve com o pai ao longo da sua infância e adolescência. Na sua narrativa, a história íntima e pessoal de uma família transforma-se numa obra cheia de subtileza e poder. 

Exigente e distante, Bruce Bechdel era professor de Inglês e dirigia uma casa funerária - a que Alison e a família chamavam, numa pequena piada privada, a «Fun Home». Só quando estava na universidade é que Alison, que recentemente admitira aos pais que era lésbica, descobriu que o pai era gay. Umas semanas depois desta revelação, Bruce morreu, num suposto acidente, deixando à filha um legado de mistério, complexos e solidão.”

Contraponto, 2012

O livro não tem indicação do nome do tradutor

publicado por marcia às 11:59
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|
Segunda-feira, 15 de Agosto de 2016

Uma História de Amor e Trevas - Amos Oz - Opinião

umahistoriadeamoretrevas.jpg

Quando a lista de livros por ler é grande, acontecem os inevitáveis adiamentos. Uma História de Amor e Trevas era, possivelmente, das minhas leituras mais adiadas. Veio cá para casa há tempo suficiente para o meu olhar se cruzar com a sua lombada dezenas de vezes. Nos meus olhos sempre a promessa de lhe pegar em breve. Demorou algum tempo. Anos, pronto, que outras leituras se atravessaram na frente das suas mais de seiscentas páginas.

Este é mais um livro para o qual criei expectativas elevadíssimas. Penso que quanto mais adiava a sua leitura, mais elevava a fasquia, colocando-o nos píncaros. Acho que todo o leitor tem a visão do livro perfeito, aquele verdadeiramente inesquecível e completo. Para mim este livro assumiu esse papel. Não há qualquer motivo específico para isso acontecer, talvez um palpite levado ao extremo, uma premonição, uma fantasia. Seja como for, devia tê-lo lido há mais tempo, teria evitado estas especulações e poderia, quem sabe, tê-lo apreciado mais.

Seja como for, e para que fique bem claro, o livro é excepcional e Amos Oz escreve que é obra. Lê-se com enorme prazer e o interesse aumenta (obviamente) por se tratar de uma autobiografia. Talvez eu estivesse à espera de saber mais sobre Oz adulto, a sua entrega à escrita e evolução enquanto escritor. Mas é na voz de Amos menino que nos chega a história da sua família e, consequentemente, a história da criação do Estado de Israel.

Aprendi muito. Na verdade, era assustadoramente ignorante e, se por um lado, as descrições são, talvez, demasiado exaustivas, por outro permitiram-me captar todos os detalhes.

Ainda não vi o filme adaptado deste livro, mas sei que se foca na mãe de Amos. Na realidade, no livro o autor também o faz. A relação com a mãe é fundamental e a sua morte marcou as escolhas de Amos de uma forma irremediável. Se numa primeira fase a revolta o fez voltar as costas à literatura, o tempo cimentou os ensinamentos e as memórias da família, que se entregava à cultura e ao saber com uma intensidade ímpar.

Gostei muito, mas queria ter gostado mais. Tem, a meu ver, páginas a mais. Curiosamente soube-me a pouco.

Sinopse

“Farsa e dor, história e humanidade integram este retrato mágico de um escritor que testemunhou o nascimento de uma nação.

Amor e trevas são duas poderosas forças que se cruzam e acompanham a história de Amos Oz, que nos guia numa fascinante viagem ao longo dos 120 anos de história da sua família e dos seus paradoxos.
Um relato impregnado de ruído e fúria, nostalgia, perda e solidão. Em busca das raízes remotas da sua tragédia familiar, Amos Oz desvenda segredos e "esqueletos" de quatro gerações de sonhadores, intelectuais, homens de negócios fracassados, reformistas, sedutores antiquados e rebeldes ovelhas negras. Uma ampla galeria de grotescos, patéticos, ingénuos, trágicos e extravagantes personagens, homens e mulheres, todos eles participantes do cocktail genético e das circunstâncias quase surrealistas do nascimento do homem que um inevitável momento de revelação transforma em romancista.

Um relato escrito na primeira pessoa por um homem que testemunhou o nascimento do seu país e que viveu na íntegra a sua turbulenta história. Celebridades históricas materializam-se em personagens autênticos, de David Ben-Gurion, um dos fundadores do Estado de Israel, ao lendário líder das organizações clandestinas e primeiro-ministro Menahem Begin, passando pelo gigante da poesia hebraica moderna, Saul Tchernichovsky , ou o laureado com o Nobel de Literatura, S. Y. Agnon.”

Asa, 2007

Tradução de Lúcia Liba Mucznik

publicado por marcia às 23:53
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|
Sábado, 13 de Agosto de 2016

Viver depois de ti - Jojo Moyes - Opinião

viverdepoisdeti.jpg

Há momentos em que uma leitura diferente é necessária. Que não tenha particularmente a ver com o que mais se gosta, nem com a necessidade de saber mais ou aprender coisas novas e diferentes. Às vezes é preciso um livro que, mesmo não acrescentando grande coisa ao que já sou e tenho, me leve para longe. Que me leve com ele para dentro de muitas páginas fáceis de ler. Que me faça companhia, me mexa com as emoções, e me distraia de coisas em que não quero pensar.

Por vezes são necessárias pausas, intervalos na busca constante; por vezes é necessário descansar a cabeça e calar os pensamentos.

Para esta tarefa, não pensar, para mim algo bastante difícil, escolhi Viver depois de ti, da Jojo Moyes. O filme adaptado do livro estreou esta semana, parece que é daqueles de chorar baba e ranho, e eu pensei porque não experimentar um page turner lamechas para me atormentar um pouco com as desgraças dos outros?

A leitura agarrou-me de imediato (conforme esperado) e lido o primeiro capítulo já delineava uma série de coisas que, obviamente, iriam acontecer. E aconteceram. E soube-me bem esta certeira previsibilidade. Como também me deliciou a entrega à leitura e a forma como me envolvi na vida das personagens. Sinceramente era mesmo o que estava a precisar, e que sorte ter, mesmo à mão, um livro que, neste momento, me satisfez a 100%.

Li as cerca de quatrocentas páginas em três ou quatro dias, pois na verdade o livro é de consumo muito fácil. Uma vez envolvida na trama fui caindo, feliz, nos ganchos lançados pela autora no fim de cada capítulo e ao longo de todo o livro. Em resumo, não queria parar de ler, e para esse efeito o livro está mesmo muito bem conseguido. No Goodreads leva quatro estrelas minhas, não pela qualidade literária, mas por ter cumprido (com distinção) o propósito da sua leitura.

Não vos vou maçar com detalhes da história, para isso deixo a sinopse. Além do mais não vai ser difícil encontrar comentários, opiniões e críticas ao livro, bem como o trailer do filme, pois neste momento fala-se dele por todo lado.

Penso ver o filme, mas agora vou retomar a pilha de livros iniciados que está na mesa de cabeceira.

Esta pausa foi muito boa!

Sinopse

“Louisa Clark é uma jovem com uma vida banal - um namorado estável, trabalhador e uma família unida - que nunca saiu da aldeia onde sempre viveu. Quando fica desempregada, vê-se obrigada a aceitar um emprego em casa de Will Traynor, que vive preso a uma cadeira de rodas, depois de um acidente. Ele sempre tinha vivido de um modo trepidante - grandes negócios, desportos radicais, viajante incansável - agora tudo isso ficou para trás. 
Will é mordaz, temperamental e autoritário, mas Lou recusa tratá-lo com complacência e em breve a felicidade e o bem-estar dele tornam-se muito mais importantes do que ela esperaria. No entanto, quando Lou descobre que Will tem planos inconfessáveis para a sua vida, ela luta para lhe mostrar que ainda assim vale a pena viver. 
Em Viver depois de ti, Jojo Moyes aborda um tema difícil e controverso, com sensibilidade, obrigando-nos a refletir sobre o direito à liberdade de escolha e as suas consequências.”

Porto Editora, 2013

publicado por marcia às 23:02
link do post | comentar | ver comentários (8) | favorito (1)
|
Domingo, 7 de Agosto de 2016

Um Postal de Detroit - João Ricardo Pedro - Opinião

umpostaldedetroit.jpg

Eu estava mesmo convencida que não haveria nada que me pudesse fazer não gostar deste livro. E não posso dizer que não gostei. Mas não posso afirmar que gostei tanto como esperava.

Quando se lê um segundo livro de um autor, e se gostou bastante do primeiro, espera-se mais. E, se calhar, foi essa expectativa que acabou por me deixar desapontada.

Mas vamos por partes. João Ricardo Pedro mantém a grande forma, a escrita é irrepreensível, acho mesmo que apurou o estilo. A leitura é deliciosa, o texto está cheio de revelações surpreendentes, de ideias saídas de uma imaginação admirável.

A trama começa bem, parte de um acontecimento real, o choque de dois comboios em Alcafache, em 1985. Marta desaparece nesse dia, a sua mochila é descoberta no meio dos destroços do acidente. O narrador é o irmão de Marta, traumatizado desde essa data. Excelente premissa, a meu ver.

A narrativa flui conforme esperado. Penso que grande parte das pessoas já sabe que, à semelhança do O Teu Rosto será o Último, deste livro também não se retira qualquer conclusão. Se no livro anterior achei uma certa graça ao final inesperado, que na verdade não é final algum, desta vez confesso que não achei muita piada. A fórmula repete-se. É um livro cheio de gente, com muitos caminhos, muitas vezes labirínticos. Se calhar fui eu que não percebi o objectivo, mas o que é certo é que não saí do labirinto.

Li até ao fim, coisa que raramente faço quando um livro me desilude, o que significa que, para mim, o autor escreve que é uma maravilha. Fiquei só a aproveitar o brilhantismo da escrita, mesmo estando a apanhar bonés da história. Dá, sem dúvida, muito mérito a João Ricardo Pedro, mas desta vez não me chegou. Não sei se vale a pena insistir nesta fórmula. Mas enfim, quem sou eu? Afinal de contas não percebi nada…

Sinopse

“Em Setembro de 1985 dá-se um choque frontal de comboios em Alcafache. Algumas das vítimas mortais, presas nas carruagens a arder, nunca chegam a ser identificadas. No dia seguinte, a mãe de Marta recebe um inesperado telefonema informando que a mochila da filha - estudante de Belas-Artes - apareceu entre os destroços.
Partindo dos cadernos de desenho de Marta - uma espécie de diários visuais que espelham um quotidiano tão depressa sórdido como maravilhoso -, o narrador deste romance tenta recriar os passos da irmã nos tempos que antecederam o acidente. E, enquanto o faz, dá-nos a conhecer um leque de figuras absolutamente inesquecíveis, entre as quais se contam prostitutas, boxeurs, polícias e assassinos, mas também anjinhos de procissão, médicos e senhoras da caridade. E, claro, ele próprio - o mais ausente dos cadernos de Marta.
Depois do celebrado O Teu Rosto Será o Último, que venceu o Prémio LeYa em 2011 e foi traduzido em cerca de dez línguas, incluindo chinês e árabe, João Ricardo Pedro regressa à ficção com um romance delirante e avassalador sobre a ténue fronteira que existe entre sanidade e loucura e os laços perturbadores que tantas vezes unem a vida à arte."

D. Quixote, 2016

publicado por marcia às 23:14
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
|

Ler e Ver Lisboa - Vários Autores - Opinião

lereverlisboa.png

Vinte escritores e vinte ilustradores participam neste guia. Não ensina a viajar nem é um roteiro de locais a visitar como os que nos acostumámos a conhecer. É um guia de histórias que Lisboa ajudou a criar. Cidade-cenário e inspiração para quarenta autores que partilham, neste livro lindíssimo, sugestões de viagens só possíveis pela mão da imaginação.

Contos e ilustrações para todos verem Lisboa como eles a viram. Sugestões de locais a visitar para o leitor encontrar, quem sabe, as suas próprias histórias.

Durante o mês de Junho foram organizados passeios, na companhia de alguns autores, aos locais que lhes couberam recriar. Participei em algumas dessas visitas, que adorei, e tenho pena que não tivesse havido notícias de mais passeios, apesar de anunciados.

Este guia tem tudo para ser um sucesso. Contudo, a divulgação não chega à maioria das pessoas e os pontos de venda são poucos (lojas da Casa Fernando Pessoa, do Museu do Fado, do Museu da Marioneta e na bilheteira do Cinema São Jorge). Merecia estar por aí em todas as livrarias.

Procurem-no que vale a pena, são muitas viagens numa só cidade. É uma edição limitada da EGEAC e da Associação Cultural Prado.

Deixo-vos o nome dos autores participantes. Para se entusiasmarem.

lereverlisboaautores.jpg

EGEAC/Associação Cultural Prado, 2016

publicado por marcia às 14:23
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 2 de Agosto de 2016

Materna Doçura - Possidónio Cachapa - Opinião

maternadocura.jpg

Li Materna Doçura no fim-de-semana. Poderia tê-lo lido apenas no sábado, pois é daqueles livros que não apetece largar e que se lê com um prazer constante, que não esmorece.

Apesar de me ter sido muito recomendado eu não sabia nada sobre o livro. A capa e o título não me suscitaram especial interesse, e acabei por tirá-lo da estante um pouco por acaso. Li algures que vai ser adaptado ao cinema e talvez tenha sido esse o impulso que me fez abrir a primeira página. E depois disso sentei-me confortável para saber tudo sobre Sacha, que é apresentado, logo no primeiro capítulo, como um adulto recém-chegado à prisão.

Sacha é o fio condutor desta narrativa. Todas as personagens vão, inevitavelmente, movimentar-se na sua esfera, e fazer as suas histórias parte da história dele. O autor joga muito com o acaso, ou talvez com o que nos queira fazer julgar acaso, como o encontro que Sacha tem, em criança, com o Professor. O encontro destas personagens centrais é fundamental pois, mais tarde, quando cada um deles achar que nada lhes resta, contarão um com o outro. Nenhum substituirá o amor maternal para sempre perdido (para ambos), mas serão o que mais próximo se poderá considerar uma família.

Esta será uma abordagem muito superficial de uma relação que poderia ser a de um pai e de um filho, mas que na verdade nunca o é. Não sei que laços pode criar a ausência e a saudade, mas haverá entre eles a compreensão mutua de quem partilha a dor do amor incondicional interrompido. Ambos perderam as mães.

Esta é a premissa. O resto são surpresas. E Materna Doçura reserva muitas reviravoltas surpreendentes, algumas mesmo inacreditáveis, que me foram fazendo arregalar os olhos e suspirar “não é possível”. Mas é. Neste livro não há impossíveis e eu adorei viver nessa deliciosa ficção de acreditar piamente no inacreditável.

É uma homenagem incrível ao amor. O das mães, pois claro. Para a materna doçura não há sexo ou idade, está para além da vida ou da morte, e chega até nós através deste livro extraordinário sem nunca (mas nunca) cair na pieguice. E isso é obra. É obra tratar um tema bonito, que mexe com emoções profundas, sem resvalar para a lamechice ou provocar a lágrima fácil.

Materna Doçura provoca sorrisos. Muitos. É uma beleza. Leiam-no!

Sinopse

“Ninguém sai ileso de um grande amor. Ou da falta dele. Esta é uma história de fronteiras. E de reencontros. Os homens têm coração de mulher. Deixam-se amar em silêncio. As mulheres têm força de homens. São elas que mais fazem avançar a acção. A materna doçura não precisa de cédula nem de parto. A grande mãe preta e o irredimível solteirão amam os filhos que não tiveram. Este romance faz-se com um infinito «M» de mãe. Numa escrita viciante e cheia de surpresas, a língua portuguesa funciona como chave de «reconhecimento» entre personagens supostamente estranhas. Ninguém diga que conhece a última geração de ficcionistas portugueses se não tiver lido e relido este livro.”

Oficina do Livro, 2004

publicado por marcia às 23:46
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito (1)
|
Domingo, 31 de Julho de 2016

Novos Habitantes - Julho 2016

julho.JPG

Um habitante singular chegou este mês à estante. Na verdade chegou atrasado, pois foi comprado em Junho, na Feira do Livro, por uma amiga.

Em Julho suspendi as compras de livros e, por isso, foi bom haver este atraso para ter um livro para a fotografia.

Mas por outro lado é uma pena não estar com ela, a amiga, tantas vezes como gostaria.

Agosto é o mês do meu aniversário. Quem quiser contribuir para a pilha (desejando muito que haja pilha) está à vontade! :)

publicado por marcia às 11:36
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|
Domingo, 24 de Julho de 2016

Contos à Moda do Porto - Miguel Miranda - Opinião

contosamodadoporto.jpg

Continuo a descobrir os Contos.

Uma dedicação talvez tardia, mas que possivelmente antes não me daria tanto prazer. Não sei se há momentos mais propícios a apreciar a narrativa curta, se assim for, estou na minha fase de Contos. Parece-me que a vou fazer durar pois já há sempre, pelo menos, um livro de histórias curtas na mesinha de cabeceira.

Quando encontrei este livro numa loja de artigos usados, chamaram-me a atenção a capa e o título, de que gostei de imediato. Depois foi a surpresa de nunca ter ouvido falar de tal colectânea, sendo Miguel Miranda um autor relativamente conhecido, mas de quem, confesso nunca ter lido nada. Antes desta obra.

Por ser pequeno, esta edição é de bolso, coloquei-o mala para quando surgisse uma oportunidade de lhe pegar durante o dia. Numa viagem de regresso a casa li o primeiro conto, um pouco extenso, com cerca de trinta páginas. Logo a partir das primeiras linhas, imediatamente envolvida na narrativa, tive receio que a duração da viagem não fosse suficiente para o terminar. E não podia deixar de saber o final nesse dia. Não podia mesmo. A viagem foi à justa. A vantagem de usar transportes públicos é mesmo poder ler.

A minha relação com os outros Contos foi mais ou menos semelhante. Entreguei-me na ânsia de chegar ao fim, e depois, a umas páginas de terminar, adiava o ponto final. Alguns tive mesmo vontade de reler de imediato. E não houve nenhum que considerasse inferior e tivesse desejado passar à frente. Penso que uma tal unanimidade é rara, pelo menos nunca me havia acontecido.

A qualidade da escrita é extraordinária, as personagens são ricas, bem construídas e todas (umas mais outras menos) têm um delicioso toque grotesco que embala a leitura numa satisfação ímpar. Miguel Miranda surpreendeu-me pela habilidade com que doseia o humor e a ironia, como usa o calão e trabalha o sotaque sem cair no ridículo. Longe de mim considerar o sotaque de Porto ridículo, até porque sou uma grande fã de sotaques (se calhar por não ter), mas colocá-lo por escrito de forma tão realista e verosímil não é fácil, certamente.

Por todos estes motivos, mais aqueles que agora não me lembro, mas que certamente existirão, recomendo que se atirem a estes Contos, todos passados no Porto. Arrebataram o Grande Prémio do Conto Camilo Castelo Branco e acho indecente que não tenham uma promoção e divulgação à altura. Pelo menos a mim passavam completamente ao lado, se não tivesse havido uma alma com desejo de os partilhar comigo através de uma dessas lojas-depósito. Tristes lugares para enterrar livros, que vou encarando como temporários poisos de renascença.

Leiam que não se vão arrepender. É garantido!

Sinopse

“Histórias urbanas que aconteceram dentro dos olhos do autor e não só. Escorrem da prosa traços em diagonal que ligam numa amálgama as gentes, os seus medos, as suas crenças. 
O traço vigoroso, polido, limpo de superficialidades com que o autor dotou estes contos, fazem dele um modelar exemplo de imaginação viva e brilhante, garante de uma excepcional e singular comunicação com o leitor.“

Porto Editora, 2014

publicado por marcia às 14:45
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito (1)
|
Sexta-feira, 22 de Julho de 2016

Mário de Carvalho na Comunidade de Leitores Leya em Grupo

fantasiaparadoiscoroneiseumapiscina.jpg

 

Em Julho voltámos a ler em grupo, e eu já estava cheia de saudades da Comunidade!

Como proposta dois livros do Mário de Carvalho, Fantasia para dois Coronéis e uma Piscina, e A Sala Magenta. Fiz o tpc e li ambos com inesperada rapidez.

Do autor apenas tinha lido Quem diz o contrário é porque tem razão e, apesar de ter gostado muito (adorado, vá), tinha uma ideia preconcebida e absurda (de resto como normalmente o são as ideias preconcebidas) de que me iria custar horrores ler estes livros.

Não custou. Adorei. Li de uma penada, tão absorvida e maravilhada que nem parei para sublinhados e demais gatafunhagens. Agora, olhando para os livros aqui ao laasalamagenta.jpgdo, gostava de ter selecionado um excerto ou outro para partilhar. Mas nada, estão tão limpos como quando os comprei, pelo que fica o registo e o testemunho do imenso prazer que é entrar em livros escritos de forma exemplar e irrepreensível. É um bilhete só de ida numa viagem que não acaba, porque livros assim ficam comigo sempre.

Estes vão para a estante sem a opinião da praxe, apenas este apontamento com a recomendação de que os descubram. Boas notícias, Mario de Carvalho já publicou mais de vinte livros, há muito para descobrir.

A sessão com o autor foi espetacular. Um grande conversador que nos arrancou mais perguntas do que o habitual. O moderador agradece. Acho.

Foi mesmo bom voltar. Já disse que tinha saudades?

 

publicado por marcia às 00:15
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.a ler


.a ler também


.Agosto 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
16
17
18
19
20
22
23
24
25
26
28
29
30
31

.posts recentes

. O Livro dos Camaleões - J...

. Fun Home, uma Tragicomédi...

. Uma História de Amor e Tr...

. Viver depois de ti - Jojo...

. Um Postal de Detroit - Jo...

. Ler e Ver Lisboa - Vários...

. Materna Doçura - Possidón...

. Novos Habitantes - Julho ...

. Contos à Moda do Porto - ...

. Mário de Carvalho na Comu...

.últ. comentários

Márcia, com as tuas recomendações a lista cá em ca...
Experimenta, Isaura!Beijinho!
E são, Isaura. Eu achei.Beijinhos
Olá Isaura,Também a minha vontade era pouca. No en...
Olá Marcia !Vivo no Brasil. A própria editora me c...
Olá Márcia,Já vi este livro há muito tempo num blo...
Olá Márcia,Ainda não li este livro por essa razão....
Olá Márcia,Já há muito que oiço falar nesta autora...
Olá Gabriel, obrigada pelo seu comentário!Onde viv...
Sim, pelo menos desde 2012. Boa leitura!

.tags

. todas as tags

.arquivos

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Setembro 2007

.gosto

blogs SAPO

.subscrever feeds